8 de julho de 2014

As mulheres não sabem conduzir



Eu gosto de viver no risco e dado que, a maioria dos seguidores deste blogue é do sexo feminino, hoje vou pôr-me a jeito para levar nas orelhas. Leiam até ao fim, respirem fundo, releiam se precisarem e depois sim, dêem-me nas orelhas.

Começo apenas com uma pergunta hipotética. Imaginem que tinham que fugir de carro em alta velocidade porque vinha alguém atrás de vocês para vos dar tau tau (do mau). A vossa vida dependia do condutor, quem preferiam ao volante? Um homem ou uma mulher? Pois eu cá preferia um homem e até podia ser maneta de uma mão. Calma, não vão já para a caixa dos comentários mandar vir. Não sejam impulsivas que essa é uma das maiores causas de acidentes na estrada.

Primeiro que tudo vamos aqui fazer a distinção entre conduzir bem e conduzir com prudência. As mulheres conduzem de forma mais consciente, disso não há dúvidas, os homens conduzem que nem uns atrasados mentais que utilizam o carro como o prolongamento do seu pénis, para afirmar a sua masculinidade na estrada através de manobras que não lembram nem a um macaco com Parkinson. Por isso é que as mulheres têm menos acidentes, porque não são tão anormais a conduzir. Por isso e porque raspar o carro todo num pilar do estacionamento do Pingo Doce não conta para as estatísticas. Agora em termos de skill, de técnica, de destreza, a maioria dos homens é melhor. Sim e vamos aqui também já deixar patente que estou a falar no geral, óbvio que há muitas mulheres que conduzem melhor que muitos homens. Uma Elisabete Jacinto estaciona o camião onde eu não conseguia estacionar um SMART. Agora no geral... minhas meninas vão-me desculpar mas vocês são umas nabas (não tu que estás a ler isto, mas aquela gaja que tu conheces que é uma porca, sim essa é uma naba a conduzir, só tem jeito para as mudanças de xixa). A meu ver há uma explicação muito óbvia para as mulheres não terem tanto jeito para o volante como os homens. Vamos lá então.

Primeiro que tudo, o gosto por conduzir. A maioria dos homens gosta de carros desde que é petiz, interessa-se por essas coisas e mal pode esperar para ter a carta. As mulheres tiram a carta por razões diferentes, mais pela independência e liberdade do que por gosto como os homens, que querem ser como o pai e conduzir bêbedo quando vem das festas de família, mesmo a mãe estando sóbria. 


Segundo, há algum desporto físico em que as mulheres sejam melhores de que os homens, no geral? Há algum recorde olímpico ou mundial em que o das mulheres seja superior aos homens? Que eu saiba não. E a conduzir aplica-se o mesmo, é uma tarefa mais física, de reflexos e treino, e nós, homens temos mais disso. Porque é que se eu disser que a maioria dos homens corre mais rápido que as mulheres ninguém fica ofendido, mas se disser que a maioria dos homens conduz melhor acusam-me de machista?

Quando vou na 2ª Circular e vejo um carro à minha frente a andar devagarinho, devagarinho, a descair ligeiramente para o meio das faixas, sem piscas, já sei que é uma mulher. Ou um velho. Às vezes é um velho.

Terceiro, é uma tarefa mono-funcional, que requer máxima atenção e poucas distracções. É mais que sabido que os homens se conseguem concentrar melhor numa única tarefa, enquanto que as mulheres têm mais capacidade para o multitasking, consequências Darwinistas de ter que cuidar dos filhos, cozinhar e tirar as nódoas das cuecas dos maridos, tudo ao mesmo tempo. Também dizem que a noção espacial dos homens é melhor, bem como o sentido de orientação, provocando menos distracções, mas sobre isso não sei o suficiente para falar. Mas já ouvi dizer que sim. 

Tinha eu uma semana de carta e duas raparigas bateram-me por trás. Do lado esquerdo podia-se ler numa montra "Saldos! Liquidação total!", chamem-me preconceituoso mas não foi coincidência. Um homem não se distrai com coisas dessas. Um homem só se desconcentra da condução ou porque passa uma gaja boa, ou porque um gajo o ultrapassa e ele leva aquilo como um desafio de quem tem a pila maior. De resto, estamos ali que nem Futres, concentradíssimos. Outra vez, num cruzamento, tenho eu prioridade e vem uma senhora da esquerda lançada, eu travo e ela em vez de fazer o mesmo lança as mãos à cabeça e pela ausência de travagem deve ter levantado os pés dos pedais. Não é mal pensado, na cabeça dela foi "o que estou a fazer vai dar merda, se deixar de fazer pode ser que safe". Por acaso eu fui muita ninja e consegui desviar-me.

Depois a juntar a isto tudo, temos o facto de as mulheres acharem que os espelhos são como os de casa e só servem para se admirarem. Toda a gente já viu mulheres a maquilharem-se no carro, a fazer o belo do eyeliner, mesmo a pedir que alguém lhes bata e as faça vazar uma vista. É pintar as unhas, é ajeitar o cabelo, é ver se os óculos ficam bem, etc e tal. Entrem no carro de uma mulher e sentem-se no lugar do condutor, vão ver que o retrovisor está a apontar para baixo, para apanhar a cara e busto apanhando apenas uma nesga de estrada atrás. Já que estamos a falar disto, a cena mais escandalosa que eu já vi uma mulher fazer no carro (sem ser de teor sexual) foi comer cereais. E não foi do pacote minha gente, foi na tigela, com leite, a comer de colher, no meio do pára-arranca da IC19. Surreal. Podia ter sido um homem claro, mas não foi e isso dá-me jeito para a minha argumentação.

Somos diferentes, há tantas coisas que as mulheres sabem fazer melhor que os homens, mas dessas coisas nenhuma é conduzir. No dia em que soubermos admitir as nossas diferenças e que temos todos os mesmos direitos mas não somos todos iguais, talvez nesse dia as descriminações acabem. Mas no final de contas, antes uma mulher azelha que ande devagarinho e com cuidado, do que um Ayrton Senna de Buraca que faz ultrapassagens nas curvas e se mete nas rotundas à papo seco. Esses para mim era tirar-lhes a carta para sempre e obrigá-los durante um ano a puxar uma carroça com o Fernando Mendes lá em cima.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: