12 de janeiro de 2015

Consultório do Doutor G #1



Tal como prometido, hoje começa a rubrica "O Doutor G explica como se faz", onde são respondidas as questões existenciais, sentimentais e sexuais que os leitores enviaram durante a semana. 

O espaço que se segue, é da inteira responsabilidade do Doutor G


Tenho uma amiga, vamos chamar-lhe Olívia, que palita os dentes com a pila do namorado. Parece-me pouco higiénico, meter a pila na boca...ainda assim, é normal ser tão fina?
Little Miss Weird, 25, Buraca

Doutor G: Palitar os dentes, seja como for, é uma actividade que não aprovo, no entanto temos que respeitar os fetiches alheios. Relativamente ao calibre do dito pénis, tudo depende, se a tua amiga tiver os dentes como o Nuno Guerreiro, não se pode considerar assim tão fina.


Tenho namorada, mas conheci outra e ela apaixonou-se por mim e comecei a namorar com ela, mas não é tudo, ando a papar uma terceira... Sou um autêntico garanhão, tenho que admitir, mas quero a sua ajuda Doctor G, não sei o que fazer. Ajude-me! Namoro com duas e ando a comer outra!
José C., 35, Portimão

Doutor G: Caro José, sugiro-te inscreveres-te na Casa dos Segredos, dessa forma todos te vão enaltecer por seres um homem à antiga, vais ter ainda mais mulheres atrás de ti e ainda vai fazer uns trocos com presenças em discotecas. Se tal não for possível, lembra-te que mais vale um par delas na não do que três a voar, por isso fica-te pela que tem melhor par. Atenta que eu disse melhor e não maior.


Gosto de um rapaz, que está a 300 km. Ele não sabe, nem imagina as saudades que tenho dele. Como é possível dizer a alguém que está tão longe, que falamos diariamente por telefone e que vemos de vez em quando que afinal o sentimento de amizade é talvez maior?
Luna Izabella, 22, Badajoz

Doutor G: Cara Luna, a distância é realmente um factor impeditivo de muitas relações, mas se queres que ele perceba que sentes algo mais que apenas amizade, tens que tomar a iniciativa. Os homens gostam de mulheres que o fazem e no teu caso aconselho um gesto romântico, como enviares-lhe para o telemóvel uma foto do teu coração. Sem soutien. Depois é esperar e ver o que ele diz.


Olá, quero fazer anal com a minha namorada, mas ela diz que só aceita com uma condição, depois de termos feito, ela quer enfiar-me um dildo "pelo cu acima" propriamente. Não sei o que fazer, estou com o pé atrás, mas eu quero mesmo fazer anal. Ajude-me Doctor G.
João, 21, Damaia

Doutor G: Caro João, compreendo que estejas de pé atrás, mas se queres fazer anal parece que vais ter que ter outra coisa atrás. O Doutor G é pela igualdade, pelo que se a tua namorada só aceita nessas condições, esse dildo terá que ser um molde fidedigno do teu pénis. Há kits para fazer moldes do pénis que se compram em algumas sex-shops e parece-me a forma mais justa na tua situação. Se tens um trombinhas pequenino, estás com sorte, se tens um badalo hercúleo, pelo qual sempre te gabaste, estás fodido. Literalmente.


Eu queria organizar uma noite romântica para o meu namorado, mas não sei que música usar. Achas que aquela que é assim: na na na hmmmm tss tss, vai estragar o clima? Já agora achas estranho ele estar sempre a pedir para me vestir de bombeiro?
Rita, 24, Braga

Doutor G: Olá Rita, desde que não seja uma música da família Carreira ou da Ana Malhoa, qualquer uma é possível para efectuar a prática do coito em segurança e essa parece-me uma boa escolha. As fantasias são por vezes estranhas, mas se ele não quiser que encarnes demasiado a personagem e lhe dês com uma mangueira no nalguedo, eu não me preocuparia para já.


Boa noite Sôr Dotor Gê. A minha questão relaciona-se com o facto de haver estudos que afirmam que o sexo oral provoca mais cancer na garganta, do que a bebida e o cigarro juntos. 
Is Mad, 27, Brasil

Doutor G: Caro leitor do outro lado do Atlântico, devo dizer que a sua questão é pertinente e pelo que sei é um estudo fidedigno. O número de casos de cancro na garganta tem aumentado exponencialmente devido a sexo oral desprotegido, tanto em homens como mulheres. O Doutor G aconselha a compra de preservativos com sabor e do uso de papel de celofane para o cunnilingus. O meu avô dizia que bastava lavar com água ardente de medronho e que estava como novo. Cabe-te a ti escolher a opção que achares mais viável.


Bom dia Dr. G, gostaria de saber se é possível engravidar do meu namorado apenas por andar de mão dada com ele?
Joana, 16, Paços de Ferreira

Doutor G: Cara leitora, é praticamente impossível, a não ser que ele tenha acabado de tocar uma zumbinha e se tenha esquecido de lavar as mãos e depois tu, já depois de terem andado de mão dada, tenhas coçado a zona das vergonhas por dentro. Ainda assim, os espermatozóides morrem em menos de 1 minuto depois da ejaculação.


Boas Dr G, tenho um colega meu que acabou uma relação e se sente muito em baixo, apesar de ele não o admitir e dizer que é alto machão eu que sou um dos seus melhores amigos tenho a certeza absoluta que o mais próximo que o rapaz teve de um orgasmo à conta de uma mulher, foi a bater uma à conta das fotos das mamas da nossa velha amiga Pamela e de uma ou outra bovina da casa dos segredos que mostrou aquilo que não devia! Grande dr G como o posso ajudar a resolver estes dois problemas!
João Moura, 20, São Pedro da Raimonda

Doutor G: É bom ver pessoas preocupadas com os seus amigos João. A melhor forma de ultrapassar o término de uma relação é com rebound sex. Para isso tens que o levar a sair à noite, caso ele seja mais feio que a parte de trás de um Renault Twingo, sugiro que seja uma discoteca com pouca luz. Não o leves a meninas profissionais do sexo, que nesta fase ele corre o risco de se apaixonar por uma e depois é um gastar de dinheiro que só vai dar numa depressão maior. Puxa por ele com uma conversa à Daniel Oliveira, e quando ele já estiver com os copos pergunta-lhe o que dizem os olhos dele. Diz-lhe exactamente o que me disseste a mim até ele quebrar e começar a chorar no teu ombro. Depois disso desenmerda-te.


Se praticar o amor anal sem avisar antes posso ser processado pela jovem?
António, 65, Santa Comba Dão

Doutor G: Obviamente que sim e com razão. Fazer sexo anal sem avisar, é como mudar de faixa de rodagem sem colocar piscas. É apanhar as pessoas desprevenidas e pode dar merda.


Ultimamente tenho um problema durante o acto sexual. Há tempos, enquanto cumpria a minha função tentando que a minha cara metade atingisse o orgasmo, tentei retardar o meu próprio orgasmo recordando as opiniões acéfalas do Gustavo Santos acerca do atentado de Paris. Quase que abusava ao ponto de ficar com um tesão a meio-gás, mas a distracção lá cumpriu a sua função. O problema é que agora, de cada vez que estou prestes a atingir o orgasmo, lembro-me daquela cara de gajo do street-racing que ele tem, e fico mais flácido que as peles do pescoço da Lili Caneças. É ainda pior do que aquela vez em que a minha mulher teve a ideia de "ser criativa" e me meteu um dedo no cu! O que devo fazer para afastar este trauma da minha vida sexual?
Alfredo, 35, Macinhata do Vouga

Doutor G: Caro Alfredo, realmente é um problema muito grave que descreves. Ter o Gustavo Santos no pensamento, seja em que situação for é algo gravíssimo, para o qual aconselho tratamento psiquiátrico especializado. A única saída no teu caso, embora que arriscada, é praticares a masturbação a ver um filme pornográfico e mesmo na altura que estás no ponto sem retorno a atingir o orgasmo, olhares para uma foto do Gustavo. Desta forma irás criar uma reacção pavloviana, em que associarás o orgasmo ao Gustavo e se tudo correr bem não irás ficar com erecção de meia casa aquando da prática do coito com a tua cara metade. É um tratamento radical e de choque, com potenciais efeitos secundários e que fica da tua inteira responsabilidade experimentar. Boa sorte.


Quando estou num daqueles momentos quentes com a minha adorada companheira nunca consigo "ver Deus" se não estiver imaginado a minha professora de educação física, uma mulher corpulenta (120 quilos) e com uma voz mais masculina que o Tom Cruise interpretando "Missão Impossível". Que devo eu fazer então para ejacular sem recorrer ao tão repugnante método ulteriormente apresentado?
Tiago, 25, Bragança

Doutor G: Cada um se excita da maneira que mais gosta. Se essa forma te faz atingir o orgasmo é o que interessa. Se fosse com a Odete Santos dir-te-ia que precisavas de acompanhamento psiquiátrico, sendo assim não me parece muito grave.


Caro Doutor G, escrevo-lhe porque mesmo sem o conhecer, já sinto por si uma enorme estima. Estima essa que tenho perdido pelo meu amante. (Bem, estima e não só... adiante!) Estamos juntos há cerca de um mês, e eu gostava mesmo que esta relação desse certo! Estou empenhada e disposta a tudo, mas temos um grande problema que não sei como resolver sozinha; peço-lhe ajuda! Quase não temos tido sexo: entenda-se que só temos tido sexo normal, como gente recentemente casada tem, assim sem sal, e isso para mim quase não conta! Afinal, para quê ser amante se não é para adicionar algum piri-piri? Então, tive uma ideia! Escrever uma sex-bucket-list e desafia-lo a pôr check em tudo! O que acha? Podia-me ajudar a incluir os verdadeiros desejos de um homem? Agradecida!
Snussy, 28, Porto

Doutor G: Os gostos variam de homem para homem, mas deixo aqui algumas sugestões para a tua bucket-list: Acordá-lo com uma felatio de antologia; Filmar o acto sexual, com POV incluído; Efectuar sexo oral numa sala de cinema; Ires para um hotel e ligares-lhe para ele ir lá ter, fazendo de canalizador que vai resolver um problema no chuveiro; Sexo a 3, ou 4, ou 5, com homens ou mulheres, depende do gosto de cada um. De nada.


Tenho 31 anos e não sou virgem, mas é quase como se fosse, já que só dormi com uma gaja na minha vida. E já lá vão uns 5 anos. Depois disto acho que me tornei um punheteiro profissional já que todos os dias bato uma. Ali reside a minha dúvida o Dr. G; será que minha obsessão de tornar-me um punheteiro profissional afasta-me do sexo oposto? Sei que isto é normal no nosso género sr. Dr G., mas parte de mim diz que se tentasse ver menos porno e pedir “boleia para o céu” e procurasse ir aos bares, discos e coisas afins, poderia ter um sucesso relativo até quem sabe: uma noite boa. Por outra parte penso no dinheiro que iria gastar em bebida, tabaco, táxi, telemóvel e pah.... O pior é conseguir o estado equilibrado de álcool no sangue para poder falar confiante e não parecer bêbedo desesperado... quando penso nisto, parte  de mim apela ao prazer mediato da auto-satisfação, já que parece ser a solução mais económica nestes tempos de crise. Por outra parte até tenho tentado na nossa era digital procurar soluções online ao problema e só aparecem “gostosas” que procuram duma noite a troca de valores aos quais não rescindo por falta de capital e por o princípio de “ sou homem suficiente de arranjar uma mulher por outros meios”. Conclusão Dr. G. acha que sou um punheteiro que afasta mulheres ou simplesmente um homem forreta com pouca sorte?
Ricardo, 31, Alfragide

Doutor G: Caro Ricardo, o teu caso é mais comum do que o que poderás pensar. O teu problema não é a masturbação em excesso ou a visualização de pornografia, sendo que eu acho que todos devemos ter pelo menos um orgasmo diariamente, seja de que forma for. Havia menos acidentes e guerra dessa forma. O teu problema é apenas a falta de confiança e não de dinheiro, refugias-te na masturbação como escape e não pelo dinheiro que dizes que irias gastar, isso é apenas uma forma do teu cérebro racionalizar a insegurança. A insegurança para abordar as mulheres é comum a todos os homens, já que sabemos que são elas que escolhem e que nos cabe a nós tomar a iniciativa na maioria dos casos. Só há uma forma de contornar isso que é habituares-te à rejeição. Tens que estar ciente que ao abordares mulheres na noite a percentagem de "Nãos" vai ser muito maior do que o sexo no WC da discoteca, ou mesmo da troca de números de telemóvel. Isto mesmo que sejas um gajo parecido com o Brad Pitt. A confiança é tudo no engate. Ou quase tudo vá, o dinheiro também ajuda. Tens que sair à noite com a mentalidade de "Basta 1 sim para valer a pena", mesmo que antecedido de 99 nãos. Quando estiveres no bem bom não te vais estar a lembrar de todas as negas anteriores. Se não houver nenhum sim, é voltar a tentar no dia seguinte. Com o passar do tempo a rejeição passa a ser normal e a taxa de sucesso muito maior devido à tua confiança. Se quiseres maximizar a tua taxa de sucesso atira-te sempre à mais feia do grupo, que para além de ser potencialmente mais fácil, é aquela que normalmente leva o carro e escusas de pagar dinheiro no táxi. Cabe a ti vencer esse medo e tentar várias abordagens. Tenta não ser labrego, algo que é muito difícil. Vai olhando e sorrindo e observando quem te retribui. Depois ataca, mas com classe, nada de "Então vens aqui muitas vezes?" e essas frases pirosas. Ainda assim, o melhor mesmo é conhecer mulheres fora da noite, que nessa altura elas estão com as defesas todas, tal é a quantidade de atrasados mentais que passam a noite a meter-se com elas. Se as abordares noutros locais e contextos, a taxa de sucesso será muito maior.
Outras opções são as online como falaste, Tinder, OkCupid, Match, etc. Experimenta que conheço muito boa gente que não só emitiu factura, como tem relacionamentos sérios e estáveis com pessoas que conheceram lá. Um último conselho, quando estiveres em casa a fazer solos de oboé, faz com que não seja muito rápido, se não depois quando chegares à hora H vais durar 5 segundos. Pesquisa no google técnicas para evitar isso. Abraço e dá-lhes com força.

E é isto, espero que tenham gostado da primeira sessão do consultório do Doutor G. Ele sabe da coisa ou não sabe? Eu acho que sim. Para que esta rubrica tenha continuação, já sabem, é continuar a enviar as vossas dúvidas para porfalarnoutracoisa@gmail.com para a 2ª sessão, na próxima segunda-feira. Até lá, façam muito amor à bruta, que de guerras o mundo já está cheio.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: