24 de outubro de 2017

Como esquecer um amor passado



Não se enganem pelo título a pensar que esta consulta será lamechas e sem a habitual javardeira com classe! Começo por agradecer à Vibrolandia por patrocinar o Doutor G e vos dar miminhos a vocês também, já que usando o cupão "DRG10" têm direito a 10% de desconto em qualquer artigo para apimentar a safadeza no leito. Bem, vamos lá começar que estas dúvidas não se vão responder sozinhas.


Á dois dias atrás o meu tio conseguiu convencer-me  a comparar tamanhos... Ele procedeu então a dobrar o seu pénis, chegando até parte mais á retaguarda do seu bolso testicular, e eu competitivo como sou, dobrei o meu pénis flácido de 15 centímetros em direção ao meu anús conseguindo alcançar uma cópula de 4,3 centímetros com a minha saida excretora. Com tanta agitação e êxtase, a vibração provocada pelos meus saltos, originou uma eração de proporções inamagináveis... Fiquei preso numa mistura de sensações de dor e prazer. Isto faz de mim uma pessoa com muito amor proprio ou homosexual?
Gervásio, 23, Albufeira 

Doutor G: Caro Gervásio, devo dizer que apanhei gonorreia nos olhos depois de ler uma dúvida com tantos erros ortográficos. Peço desculpa se estou a discriminar e se não tiveste acesso básico à educação, mas a vida é assim mesmo, cheia de injustiças. Parece-me uma dúvida inventada só para teres protagonismo aqui neste consultório sério até porque ninguém de 23 anos se chama Gervásio a não ser que tenha pais negligentes - o que explicaria o homicídio ortográfico - mas, de qualquer forma, como já vi de tudo neste consultório, vou responder como se fosse real:
  1. Esse teu tio Alfredo - vou assumir que é este o nome dele - devia estar sempre a insistir com os teus pais para ser ele a mudar-te a fralda quando eras pequeno, certo? Pois... normalmente é quanto mais "prima" e não quanto mais "sobrinho", mas vocês já são maiores por isso lá sabem como querem passar as consoadas de natalícias e que tipo de tronco de Natal querem comer e que tipo de madeiro à arder querem ver;
  2. Como é que inseriste o teu pénis flácido no ânus? Deves ter o esfíncter mais lasso do que os elásticos daquelas boxers com dez anos que vamos guardando só para usar como pijama no Verão. Isso ou tens um pénis esparguete do calibre de um tubo de colonoscopia que se mete por qualquer buraco facilmente.
  3. Até ver, se a única pila que gostas de ter no rabo for a tua, parece-me apenas um caso de amor próprio. É a tal máxima que se os homens fossem como os cães e conseguissem lamber a própria sacola dos girinos, todos o experimentavam. Essa tua habilidade pode dar jeito quando estiveres obstipado dos intestinos.
Não tenho mais a dizer. Para a próxima usem uma régua, mas aviso já que depois dos vinte anos isso já não cresce. Se queres sentir coisas no rabo, compra antes um anal plug com swarovski que ao menos não corres o risco de partir o trombinhas.


Caro Dr.G, tenho 19 anos, e estou numa relação à cerca de 1 ano com um rapaz de 24 anos e praticamente já vivemos juntos. Digamos então que o meu namorado adora ter relações sexuais, algo que nunca lhe neguei, e já à alguns meses que ele me falava em visitarmos um clube de swing algo que nunca me mostrei muito recetiva. Certo dia acabei por lhe dizer para se ir arranjar que iriamos sair, levei-o a um clube de swing para ver o ambiente, fomos abordados por vários homens interessados, mas não fizemos nada pois eu estava bastante envergonhada. Acabámos por voltar, ao que sem eu me aperceber acabei por dar permissão a um rapaz para se juntar a mim, entretanto tentei ''fugir'' para outro local, e ele pensou que era para vir e veio atrás de mim e do meu namorado (para a sauna), começou a tocar-me e eu tal modo que estava chocada nem tive reação, resumindo, acabámos num quarto os 3. Conversámos durante uns 15min para ver se eu me colocava mais à vontade, e ainda rolou ali durante um tempo, eu acabei por dizer que não me sentia bem e que queria parar. Resumindo, após tudo isto, fiquei com curiosidade de experimentar com uma mulher, porém penso que o meu namorado não está muito recetivo, será por medo de eu querer desistir a meio, ou será que não gostou da experiência? 
Alexandra, 19, Viseu

Doutor G: Cara Alexandra, que grande salganhada que para aí vai! Não querias, depois já queres, depois fugiste, mas deixaste-te tocar, depois acabaram no quarto, depois não querias, depois afinal já queres, mas com uma mulher. Deves pensar que swing é como ir à Zara em que experimentas a roupa toda, deixas tudo desarrumado para os empregados e no fim nem compras nada. Ora bem, se o teu namorado não quer juntar outra mulher ao barulho, mas ver-te a ser alambazada por outro homem é na boa, é porque tem o fetiche de ser corno manso, em termos técnicos: cuckold. O facto de não estar receptivo a fazer com outra mulher é ainda mais estranho, já que essa é a principal fantasia de 99,9% dos homens heterossexuais. Pode achar que não tem andamento para as duas. Talvez nem tenha para uma o que explicaria o facto de querer o auxílio de outro gajo para te dar assistência. No meio disto tudo, só me resta dizer-te para fazeres apenas o que te fizer sentir confortável. Se estiveres com dúvidas, diz que não e se não pararem morde-lhes a ponta da gaita e chama a polícia. Não ao mesmo tempo, porque não se fala de boca cheia.


Caro Dr.G, tenho um amigo que foi pai à um ano, e como tal eu e os meus amigos fomos convidados para o baptizado do fedelho. Esta ocasião festiva durou 4 dias muito intensos com álcool. Este baptizado serviu para aproximar me de uma rapariga e acabamos por nos envolver um mês depois. Combinamos que ia ser sexo nada mais mas eu comecei a ganhar sentimentos por ela e não foi reciproco. Continuei a vê-la visto que temos o mesmo grupo de amigos mas apesar de ainda gostar dela apetece me fazer a luta greco-romana com a amiga dela. O que devo fazer Dr. G? Nesse baptizado também houve outra vitima , um dos meus amigos apaixonou se mas nunca teve sucesso. Como que ele deve agir para conquista-la?  
Verdocas, 30, Porto

Doutor G: Caro Verdocas, isto parece uma dúvida de alguém com 16 anos. Trinta? Triiiiiinta, caralho? E ainda com inseguranças destas? Não há duvidas que o mundo mudou - e ainda bem - e que agora também temos homens que se apaixonam quando a parceira apenas queria sexo. Queres fazer sexo com a amiga? Mas ela quer fazer contigo? Primeiro há que averiguar essa situação porque mais vale um par na mão, do que dois no soutien, já diziam as Mamonas Assassinas. Mandam as regras da etiqueta que não se faça sexo com duas pessoas do mesmo grupo de amigos sem o consentimento de toda a gente. Deixo um fluxograma para ajudar:
Em relação ao teu amigo, o que ele deve fazer para a conquistar é o seguinte: deixar de ser parvo que ninguém com mais de 25 anos se apaixona em dois dias, ainda por cima bêbedo. Ele que a convide para sair e que seja ele mesmo, ou seja outra pessoa no caso de ser um palerma.


Caro Dr. G, depois de dois namoros falhados na adolescência, não estando pronta para me relacionar com alguém fui ficando sozinha para curar as minhas feridas, mas já se passaram alguns anos, sem funana pelado, sem encontros, sem nada de nada e já estou prontíssima para encontrar alguém para passar o resto dos meus dias, ou só me divertir. No entanto durante este tempo penso que desenvolvi uma espécie de patologia: apaixono-me sempre pelos meus amigos. Depois de andar meses a babar pelo meu melhor amigo, cheia de falsas esperanças, finalmente percebi que aquilo não ia dar a lado nenhum. E entretanto conheci um rapaz. A coisa até estava a ficar interessante, super querido quando estávamos juntos, sempre a falar por mensagens, etc, até que ele veio “desabafar” sobre raparigas. Porquê que os homens me assumem logo como um dos “bro”? 
Anónima, 25, Lisboa

Doutor G: Cara Anónima, és uma espécie de mito urbano vivo: mulher que fica na friendzone. É um avistamento mais raro do que o do Bigfoot focado e devias doar o teu corpo à ciência para ser estudado e se entender as causas dessa patologia que leva os homens a olharem para uma mulher de forma assexuada. Há mulheres que se queixam que os homens apenas as vêem como um bocado de carne e depois há outras, como tu, que queriam que eles olhassem para ti como um recém vegan à força, só para impressionar alguém, olha para uma maminha com alho. Há várias teorias que acabei de inventar neste momento:
  • És feia, mas mesmo muito feia.
  • Tens uma personalidade que te faz desde sempre interagir mais com rapazes e ter mais amigos homens, entrando nas conversas e sabendo os podres todos deles, o que os leva a olhar para ti apenas como uma irmã.
  • És demasiado gira e tens pouca iniciativa e deixas passar demasiado tempo até mostrares o teu interesse e os teus amigos acham todos que és demasiada areia para a camioneta deles e contentam-se em ser amigos monocromáticos.
  • Comes de boca aberta.
Como estás fora do "game" há muito tempo e já penduraste as bolas há mais tempo do que a filha do Nené, é normal que as tuas competências de flirt estejam mais enferrujadas do que as panelas anti-oxidantes da Filipa Vacondeus. Em relação a esse último gajo, ele desabafar contigo sobre raparigas não quer dizer que não esteja interessado em ti, é até uma técnica bem antiga de sedução só para ver se tu tens ciúmes. Convida-o para jantar em tua casa e quando ele chegar e vir que só há uma cadeira à mesa e te perguntar «Onde é que vou buscar outra cadeira?» tu respondes «Não é preciso, usa essa que eu sento-me na tua cara.». Isso ou convida-lo para o meu espectáculo cujos bilhetes estão à venda neste link (e neste link para quem quiser ver em Faro), mas Lisboa, Porto, Aveiro e Coimbra já esgotou.


Caro Doutor G, gostava de uma rapariga, ela até parecia gostar de mim, mas há coisa de um mês atrás, ela foi um bocado cabra para mim, sabendo que eu gostava dela, acabando o pouco que havia entre nós. No entanto ainda não a esqueci completamente, como se nota. O que fazer para passar à frente com maior facilidade? Tenho falado com outra rapariga que parece gostar de mim, e a semana passada convidei-a a sair, mas quando chegou ao dia D, ela não disse nada nem respondeu à minha mensagem. Mas agora já fala normalmente comigo, e pediu desculpa por não me "ter deixado pendurado". O que raio se deve passar ali?  
Hugo, 21, Coimbra

Doutor G: Caro Hugo, a melhor forma de esquecer alguém é arranjando outra pessoa. Uma espécie de limpa palato que servem nos casamentos para tirar o sabor do bacalhau com broa enquanto não chegam os medalhões de vitela. No entanto, parece-me que a tua queca de ressalto não vai funcionar com essa segunda rapariga. O que se passa é muito simples: ela gosta da atenção que lhe dás, mas não está interessada em ti. Provavelmente, anda a rondar outro gajo que lhe interessa mais e o que tens de fazer é nunca mais a convidar para nada. Se ela te convidar, recusa pelo menos duas vezes. Uma coisa é não estar interessada, outra é ser mal educada. Se conseguires ir para a cama com ela, vinga-te e faz por aleijar um bocadinho.


Olá Doutor G, fui para a cama com um gajo que conheci na viagem de finalistas. Apaixonei-me ou então não (das duas três). Houve tentativas de repetição do acto mas ora eu dizia que não ora ele dizia que não e eis que, comecei a falar com um amigo dele, mal eu sabia que para além de amigo era também a criatura que dividia casa com ele (e mais para a frente passou a dividir outras coisas). A coisa foi correndo bem com o amigo... Eu, não satisfeita contei-lhe tudo e numa primeira fase ainda mantemos a amizade, no entanto pouco tempo depois chateou-se a séria, disse-me que lhe faltei ao respeito por me ter envolvido com o amigo e que perdeu o tesão por mim e bloqueou-me em todas as formas de contacto que o Dr possa imaginar. Gostaria de saber a sua opinião em relação a este caso sem paninhos quentes, eu aguento!  
P, 19, Lisboa

Doutor G: Cara P, devo dizer que não percebi uma coisa: quem se chateou foi o primeiro ou o segundo gajo? Se foi o segundo, não tem nada a ver com isso porque foi antes de andares com ele. Se foi com o primeiro, ele tem toda a razão. Mais uma vez, há uma espécie de etiqueta que diz que quando se é cliente habitual de um café, não se deve ir ao café do lado. Fica mal. Não tens nenhum compromisso com o Avenida, mas vais lá várias vezes e tratam-te bem, e ir ao Central que fica ao lado vai criar desconforto. Até porque és mulher e a sociedade ainda vos trata de forma diferente: um gajo varre as gajas todas de uma residência de estudantes e é um garanhão; uma gaja pesca duas minhocas por arrasto na mesma freguesia e é uma rameira. Isto acontece porque os homens são inseguros e sendo colegas de quarto já devem ter visto os pénis um do outro e aposto contigo que o que ficou chateado é o que tem o trombinhas mais pequeno. Não te preocupes com isso e encara isto como um jogo de monopólio. Essa casa já varreste tudo, agora a ver se ficas com o quarteirão todo e fazes um hotel. Depois, já que ficas com fama de puta, toma-lhe o proveito e passa na casa de partida a recolher os teus vinte paus. Sim, usei "paus" e não foi por acaso.


Obrigado, mais uma vez, à Vibrolandia por depois de centenas de dúvidas respondidas de borla, dar agora algum a ganhar ao Doutor G. Não se esqueçam que têm o cupão "DRG10" que vos dá 10% de desconto. Obrigado a todos e, como sempre, até para a semana e continuem a enviar as vossas dúvidas para porfalarnoutracoisa@gmail.com. 


Partilhem e façam amor à bruta, porque de guerras o mundo já está cheio.






Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: