19 de novembro de 2014

Mea culpa



Alguns já devem ter lido isto ontem no Facebook, mas aqui fica o meu Mea Culpa.

Nunca pensei que ter um blogue de cariz humorístico me fizesse descobrir tanto sobre mim. Nestes 10 meses fez-me perceber que sou racista, sou xenófobo, sou machista, sou homofóbico e sou insensível a qualquer sofrimento de terceiros. Fez-me perceber que dou poder aos violadores e que acho a pedofilia aceitável. Que não respeito as crenças dos outros por fazer piadas sobre elas, mesmo que elas passem por ter amigos imaginários de barbas brancas. Fez-me perceber que o meu humor é fácil e básico e que só tenho mais de 16 mil likes porque a maioria das pessoas são burras e não gostam de humor inteligente. Fez-me perceber que sou má pessoa, não sei escrever e que o meu sotaque Angolano é tão bom que devia ser processado por racismo. Aliás, percebi que afinal sou tão racista que, no fundo, eu queria ter duas escravas para me roerem as unhas dos pés. 


Fez-me perceber que odeio mulheres, odeio tudo o que há de diferente nelas e que sou a favor da violência doméstica. 

No fundo gostava de estar na Arábia Saudita a apedrejar uma mulher, por ter feito a bainha demasiado subida à burca 

Fez-me conhecer o meu monstro interior e perceber que sou um sociopata insensível ao sofrimento dos outros, incapaz de nutrir empatia por quem tem dificuldades, já que ser a favor da proibição das touradas é não pensar nas pessoas que vivem dela. Fez-me conhecer o meu lado ordinário e brejeiro, por utilizar asneiras sem lhe colocar asteriscos. Fez-me perceber que sou um mau cidadão por não achar que toda a gente que se abstém se está a cagar. Que não me posso queixar de nada porque não contribuo para a sociedade.

Fez-me perceber que tenho mau gosto e que não me sensibilizo com pais que matam filhos na panela de água a ferver. Fez-me perceber que sou homofóbico com todas as forças do meu ser, que discrimino gays, lésbicas, transsexuais e anões transformistas. Que, apesar de achar que não tenho preconceitos, porque nunca discriminei e concordo com as suas causas, as minhas piadas falam mais forte do que eu. Percebi que afinal eu não sou contra a super protecção das crianças, mas sim a favor do bullying, qual Israelita que se esqueceu do Holocausto. Que sou a favor que se espanque crianças, principalmente as pretas, gays e com síndrome de down. Fez-me perceber que só escrevo sobre assuntos que me incomodam porque quero ter likes, que sou um narcisista acima de tudo, que não olha a meios para atingir os fins.

Agora que desabafei sinto-me melhor e em paz com a minha besta negra. Foi bom ter-me conhecido melhor. Agradeço a quem me chamou racista, xenófobo, machista, homofóbico, sociopata e filho da puta. A quem desejou que eu morresse, que tivesse um AVC e ficasse entravado, a quem desejou que a minha mãe tivesse Alzheimer, que todos os meus entes queridos morressem de Legionella ou Ébola, se possível dos dois, e a quem me ameaçou de morte por dizer que o FCP já foi beneficiado pelos árbitros. Obrigado a essas pessoas todas pela compreensão demonstrada por quem tem uma opinião diferente das delas, sobre o que se deve ou não brincar. Por não me julgarem pelo meu sentido de humor que não é o mesmo que o delas. É bom saber que ainda há gente moralmente superior por aí, que não se importa de perder alguns minutos do seu precioso tempo para andarem em páginas de facebook de pessoas tão nojentas como eu e para fazer ver aos outros o que é realmente uma boa pessoa. Mas mais que agradecer, queria pedir desculpa. Pedir desculpa a quem gosta do que eu escrevo, por este texto não ter piada. Aos outros, não aos que apenas não gostam, mas os que não gostam e criticam ofendendo, esses podem ir para o CARALHO. Sem asteriscos e com maiúsculas.

Ter like numa página de facebook só para estar atento às novidades e poder ir lá dizer mal, é o mesmo que um homem efectuar um felácio a outro, só para o acusar de ser gay

Este foi o meu manifesto à lá Tatiana Neves, uma espécie de #pissasposjeiters, mas mais elaborado. Foi uma egotrip narcisista, temperada com a arrogância de quem tem a consciência tranquila. No fundo só escrevi isto, não por estar ofendido ou para fazer queixinhas, mas porque achei que era giro e podia ter comentários fofinhos, likes e partilhas  Não me desiludam agora 

PS: Vocês que seguem a página deviam ter igualmente vergonha. São quase tão execráveis quanto eu. Suas bestas cafajestes fofinhas.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: