8 de dezembro de 2014

A minha viagem pela Europa



No mês passado fez um ano que voltei de uma viagem pela Europa. Foi uma viagem que fazia parte de um projecto que criei com um amigo, que consistia em percorrer a Europa em busca de artistas de rua. Filmámos os melhores e no fim, com o voto do público, premiámos o vencedor com um bilhete de InteRrail para ele viajar durante um mês. Foi uma experiência única, que demorou muito tempo a concretizar, depois de ouvirmos muitos nãos, lá conseguimos os apoios que eram precisos. Percorremos 15 países e aqui fica o que aprendi sobre cada uma das cidades visitadas, em duas frases ou menos sobre cada, pontuação e com uma fotografia tirada por mim para vocês verem que sou bué artístico. 

Madrid


Suja, com greve de recolha de lixo, excepto a zona em frente ao Palácio Real. Aí tudo limpinho e arranjadinho. Paguei 10 euros por uma cerveja numa discoteca que estava vazia. Ainda tentei pagar em pe(ta)setas, mas eles disseram que não dava. Filhos da mãe dos espanhóis.
Pontuação: 6/10


Barcelona

Sim senhora, uma cidade bem gira, com belos parques e arquitectura. O melhor era a cerveja a 1 euro vendida por turcos nas ruas à noite, ruas essas onde a prostituição era uma constante, a fazer as ruas ao lado do IST parecerem átrios de igreja.
Pontuação: 7/10

Montpellier

Fomos forçados a passar lá a noite porque os filhos da mãe dos franceses não nos quiseram vender bilhete de comboio para Itália. Regateámos o hotel e dormiu-se bem. A cidade até é bastante engraçada, embora cara. Uma rapariga veio ter connosco quando estávamos numa esplanada e perguntou se queríamos festa. Dissemos que não. O Hotel já tinha sido caro.
Pontuação: 5/10

Zurique

Passámos 4 horas em Zurique e deram para ver o que é. Carros caros e gente toda arranjada. Nós comemos pão com manteiga e bebemos vinho da garrafa num parque, onde toda a gente olhava a pensar que éramos sem abrigos sexys.
Pontuação: 5/10

Zagreb

Ninguém pára nas passadeiras, há wifi na rua e 95% dos homens andam de fato de treino, inclusivamente para sair à noite. Não admira que elas olhassem para nós como se fossemos galãs de Hollywood. Vale a pena mas por vezes parece uma cidade fantasma.
Pontuação: 6/10

Budapeste

Cinzenta e com obras em cada esquina. A cidade com maior número de actrizes pornográficas e mamas de silicone. As caras delas no entanto também parecem que estão em obras. A cidade tem um carisma brutal e a entrada na discoteca mais fina lá do sítio custava 2 euros. Já lá tinha ido e continua a ser a minha cidade preferida.
Pontuação: 10/10

Viena

Fria, arranjada, branca e com pessoas que sussurram na rua. Tudo parece um laboratório de análises clínicas. É gira sim senhor mas não tem carisma nenhum.
Pontuação: 7/10

Bratislava

Nunca mais lá vou. A estação onde chegamos fazia lembrar o Cacém. Um homem de fato de treino branco chegou ao pé de mim e disse baixinho "Information?". Depois seguiu-nos por vários metros até que o despistámos. A cidade tem 500 metros quadrados giros o resto é pior que a Buraca. Fomos a uma discoteca que era um antigo abrigo nuclear, embutida no meio da montanha. Pagámos 2€ para entrar. Foi a parte boa.
Pontuação: 4/10

Praga

Do caraças, em que cada esquina conta uma história diferente. Tem uma vida incrível e lojas que vendem 200 tipos de absinto. Não provámos nenhum, feitos meninos. Vale muito a pena.
Pontuação: 8/10

Cracóvia

Já lá tinha ido e não me importava de lá voltar. Bonita e carismática, barata e com pessoas simpáticas. É pequena mas acolhedora e têm uma estátua do antigo Papa João Paulo II, onde podem tirar fotos a fazer pirraça. Fica perto dos campos de concentração de Auschwitz, visita que aconselho, para se deixarem de queixar da vossa vida. É uma fonte de inspiração para o humor negro, mas uma pessoa vem de lá com um peso nos ombros.
Pontuação: 9/10

Berlim

É uma enorme cidade, tanto em tamanho como em cultura, arquitectura e cenas. Carismática e com arte de rua a cada esquina. Fomos barrados em duas discotecas e perguntaram-nos se éramos gays, possivelmente para nos barrarem também, mas em Nutella. Andámos sempre sem pagar metro, foi a nossa maneira de mandar a Merkl à merda.
Pontuação:  9/10

Copenhaga

Cidade do caraças que só peca pelo frio e pelos preços. Gente simpática e prestável, a contrariar com o resto dos Nórdicos. Andam sempre sorridentes e não é por acaso que são considerados o povo mais feliz do mundo. Mas cá para mim tudo se deve a uma zona no meio da cidade, chamada Christiania, que é um bairro de ocupas, onde se vende droga ao estilo de feira da ladra. Não se pode correr, tirar fotos ou falar ao telemóvel lá dentro. Os cegos, surdos e paraplégicos estão safos.
Pontuação: 9/10

Gotemburgo

Descobrimos que tinha saído uma lei que obrigava todas as discotecas a fechar às 2 da manhã devido 6 tiroteios que já tinha havido nos últimos meses. Se isto não fosse suficiente, não se vendia bebidas com mais de 3 graus em teor alcoólico. Havia vinho e whisky sem álcool à venda nos supermercados. Que merda é esta? São malucos os Suecos. Não é uma cidade que valha a pena.
Pontuação: 4/10

Oslo

Senti-me inseguro, o que para um gajo que vem da Buraca diz muito sobre a cidade. É tudo mais caro que um restaurante de Vilamoura em pleno Agosto e vale ainda menos a pena. Não gostei, foi a maior desilusão da viagem, talvez pelas expectativas altas com que íamos. No entanto, foi onde tivemos talvez a melhor experiência de toda a viagem que foi dormir numa casa de ocupas. Já aqui escrevi sobre isso.
Pontuação: 5/10

Bruges

Muito, muito gira. Talvez a cidade mais bonita de todas, embora pequena. Provas de cerveja, chocolate e batas fritas. Gente simpática e porrada nas ruas à noite. O que mais se pode querer? Ideal para irem passar uma semana com a vossa cara metade. Vai-vos parecer que estão numa cidade de um conto de fadas, isto se a vossa alma gémea não estragar tudo, derivado do facto de ser feia.
Pontuação: 9/10

Amesterdão

Amesterdão é Amesterdão, não há muito mais a dizer. Andar de bicicleta, prostitutas e fumar erva. Prostitutas não usufruímos, que já estávamos com pouco dinheiro, fumar erva não fumei que já me deixei disso há uns anos. Restou-me andar de bicicleta. Uma cidade que nos faz querer voltar.
Pontuação: 9/10

Colónia

Escolhemos Colónia como última cidade porque decidimos que já não havia tempo nem recursos para visitar Paris como deve ser. Isso e porque estávamos ressentidos com os franceses. Pelo mapa pareceu-nos a melhor cidade ali perto. É gira mas não surpreende. Aproveitámos o facto de voltar à Alemanha para roubar saquetas de chá e chocolate em pó no Hotel. Chupa Merkl.
Pontuação: 6/10

Lisboa

Lá voltámos a casa, Lisboa menina e moça. Não sei se me consigo distanciar, mas acho que se encontrasse e conhecesse Lisboa durante a viagem tinha chegado ao Terreiro do Paço e me tinha caído o queixo. Quem a tem como garantida não lhe dá o devido valor, mas é uma ou a cidade mais bonita da Europa. O Porto também não é mau, já escrevi sobre isso e também tem uma coisa que é transversal a todas as nossas cidades, que lá fora há menos, que são pessoas simpáticas e dispostas a ajudar. Ser português é isso.
Pontuação: 11/10


E foi isto. Um dia escrevo mais sobre esta aventura e sobre as várias peripécias que aconteceram. Bom feriado!





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: