2 de maio de 2014

Manifestação de profissionais do sexo



Então não é que ontem houve uma manifestação de trabalhadoras do sexo em Lisboa e no Porto? Para quem não sabe o que são trabalhadoras do sexo, passo a explicar. São putas! Pronto está explicado. Gostava de ter lá ido, deve ter sido uma coisa animada e calma, porque é daquelas manifs em que os polícias já conheciam os manifestantes, seja por motivos profissionais ou pessoais.

Escolheram o dia do trabalhador para reivindicar a legalização da profissão mais velha do mundo. Se há pessoas que dão no duro são as prostitutas. É um trabalho árduo e desgastante a nível físico e emocional. Para não falar do dinheiro que se gasta em halibut. No dia que a prostituição for legalizada e que elas virem o que se paga em impostos acho que se vão arrepender. Já aqui tinha falado um pouco sobre empresárias da noite, mas podemos falar mais um pouco que é sempre um assunto bom para a criançada. Eu sou a favor da legalização, vai existir sempre e por isso que se controle a coisa, se chame a ASAE para ver se o material está todo em condições para ser consumido. Assim tira-se as meninas da rua e da beira da estrada e acabam-se com os chulos violentos e substitui-se-os pelo Estado. Bem... se calhar vai dar ao mesmo. Eu costumo passar muitas vezes por Monsanto, que é aqui perto de minha casa, e lembro-me que quando era puto em vez de marcos a assinalar as curvas havia meninas de botas e mini saias que os meus pais diziam que estavam à espera de boleia. Depois o Santana Lopes teve o mérito de as retirar de lá e melhorar a zona. Desconfio que as tenha levado todas para sua casa.

Bem mas voltemos à manifestação de ontem. Em vez de envergarem estandartes e bandeiras imagino mulheres de dildos grandes e veiudos em riste exigindo respeito! Com os saltos que elas costumam usar calculo que tenha sido uma marcha ainda mais lenta que o normal das manifestações. Todas agarradinhas umas às outras para não enfiarem um salto entre duas pedras da calçada e irem dar de fronha no lancil do passeio. Era coisa para terem que fazer desconto nos próximos serviços, ou de terem que ficar sempre de costas para o cliente. E em vez do Grândola Vila Morena aposto que cantaram o Roxanne do Sting ou o Pretty WomanE que palavras de ordem se terão utilizado? Infelizmente não há jornalismo de jeito em Portugal e isso não foi documentado. Mas deixo aqui algumas hipóteses:
  • Legalização! Queremos dar quecas com contribuição!
  • Queremos respeito! Somos putas mas também temos direito!
  • Todo o povo é enrabado! Ao menos o nosso cu é assalariado!
  • Passos, amigo, nem por 1 milhão fodia contigo!
  • Ó Portas, sabemos bem que de patareca tu não gostas!
Se por acaso aquilo desse para o torto e a polícia tivesse que dar carga de cacetete em punho, era um dia normal no dia daquelas senhoras e ainda eram capazes de fazer uns trocos. E pronto era isto que tinha para vos dizer. Se calhar mais logo voltamos a falar que é para compensar no fim de semana não vos ir ligar nenhuma. Adeusinho.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: