24 de setembro de 2017

Apalparam a minha namorada no metro



Vendo que a Joana Amaral Dias propôs uma zona exclusiva para mulheres nos transportes públicos, para evitar o assédio, perguntei à minha namorada se já tinha sido apalpada no metro. Ela respondeu-me: «Fui uma vez.» Achei nojento e senti repulsa! Não percebo que tipo de homens andam no metro que só apalparam a minha namorada UMA vez! Uma única vez?! São todos cegos ou quê? Ou por ela ser tão gira não a apalpam por acharem que não têm qualquer hipótese? Andam os homens deste Portugal a descer-lhe a autoestima para depois ser eu a lidar com as inseguranças dela? Enfim, os homens são todos uns porcos.

A Joana Amaral Dias sugeriu esta medida só para mostrar que é gostosa. «Vejam lá que eu sou apalpada tantas vezes diariamente que preciso de uma carruagem só para mim!». É como quando os homens dizem, casualmente, numa conversa de primeiro encontro, que não usam preservativo porque lhes aperta muito, tentando dar a entender que são donos de um pénis de calibre considerável. Normalmente é treta e não gostam de usar preservativo porque, não tendo volume, perdem-no dentro da parceira.

Embora não concorde com esta medida, penso que pode trazer bastantes vantagens, desde que a zona exclusiva para mulheres nos transportes não seja ao volante.

Desde logo: o facto de um gajo não ter de ceder o lugar uma mulher grávida ou a uma idosa; não ter de apanhar aquelas pitas histéricas que falam alto sobre assuntos sem interesse nenhum «Miga, viste o que a Constança meteu no Insta? Uma foto como Bernardo! C'horror, ela não sabe que ele andou enrolado com a Matilde lá na Católica?»; depois, não tenho de apanhar com aquelas mulheres que se enchem de perfume que cheira a veneno de matar mosquitos; etc. Pensando bem, começo a simpatizar com esta medida... 

Vamos por pontos: um homem que apalpa uma mulher no metro é um atrasado mental que merecia ter um diabo da Tasmânia a roer-lhe os testículos até chegar à próstata; um homem que assedia verbalmente uma mulher, especialmente se ela for menor, é também merecedor de uma chapada à padrasto na garganta. Nisso estamos todos de acordo! No entanto, os homens que fazem isso são uma minoria. Por exemplo, nunca apalpei ninguém e já fui apalpado por um gajo no metro e em discotecas várias vezes, tanto por homens como por mulheres. Sou mais apetecível do que a Joana Amaral Dias que, pelos vistos, só é apalpada por pessoas de um dos sexos. 

Uma vez, na discoteca, estava a dançar e dei um passo para trás, encostando-me, sem ver, a uma rapariga. Pedi desculpa, mas ela virou-se a pedir satisfações e a dizer que eu a tinha apalpado. Calmamente, disse-lhe que nem a tinha visto. Ela insistia e empurrava-me com as mãos e mantive a calma e disse-lhe, novamente, que não a tinha apalpado. Ela começou a gritar e a esbracejar que nem uma arara epiléptica até que cheguei ao meu limite e disse-lhe «Olha bem para ti... tomara tu.». Ficou ofendida porque percebeu que eu tinha razão e virou-me as costas. Não é que eu seja muito lindo, mas a rapariga era um 8, numa escala de 0 a 100. A minha namorada estava ao meu lado e ainda rematou «Olha bem para ti e olha bem para mim, achas que ele precisa de te apalpar?». Fatality! Flawless victory! A autoestima daquela rapariga ficou mais de rastos do que um paralítico atrás do ladrão que lhe roubou a cadeira de rodas. Este episódio serve só para mostrar que é preciso ter cuidado em julgar os homens todos da mesma forma porque ainda há muitos que não apalpam mulheres do nada e que meter esses no mesmo saco só faz com que se tornem umas bestas como eu.

Temo pelo dia que em um homem não pode olhar ou falar com uma mulher sem pedir autorização à Câmara Municipal e que isso faça com que as mulheres fiquem encalhadas como as que apoiam este tipo de medidas.

Ando confuso com a esquerda no tocante a estes assuntos de igualdade de género. Por um lado, vemos o crescimento de uma facção que diz que o género não existe e que o masculino e feminino são criações culturais que deviam ser abolidas e que somos todos iguais biologicamente; por outro, vemos cada vez mais uma luta por espaços privados para mulheres e por quotas em todos os trabalhos (menos nas obras e no transporte e montagem de móveis do IKEA). Esta gente tem de se decidir! Não podem ser as duas coisas! Ou o género não existe e temos de estar todos misturados - incluindo retirar as categorias masculino e feminino dos Jogos Olímpicos e as mulheres nunca mais cheirarem uma medalha - ou existem diferentes géneros e vamos segregar e discriminar positivamente o mais desfavorecido a ver se isto vai ao sítio. Não gosto de nenhuma das alternativas, mas se tiver de escolher vou mais pela primeira, já que assim os balneários dos ginásios serão mistos para que, como homem branco heterossexual que sou, possa objectificar mulheres à vontade.

É um problema o assédio nos transportes públicos? Não sou a pessoa indicada para responder a essa pergunta já que sou homem e, como tal, menos exposto a isso, mas acredito que seja. Acredito que a maioria das mulheres seja apalpada e oiça comentários ordinários de homens mentecaptos. Faz-me mais sentido tornar obrigatório o ensino de Krav Maga a todas as mulheres ou dar-lhes um spray pimenta para a mão. Assim, sempre que as apalpassem, elas poderiam dar um correctivo no homem e educá-lo a não fazer aquilo novamente. Com a separação proposta, os anormais vão continuar a existir, mas com menos oportunidades de o ser. Isto é como gente feia que é fiel: não vale de nada. O problema é real, mas temo que a segregação não seja a solução até porque tenho algumas dúvidas relativamente a esta medida:

Partindo do princípio que no metro esta separação seria feita por carruagens, como é que se controlava? Um guarda que apalpava zonas genitais à porta de cada carruagem? Uma câmara com reconhecimento genital à qual tinhas de mostrar a zona das virilhas? Ou vamos acreditar que as pessoas iam respeitar as leis? Parece-me absurdo pensar que homens que apalpam mulheres incautas fossem respeitar um sinal de proibido. Como se lidava no caso de uma lésbica safadona andar a apalpar o mulherio todo? E as mulheres podiam ir para a zona geral ou era exclusiva a homens? Se pudessem seriam chamadas de promiscuas pelas outras que preferem a segregação criando assim uma maior clivagem entre as próprias mulheres? E nos autocarros? Quem ficava com os bancos de trás que têm uma carga história de segregação tão grande? Os homens? E depois quando eles tivessem de vir para a frente para sair não iriam aproveitar para se roçar tudo aquilo que não tinha conseguido durante a viagem? Estou só a fazer perguntas antes de decidir se essa medida é parva ou tem potencial. Estou a gozar, é claro que é parva. Enfim, não era de esperar que a Joana Amaral Dias soubesse qual é o caminho certo já que ela, como qualquer mulher, tem um péssimo sentido de orientação.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: