30 de novembro de 2015

Quem trai uma vez, trai a vida toda?



Antigamente, este dia era feriado. Agora estamos aqui todos a trabalhar a não ser os milhares de desempregados e os filhos da mãe do pessoal que ainda está no bem bom a estudar e a queixar-se que as aulas isto e as aulas aquilo. Não aproveitem, não. Bem, vamos a mais uma consulta na rubrica "Doutor G explica como se faz".


Olá Dr G., pois que aqui a miúda, que está mais perto dos 40 que dos 30, gosta de rebolar! Tive uns quantos Fucking Friends e meia duzia de relacionamentos. Acontece que sem querer, tropecei numa cena antiga! Pois o primeiro tipo com quem soltei a franga, foi mau, na altura.... Agora.... Agora foi muito bom e não tenho duvidas que sou a melhor queca da vida dele. Conversamos e, dito por ele, não quer nada sério... saiu de um relacionamento complicado... Ok, a cena é boa, quero lá saber do anel, mas depois mete-me ao telefone com a mãe, oferece-me presentes, só falta deixar a minha escova de dentes em casa dele. O que raio se passa?   

Anónima, 37, Lisboa

Doutor G: Cara Anónima, começa a ser um tema recorrente nas dúvidas enviadas para o Doutor G. Quais as reais intenções de um homem que diz que não quer assumir um relacionamento sério? São essas mesmo, as de não querer nada sério mas querer continuar a rebolar pelado sempre que possível. Os homens sabem que mantém mais facilmente uma fuck buddy se forem fofinhos, do que apenas toma lá que já almoçaste e agora vais à tua vidinha até à próxima. Ele, provavelmente, andará a sambar de saco ao léu com outras, ou, pelo menos, anda a tentar e por aí também não quer assumir nada. Quanto a meter-te ao telefone com a mãe, pode ser porque ela o chateia de ele não ter namorada e assim sempre a consegue calar ou porque tu és boa na cama mas péssima na cozinha e ele está à espera que ela te dê umas dicas.


Caro Dr. G, passa-se o seguinte: sendo eu um jovem rapaz com os meus 25 anos e com a minha historia de relacionamentos... venho preguntar se o doutor acha normal... eu nao conseguir ter um relacionamento por mais que dois meses no máximo, algo me diz para saltar fora a primeira oportunidade... ela pode ser espectacular mas mais cedo ou mais tarde eu aborreco-me sera isto normal... ou um caso de xóninhas crónico?
Pedro, 25, Braga

Doutor G: Caro Pedro, desde já detecto um grave problema que é o facto de utilizares reticências porque sim e porque não. Se há coisa que me irrita são pessoas que... falam assim... só porque... sei lá... A minha namorada é igual. Ao início quando ela me respondia «Sim...» ou «Não...» eu pensava logo que já tinha feito merda sem saber. Depois percebi que ela é só maluca e usa reticências fora do contexto. Antes isso do assassinar-me durante o sono com um picador de gelo. Mais uma vez, sendo que esta dúvida é recorrente, reafirmo que se saltas fora é porque ela não te prendeu. As pessoas podem ser espectaculares mas não suscitarem em nós aquele sentimento de Josef Fritzl que nos apetece tê-las sempre perto de nós amarradas numa cave.


Caro doutor G., namoro há 4 anos e há quase 2 que mantenho uma relação à distância. Amo-o muito e acontece que, apesar de termos acordado manter a coisa na monogamia, ambos temos tido affairs com outras pessoas; a pior parte, é que ele não assume (apesar de não saber esconder), e eu adorava que pudessemos ser sinceros um com o outro até porque eu própria dou as minhas escapadelas com alguma frequência (não consigo passar muito tempo sem levar com ele, fico toda nervosa). A minha questão é: devo assumir o meu comportamento e correr o risco de acabar esta relação ou continuar sem falar no assunto como se não fosse nada?   
Maria, 23, Porto

Doutor G: Cara Maria, desde já os meus parabéns. Acho que devias registar a frase «Não consigo passar muito tempo sem levar com ele. Fico toda nervosa.». Acho que deve ser a frase na tua lápide e que podes fazer bom dinheiro se fizeres umas t-shirts com isso. Em inglês e tudo para as inglesas no Algarve: «I can't handle much time without levating with it. I get toda nervous.». Pois, não sei sei o que deves fazer. Por norma, os homens gostam todos de relações abertas mas é só se forem só eles a molhar o bico por fora. Mas, posto isto, há excepções e pode ser que ele alinhe numa relação Cicciolina. Mas, se ele também anda a comer por fora e não te diz, diria que vocês já têm uma relação aberta sobre a qual não falam e que, aparentemente, resulta! Não mexe que estraga.


Caro Guilherme, antes de mais quero felicita-lo pelo seu excelente livro que me tem proporcionado alguns minutos de riso diários. Agora, voltando ao assunto que me traz ate si: Há 3 anos conheci uma rapariga com quem me super identificava mas neste “match made in heaven” havia um senão: ela era casada. Os dias foram passando e a tensão sexual entre nos aumentou ate que não foi possível aguentar mais e acabamos ambos no vale dos lençóis. Pensei que seria apenas uma escapadela da parte dela pois era casada há 5 anos mas, contra todas as hipóteses 2 meses depois deste incidente a rapariga divorciou-se! Assim, sem ninguém pelo meio, decidi esperar mais uns tempos ate as coisas acalmarem e assumi uma relação, so far so good que ate decidimos juntarmo-nos num apartamento e realmente viver como um casal e puff... Até ali, a nossa vida sexual era muito activa e qualitativa, íamos aos lençóis 4 ou 5 vezes por semana e queríamos ambos mais e mais, mas tudo mudou. Sem razão aparente, de um dia para o outro a rapariga começou a evitar qualquer contacto sexual. Claro que a frustração e rejeição começam a tomar conta de mim, nunca fui egoísta no sexo, sempre pus a sua satisfação em primeiro lugar e a variedade sempre existiu. Mas também não consigo acabar com uma relação só porque não há sexo há 7 meses, mas também não suporto a ideia de ser rejeitado constantemente. Poderá o doutor elucidar-me com os seus conselhos? 
PM, 30, Lisboa

Doutor G: Caro PM, é o que dá juntares os trapinhos com uma mulher que meteu os palitos ao marido. Posso estar aqui a teorizar sobre os vários motivos que podem levar a essa quebra de libido da parte dela mas é impossível saber. No entanto, digo-te uma coisa: o marido dela devia andar a perguntar-se exactamente o mesmo quando ela não tinha vontade em casa, mas andava a chafurdar contigo. Agora, daqui tiras as tuas conclusões. O universo encontra sempre o equilíbrio perfeito e para tu estares há 7 meses sem sexo, há, provavelmente, alguém que anda há 7 meses a jogar o tiki-taka genital como se não houvesse o dia de amanhã. Como compraste o meu belo livro, ao menos já tens como ocupar os tempos mortos na cama. Pumba, marketing digital à bruta.


Bom dia caríssimo Dr. G. namoro há 2 anos mas o gajo não me satisfaz sexualmente, tanto que eu tive que arranjar um segundo plano e ir chafurdar em território alheio. A questão é que me arrependo e bastante. E a pessoa com quem cometi o pecado do adultério nunca mais me disse nada depois do que aconteceu. Não tenho sabido como lidar com nenhuma das situações e aguardo ansiosamente que me elucide para o que fazer.
M., 20, Inferno

Doutor G: Cara M, não desculpes o facto de seres uma porca com a incapacidade do teu namorado para te satisfazer. Se ele não te satisfaz e não estás contente com isso, só tens de terminar a relação e partir (para) outro. E, quando dizes que estás arrependida, não é de o teres traído mas sim porque o outro gajo te mandou dar uma volta ao bilhar grande depois de te ter dado com o taco e as bolas. É só uma questão de tempo até seres novamente infiel e dares com os pés ao teu namorado se o teu parceiro de adultério não te der a ti. Por isso, ganha os tomates que o teu namorado não tem e deixa de fazer o "gajo" perder tempo.


Caro Doutor G, tenho 20 anos e estou na universidade, posso-lhe dizer que já tive algumas oportunidades indecentes de lutas greco-romanas debaixo dos lençóis, mas que nunca se chegaram a concretizar. Isto tudo deve-se a minha insegurança e receio uma vez que não sou muito dotado da parte de baixo. O que me aconselha a fazer da minha má sorte? Aqui vão as minhas medidas: 12,5 cm de comprimento e 12 de diâmetro 
António, 20, Leiria

Doutor G: Caro António,  deve haver algum erro com as tuas medidas. 12cm de comprimento e 12cm de diâmetro? Isso não é um pénis, é um disco! É um coto de um rolo de carne! Vou, então, partir do princípio que o diâmetro está errado e que é outro valor qualquer dentro do médio baixo. Não te vou mentir António, não tens um bacamarte, não. E, não te vou mentir António, o tamanho conta, nem que seja psicologicamente. Digamos que tens uma piloca modesta. Aliás, as boas notícias é que, segundo as novas estatísticas, só está abaixo da média por 0.7 cm. Não é um caso clínico em que precises de meter espuma isolante para dar volume ao bicho. É um pénis que se tiveres boa técnica, endurance e fores um gajo dedicado com os dedos e com a língua, elas não se vão queixar. Vê as coisas pelo lado positivo: vai ser-lhes fácil efectuar uma garganta funda (mais ou menos funda, vá) e nunca vão ter a desculpa de dizer que não querem anal porque lhes dói. Tens é de ter confiança! Agarra-as e encosta-as à parede e diz-lhes ao ouvido «Vou despir-te e dar-te uma meia-dose de enchido que até diz que é melhor porque a carne processada faz cancro!».


Boas, Doutor G. Estou com um problemazito de gaja... completamente. Entrei há um ano e pouco para a Universidade e conheci várias pessoas, entre as quais a Antonieta que é a rapariga que me dou melhor. A Antonieta é muito tímida e nunca teve uma relação. Eu bem tento, porque ela é uma rapariga brutal, mas não vai lá. Bem, passado uns meses, comecei a dar umas voltitas com um rapaz e, vai na volta, quando contei à Antonieta, a reação dela foi muito estranha. Achei que ela estava interessada nele. Tempos depois disse-lhe isso, mas, como é esperado, ela negou. Entretanto, ela disse-me que estava interessada num conhecido nosso. E isso era brutalíssimo SE esse rapaz e eu não tivéssemos uma relação muito boa e SE ele não parecesse estar interessado em mim. Inicialmente, via-me a ceder a este rapaz, mas quando soube, risquei essa hipótese (para não estragar ambas as amizades). Até agora tudo ok, sou uma tipa porreira. Acontece que, neste momento, dou-me muito bem com um outro rapaz e tenho uma curiosidade enorme de dar umas cambalhotazitas com ele. A chatice nº 3: ela parece ter uma igual pancada por este, embora não tenha admitido. Questão: Devo continuar a dizer que não às minhas cambalhotas por causa de uma amiga que não sabe o que quer? É que, vendo as últimas situações, temos tendência para achar piada aos mesmos. Ou devo simplesmente avisá-la mal me interesse por um rapaz, do género "Pára lá Antonieta que este é meu!"? 
Inês, 19, Porto

Doutor G: Cara Inês, a Antonieta é uma empata fodas do caraças, está visto. A amizade é mais importante que o sexo casual, no entanto, devem estabelecer uma espécie de prioridade e de regras sob as quais se devem reger. Aqui coloco um fluxograma para vos ajudar:




E pronto, depois do trabalho que isto me deu, o mínimo que podem fazer é partilhar este texto e comprar o meu livro à venda na FNAC, Bertrand e hipermercados. Pumba, marketing digital outra vez assim à Tomás Taveira. Obrigado a todos e continuem a enviar as vossas questões filosóficas e javardas para porfalarnoutracoisa@gmail.com. 


Façam muito amor à bruta que é quase Natal e de guerras o mundo já está cheio.






Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: