7 de agosto de 2017

A mama do Benfica estava fora-de-jogo?



Ler com a voz de relato de futebol: é vermelho, nota-se um alto na ponta esquerda. O foco ajusta e vislumbra-se o símbolo do Sport Lisboa e Benfica. O que será? A câmara afasta-se... o que é que é isto ó meu? É mama! É um seio de uma loiraça! É mamaçal! É peitaça! É bago de chicha! É saquinho de leite Vigor! É disto que o meu povo gosta!

Já sabem do que falo, certo? Do plano feito pelo realizador no jogo da supertaça que originou uma onda de revolta. Onde é que foi essa revolta? No local onde acontecem todas as revoltas palermas: no Facebook.

Perguntei à minha namorada se ficaria ofendida caso tivesse sido com ela e ela respondeu «Ofendida? Não. Era sinal que tinha boas mamas.».

Eu dizer-lhe que tem boas mamas não a convence tanto como um realizador fazer um grande plano de uma delas porque, como qualquer gaja, valoriza mais um elogio vindo de outra pessoa que não o namorado.

Voltando ao assunto, estará a malícia no plano escolhido ou na cabeça das pessoas que o viram e pensaram «Eishhh, ganda teta! Estou ofendido com este realizador! Vou apresentar queixa no meu mural do Facebook, mas primeiro deixa-me filmar a televisão para publicar caso tenha havido alguém que não viu esta coisa horrível que nunca devia ter acontecido!». Sim, é um bocado parvo nos intervalos dos jogos fazerem-se planos das mulheres jeitosas que o realizador vislumbrou no estádio, mas é machismo ou é um elogio à figura feminina? Talvez seja um pouco dos dois. Misoginia é que não é de certeza já que a sua definição é "Aversão às mulheres" e "Repulsão patológica pelas relações sexuais com mulheres". As pessoas é que gostam de atirar com essa palavra sem fazerem ideia do que significa só porque viram que era a palavra mais usada no site das Capazes. Quando muito, este plano mamário é anti misógino! Talvez, aquando de um jogo de futebol feminino, e sendo uma realizadora, irá focar a câmara no enchumaço de tomatada de um adepto nas bancadas. Ah, esqueçam, ninguém vê futebol feminino. «Buh! Machista!»

Não digo que na cabeça do realizador a génese do plano não tenha sido a seguinte: «Olha o símbolo do SLB numa mama! Faz close-up no pipo!». Claro que deve ter sido, os homens são uns javardolas, especialmente quando estão com os amigos a ver a bola. No entanto, é motivo para tanta indignação? Não andam a lutar pela igualdade de peitos e pela libertação do mamilo? As pessoas ofendidas não são as mesmas que consideram que o peito de uma mulher é igual ao peito de um homem e que devia ser tratado da mesma forma? Se a mama é uma parte do corpo como outra qualquer, aquilo é só um zoom out do símbolo do SLB. Mau gosto? Não sei. Podemos discutir se usar uma camisola do SLB é mau gosto ou não, mas o plano em si, meh, é só uma mama e olhem que eu gosto muito de mamas. Há mamas em todo o lado. Usam-se mamas para vender desodorizantes, shampoos e proclamar repúblicas. Os caloiros de marketing e publicidade aprendem logo a regra de ouro «Na dúvida, metem-se mamas.» que funciona sempre. Epá, é uma mama. Arranjem uma para vocês que isso passa.

Sou e sempre serei pela igualdade. Se as mulheres quiserem andar todas em tronco nu eu serei o primeiro a apoiar essa decisão, mas, marquem as minhas palavras: vai dar merda. Tirar a conotação sexual de fruto proibido dos seios femininos vai ser prejudicial para muitas mulheres. Pensem naquelas mulheres feias que nem portas em que a única coisa que as pode valer é um generoso decote preenchido por uma peitaça épica. Como ficam essas que vão ver ser-lhes retiradas as suas únicas armas no ritual de chamamento de machos disponíveis numa noite na discoteca? É como tirar o dinheiro a um gajo rico e mais feio que nem um cadáver de gajo feio. As mamas de mulher possuem um poder incomensurável. Se pedra ganha a tesoura, tesoura ganha a papel e papel ganha a pedra, mamas ganha a todos. Desmistifica-se a mama e as mulheres perderão poder ao invés de o ganhar. Acreditem em mim que eu tirei engenharia informática e de mamas percebo bem.

Voltando ao plano polémico, nos dias de hoje dá para pegar em tudo: se o realizador filma uma gorda a festejar um golo é porque está a gozar com a banhas a abanar da senhora; se filma um homem em tronco nu é porque quer vender detergente para a roupa; se filma uma criança a comer um calipo é porque é pedófilo. Relaxem. É só uma mama.

Aposto que o vídeo árbitro pediu para rever a repetição enquanto foi ao WC.

As reportagens do telejornal na praia também têm obrigatoriamente de ter um ou dois rabos em fio dental e ninguém se indigna com os planos fechados de nalguedo que é, na sua maioria, pingão e nem merecia tempo de antena. Já toda a gente viu pornografia daquela amadora que foi parar à Internet, muito provavelmente, sem autorização de ambos os intervenientes, não já? Então pronto, não vamos ser hipócritas com um seio no qual nem se percebia se o mamilo estava intumescido ou não. No meio disto tudo, quem tem direito a ficar ofendido é o seio direito que teve zero tempo de antena. A mama esquerda já é a que tem sempre mais atenção por, devido a estar do lado do coração, ser a maior, o governo é de esquerda, e a mama direita ninguém quis saber dela. Indecente.

Verdade que a mulher em causa pode não ter gostado de ver o seu seio a ser figura de destaque numa partida de futebol. Ela é a única que poderia, legitimamente, ficar ofendida com a situação. No entanto, não a vi queixar-se, não vi nenhum post a dizer «Carta Aberta da Dona da Mama» a circular pela Internet, talvez por ser inteligente e desvalorizar a situação. Por isso, para que é que as pessoas precisam de ficar ofendidas por ela? Pensam que por ser loira e ter seios empinados não terá inteligência para perceber o mal que lhe fizeram? Pensam que por ser mulher é muito vulnerável e precisa de ajuda de um bando de gente que quer atenção? Tivesse a mulher umas grandes mamas de silicone com um grande decote e ninguém ficava indignado porque diriam que é uma oferecida e que estava mesmo a pedi-las. Vai-se a ver e no fim, de contas quem ficou indignado é que é machista.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: