23 de fevereiro de 2021

Doutor G | Ângelo Rodrigues - Tinder, chuva dourada, canguru perneta



Mais uma terça-feira e mais um episódio do consultório do Doutor G. Esta semana recebo o Ângelo Rodrigues que com todo o seu sentido de humor e fair-play me ajuda a esclarecer dúvidas sobre Tinder e outras aplicações, chuva dourada, canguru perneta e homens que provam ou não do próprio sabor. Como sempre, ainda há espaço para rubricas e um desafio final para o convidado que vai testar os seus conhecimentos sexuais, tanto teóricos como práticos. Espero que gostem, subscrevam e partilhem e para a semana há mais.


Ler mais...

16 de fevereiro de 2021

Doutor G | Tio Jel - legalização, ménages, usar a mão


Mais uma terça-feira e mais um episódio do consultório do Doutor G, o meu alter-ego javardo, mas com classe. Esta semana recebo o Tio Jel, raposa velha e cheia de manhas, com quem falei sobre a legalização da prostituição, ménages, usar a mão e estar sozinho muito tempo. Como sempre, ainda há espaço para rubricas e um desafio final para o convidado que vai testar os seus conhecimentos sexuais, tanto teóricos como práticos. Espero que gostem, subscrevam e partilhem e para a semana há mais.


Ler mais...

9 de fevereiro de 2021

Doutor G | Kiko is Hot - marotice oral, sinais errados, esguichamento precoce



Mais um episódio do vosso consultório sentimental e sexual preferido que agora passou a ser em vídeo e com convidados. Esta semana recebo o Kiko is Hot e falamos de muitas coisas, entre as quais javardice com classe e funaná pelado com eloquência. Há ainda espaço para rubricas e um desafio final para o convidado que vai testar os seus conhecimentos sexuais, tanto teóricos como práticos. Espero que gostem, subscrevam e partilhem e para a semana há mais.


Ler mais...

2 de fevereiro de 2021

Doutor G está de volta - Tamanhos, fantasias e vídeos marotos


O Doutor G está de volta, mas em esteroides. O vosso consultório sentimental e sexual preferido passou para outro formato. Agora será em vídeo e com um convidado por episódio que me ajuda a dar a sua opinião sobre as dúvidas enviadas pelos pacientes. Além disso, há muita conversa javarda, mas com classe, rubricas e um desafio final para o convidado que vai testar os seus conhecimentos sexuais, tanto teóricos como práticos. Espero que gostem, foi feito com empenho e com vontade de dar uma vida nova ao Doutor G. Já sei que muitos vão dizer "Eu gostava mais em escrita", mas é assim a vida, às vezes as coisas mudam e temos mais é de lidar com elas e não ser coninhas. Dito isto, todo o feedback é bem-vindo e digam quais as vossas partes favoritas e, acima de tudo, se gostaram disto. Para a semana há mais.


Ler mais...

25 de janeiro de 2021

O melhor resumo da noite eleitoral



Mais uma ficha da democracia, mais uma voltinha nas eleições. Desta vez, as presidenciais onde, sem surpresa, ganhou Marcelo Rebelo de Sousa à primeira volta. Isto das sondagens tira um bocado o suspense à coisa. As sondagens são uma espécie de spoilers que aceitamos como fazendo parte do jogo sem nos questionarmos que podem ser um bocado anti-democráticas. As sondagens favorecem o voto útil e, como tal, prejudicam os partidos e candidatos mais pequenos, além de potenciarem a abstenção porque "Vai ganhar o Marcelo e vai, vou votar para quê?". Mas pronto, é o costume, queixam-se todos da abstenção, mas nunca ninguém fez nada para a diminuir e como se ela fosse o problema e não um subproduto.


Bem, mas estas eleições foram como aqueles anos em que o Futebol Clube do Porto tinha os árbitros todos no bolso e já se sabia que ia ser campeão e a verdadeira luta que emocionava era a disputa pelo segundo lugar entre Sporting e Benfica ou, neste caso, entre André Ventura, aka Cara de Sapo, e Ana Gomes, aka Júlia Pinheiro. Ainda houve alguma emoção no início, mas no fim as posições ficaram como tinham previsto as sondagens, com Júlia Pinheiro a ficar à frente do Cara de Sapo, ainda que por uma margem menor do que a esperada. A noite foi abrilhantada com discursos e declarações dos candidatos e dos líderes de alguns partidos.


Vitorino Silva fez da garagem do irmão a sede da sua campanha e, nas suas declarações, percebemos que no meio daquela espuma que lhe sai da boca vêm algumas pérolas. Uma delas foi estar focado no número de votos e não em percentagens. Ele queria pelo menos mais um voto do que em 2016 e não lhe interessava as percentagens ou o lugar em que ficava. Foi o único candidato que ouvi a falar disso - do número de pessoas que confiaram neles - contrastando com todos os outros que falaram de décimas e lugares e ficar à frente deste e daquele.


A política precisava de mais Tinos porque se os políticos servem para representar o povo, Portugal é mais mini e bifana do que caviar e Pinot Noir.


O Tiago Mayan, o tal que tem nome de tarólogo ou de quem tem uma clínica de estética, é que lá se safou bem. Para quem apareceu do nada e tem o carisma de uma escada rolante, até teve uma boa votação, tirando proveito da campanha calma e limpa que fez. Nas freguesias mais ricas chegou a ter 9% de votos, nas mais pobres teve menos de 2%. Para azar dos liberais, Portugal tem muita gente pobre. Já os ricos, são espertos e sabem que serão os mais beneficiados. Mayan até inspira alguma honestidade, ao contrário do líder do seu partido que parece que a qualquer momento se transformará em Vampiro chupador de subsídios e Robin dos Bosques com as collants ao contrário, tirando dos pobres para dar aos ricos.


O Bloco de Esquerda levou forte e feio e nem o efeito lábios vermelho conseguiu tirar a derrota estrondosa a Marisa Matias que obteve menos de metade da percentagem que havia tido em 2016. Muito por culpa do voto "anti Ventura" de parte da esquerda que caiu no colo da Júlia Pinheiro. Marisa assumiu a derrota, coisa rara na política onde arranjam sempre forma de ganhar todos. Aliás, ganhar todos e todas, que é assim que se fala no Bloco, caso contrário implodem porque sentem que não estão a representar todos e todas, sendo que não se importam de não representar os portugueses e as portuguesas que não são das grandes zonas urbanas e que nunca provaram ovas de esturjão ou esturjona. 


João Ferreira fez o que faz sempre o PCP - ficar parado no tempo - e ficou um bocado na mesma que o candidato comunista em 2016. Com o PCP já se sabe que há duas coisas difíceis de admitir: a derrota e que a Coreia do Norte é uma ditadura nojenta. Jerónimo repetiu a cassete e quando digo cassete é mesmo cassete porque o PCP nunca chegou à era digital, mas a verdade é que Johnny boy nem com o voto das gajas das causas pseudo activistas do Twitter (que depois votam no candidato que acham mais bonito) conseguiu voos mais altos, mostrando que o Twitter representa menos a sociedade do que o Big Brother. 


André Ventura decidiu fazer declarações sem aceitar perguntas dos jornalistas no final. Foi o único a fazê-lo, penso eu. Os jornalistas, há uns tempos, decidiram que cobrir este tipo de conferências de imprensa sem perguntas não era uma boa prática jornalística porque era contribuir para propaganda, mas, claro que estiveram lá todos os meios de comunicação porque "Ventura é mau, buh!... mas dá um jeitaço para audiências e cliques por isso sa foda o código deontológico e a ética". André Ventura espumou-se mais do que o Tino, todo contente a celebrar vitória, mas na sua incoerência habitual, gritou vitória e derrota ao mesmo tempo por ter tido menos de 15% e ter ficado atrás da Júlia Pinheiro. Disse que esmagou a extrema-esquerda por ter mais votos que Marisa e João juntos, mas esqueceu-se que andou a campanha toda a chamar Ana Gomes de extrema-esquerda por ter feito parte do MRPP e que ela sozinha teve mais votos do que ele. Mais uma medalha de coerência para o candidato que se vendesse na feira só tinha produtos de contrafacção. A meio do seu discurso fiquei chocado com o que ouvi! Então, não é que André Ventura diz "treuze"? Foda-se, uma coisa é ser nazi, um gajo ainda desculpa, agora dizer "treuze" é inadmissível. Nem o Tino. A finalizar o seu monólogo diz o seguinte: "Humildemente posso olhar para mim próprio e agradecer a Deus por ter me colocado como a voz deste país". Mais uma contradição e incoerência.


Não se pode ser humilde e achar-se o escolhido por Deus. Aliás, por isso é que ninguém gostava de Jesus e acabou pregado na cruz, porque andava sempre todo arrogante a gabar-se "Tu por acaso sabes quem é o meu pai?".


Por falar em maluquinhos da Igreja, e aquele Pedro dos Santos Frazão, buddy do Ventura, responsável por aquele vídeo cringe onde pediam aos bispos para voltarem as missas, lembram-se? Bem, esse cantou vitória no Twitter de todas as maneiras e feitios. A bio dele no Twitter é a seguinte "Médico-Veterinário, Português, casado e pai de 8. Conservador da Natureza e da Família.". Primeiro, dizer médico-veterinário em vez de apenas veterinário já mostra um bocado complexos de inferioridade; e ser pai de 8 denota que, mais do que conservador da Natureza e da Família, é conservador do esperma, tal qual sketch dos Monty Python "Every sperm is sacred". Aliás, com esta votação de Ventura, o Pedro foi a correr introduzir o seu pénis meia-casa na vagina de sua mulher porque estava quase a vir-se e era pecado desperdiçar sémen sem ser para procriar. Por falar em veterinário no Chega, como aquilo é só animais eles não precisam de um médico a sério, lá isso é verdade. Por falar nisso, curioso como o PAN apoiou a Ana Gomes, mas houve tantos camelos e burros a votar no Ventura. Reparem que eu não disse que todos os que votavam Ventura eram burros ou camelos, por isso quem ficou ofendido enfiou a carapuça de lã, feito uma ovelhinha. Até acho que os 12% que votaram Ventura se distribuem assim:

  • 1% - Realmente fachos e nazis;
  • 3% - Gente burra como o caralho;
  • 6% - Gente decente, mas descontente com o sistema;
  • 2% - Malta que votou nele por ser do Benfica;
  • 1% - Malta que chumbou a matemática da 4ª classe.
Sim, fui alertado para o facto de poder haver alguma sobreposição entre das categorias, mas vocês percebem a ideia. A ideia é que demonizar o eleitorado do Ventura não é solução e que das quase 500 mil pessoas que votaram nele, a maior parte não será racista nem fascista. São apenas pessoas descontentes, são, mais uma vez, um sintoma e não o vírus. São aquele sinal estranho na pele que foi descurado por todos os outros políticos durante anos e que agora pode evoluir para melanoma. Há malta decente a votar no Chega, são só um bocado ingénuos por achar que Ventura é diferente e quer saber deles se um dia chegar ao poder. E um bocado burros, pronto. Algumas curiosidades: 

  • Porto foi onde Ventura teve menos percentagem. Quem come francesinhas não pode odiar emigrantes.
  • Se repararem bem, os distritos ou concelhos que têm menos vida nocturna são os que mais votam em Ventura. Pouca diversão e pouca foda dá nisto.
  • Na Buraca, agora Águas Livres, Ventura ficou em 3º com 11%, mas em Cascais e no Estoril ficou em 2º com 19%. E eu a pensar que Ventura era anti-sistema, está giro.

Por falar em sistema, agora vem aquele circo em que ele se demite e temos burros de um lado a celebrar "Demitiu-se!!! Ganhámos, vencemos o fascismo!" e burros do outro lado a chorar "Bem, ele é mesmo honesto, cumpriu a palavra". No fim, ele recandidata-se e é eleito e fica tudo na mesma e os burros fomos todos nós ao dar-lhe tanta atenção.


Para finalizar a conversa do Ventura, também não vale andar a campanha toda a dizer "Vão votar! Votem! Quem não vota é mau!" e depois agora queixarem-se "Como é possível tanta gente votar no Ventura?". Democracia não é só quando dá jeito. Dito isto, o discurso de ódio e saudações nazi não são liberdade de expressão nem democracia, são crime.


A Ana Gomes celebrou a vitória de ter ficado à frente de André Ventura, dizendo que se não fosse ela a extrema-direita teria mais votos. Não é que eu seja politólogo, mas acho uma análise errada. Sem Ana Gomes, Ventura teria ficado em 2º mas com menos votos do que os que teve. Ninguém deixou de ir votar Ventura por causa da Ana Gomes (acho eu, há realmente gente que vota à parva), mas há quem tenha ido votar Ventura por causa da Ana Gomes. Perceberam? A rivalidade entre eles acicatou malta a não se abster, seja para votar nele ou nela. Ambos ganharam com as picardias e ambos fizeram o outro crescer. Uma espécie de Messi e Ronaldo, mas sem vantagem nenhuma para o mundo. Com isto não digo que não seja importante ela ter-se candidatado para o Cara de Sapo não ficar a cantar de galo em segundo lugar. De notar que Paulo Pedroso também discursou e disse, com a sua voz fininha de Michael Jackson, estar satisfeito por ter tido o apoio dos partidos mais pequenos. Eu teria evitado essa referência.


Restava falar o presidente re-eleito, mas antes ainda falaram líderes de partidos que o apoiaram. Rui Rio veio cantar vitória, também, e eu por momentos fiquei na dúvida se isto eram as legislativas ou as presidenciais, mas isto quem não ganha nada tem de apoiar nas vitórias dos outros. É como a malta do Sporting que só vê futebol quando joga a Selecção. O Ventura chamou ao Jerónimo avô bêbado, mas esqueceu-se que, normalmente, os jantares de família são mais desestabilizados pelo tio bêbado e esse é Rui Rio.


Rui Rio elogiou tanto a vitória da direita sem problemas de se colar à extrema-direita que aposto que na mensagem de parabéns que enviou ao Cara de Sapo mandou como anexo uma nude do seu próprio cu.


Depois, veio o mais toino deles todos declarar vitória. Quem? O Chicão, "líder" do CDS. Ele a falar, com aquela cara de suricata com medo que venha um tremor de terra ou que apareça o Ljubomir do nada a dizer-lhe "Porque não te calas e vais para o caralho, meu querido?". Quase inexistente nas sondagens, um dos responsáveis pela debandada de votos do CDS para a direita mais extremada, vem cantar de galo como se ainda tivesse crista, dizer que a direita ganhou e que o CDS, como apoiou Marcelo, era um dos vencedores da noite. Chicão tem nome de super-herói e parece que por baixo daquele fato tem uma vestimenta com cores berrantes, mas em vez de ser o fato do super-homem tem cara de que tem roupa de forcado, mas dos que ficam para o fim para segurar a cauda do touro porque nem para o pegar de caras tem tomates.


No final, Marcelo foi igual a eles mesmo, para ele foi só mais um domingo de pandemia sem missa. Fez aquele discurso bonito do costume, focado nas vítimas da covid e essas coisas. Em tempos de pandemia, Marcelo é um presidente um bocado inútil. Não dá para beijinhos nem selfies nem abracinhos, vai fazer o quê? Dar afectos pelo chat roulette? É o que é, estas eleições para mim serviram para duas coisas: primeiro, para durante duas ou três horitas num domingo à noite me esquecer que havia pandemia; segundo, para percebermos que aquela estratégia "activista" de chamar facho ou esquerdalha a toda a gente que não concorda connosco está a funcionar tão bem como o sistema nervoso central do Schumacher. 


Queria só terminar dizendo que eu, humildemente, acho que esta análise às eleições é a melhor do mundo e que, por isso, vocês deviam partilhar. Obrigado a Deus por me ter dado este dom humilde e genial da escrita e do humor.

Ler mais...

19 de janeiro de 2021

E o prémio coninhas do ano 2020 vai para...



Feliz ano novo a todos, se é que ainda se pode dizer na terceira semana de Janeiro e se é que vale a pena desejar um ano feliz numa altura destas, mas é o que temos. Antes a pandemia do que andarmos a ser violados por aliens de pénis feitos de lâminas de barbear rombas e enferrujadas. Bem, vamos, sem mais demoras, anunciar os vencedores escolhidos por todos vocês dos prémios Por Falar Noutra Coisa.


E o vencedor na categoria MODA PARVA DO ANO é...

Foi uma vitória folgada deste flagelo que continua e que está para durar pelo menos até ao final da pandemia. De notar que os livros terem tido tão fraca votação, deve-se muito provavelmente ao facto de a maioria das pessoas não ler muitos livros, tal como eu.


E o vencedor na categoria INDIGNAÇÃO PALERMA DO ANO é...

Como podem reparar no gráfico em baixo, a indignação vencedora tinha sido a do Bernardo Silva e do Conguito, mas essa opção foi desclassificada porque reparei que o caso era de 2019 e não de 2020. Como isto é uma entrega de prémios justa e que se rege por todas as regras internacionais, o prémio teve de ser atribuído ao segundo mais votado.



E o vencedor na categoria BATALHA DO ANO é... 

Votações muito divididas entre dois dos nomeados, mas acabou por ganhar a batalha entre a ciência e os burros que, com as vacinas, terá tendência para aumentar. É esperar que os que não tomem a vacina morram todos e assim a pandemia pode servir como uma espécie de limpeza. A épica batalha da Graça Freitas com a garrafa de água ficou em segundo lugar e também poderia ter levado o prémio.


E o vencedor na categoria TRAGÉDIA DO ANO é...

Era expectável esta vitória, embora eu continue a achar que ao pé da pandemia e e das mortes, o Tik Tok do Kapinha é uma tragédia pior, mas isto sou eu e vocês é que mandam.



E o vencedor na categoria PARAGEM CEREBRAL DO ANO é...

Os burros este ano parecem o Titanic e levam os prémios todos. Mais um galardão para os chalupas pela verdade, com larga vantagem sobre os outros nomeados.


E o vencedor na categoria FAIL DO ANO é...

Fail do ano foi uma categoria bastante renhida, mas acabaram por ganhar as declarações da Graça Freitas em Janeiro quando disse que a covid muito dificilmente chegaria cá e que era quase impossível a transmissão entre humanos. Errou feio, errou rude, mas quem é que acertou nessa altura? Pessoalmente tinha preferido atribuir o prémio ao Chicão, mas é o que é.


E o vencedor na categoria PERFORMANCE DO ANO é...

Uma categoria renhidíssima, com Marcelo a ganhar por apenas alguns votos, ao contrário do que irá acontecer nas próximas eleições. Quase quase que o prémio ia para o Rodrigo Guedes de Carvalho ou para as pessoas que batem palmas à janela todos preocupados com os profissionais de saúde, mas agora vão para os cafés beber minis à porta.


E o vencedor na categoria CONINHAS DO ANO é...


E o último e mais aguardado prémio vai para os coninhas anti-máscaras. Mais um galardão para o grupo dos chalupas, burros que não acreditam na ciência. Ainda assim, foi bastante renhido, quase com Trump e Cristina Ferreira a conseguirem levar a taça. Nuno Melo, apesar de ser o mais conas de todos, como é irrelevante acabou por passar pelos pingos da chuva.


Está feito. Em relação ao sorteio dos livros da Zaya, já toda a gente que se inscreveu foi contactada via e-mail, quer tenham ganho ou não. Procurem no SPAM se não receberam nada. Se não ganharam, não desanimem, a probabilidade era menor do que morrer ter covid e morrer disso. Se quiserem muito o livro podem comprá-lo neste link, com desconto e portes grátis e já sabem que além de ajudarem a causa nobre do meu bolso, estão a contribuir para a SOS Animal e biscoitos para a Zaya. Obrigado a todos e um excelente 2021 se a Covid quiserem.
Ler mais...