13 de outubro de 2015

Quem deve tomar a iniciativa e dicas de depilação



Metam o cinto que isto hoje vai doer. Vamos a mais uma sessão do consultório sexual e sentimental "Doutor G explica como se faz".
 


Caríssimo Dr. G, estou com problemas em lidar com o sexo oposto. Conheço um rapaz pelo qual me sinto atraída há  bastante tempo e quando estou com ele só o me apetece saltar-lhe para cima. No entanto, estou sempre à espera que ele tome a inciativa. Apesar de saber que ele é bastante inseguro, acho que também quer andar às cambalhotas comigo. O meu grande dilema é: tomo a inciativa, e se não for correspondida passo por estúpida, ou desisto de vez? O que aconselha? Se acha que devo tomar a inciativa, como o fazer? 
Anónima, 21, Lisboa

Doutor G: Cara Anónima, infelizmente não sei se deves ou não tomar a "inciativa", até porque não sei o que isso é. Só se fores fanhosa e estiveres a tentar dizer «iniciativa», então acho que sim, que a deves tomar. O tempo das mulheres ficarem à espera que os homens lhes levem a comidinha, e o resto, à boca, já lá vai. A igualdade também é para estas coisas, para se ficar com o peso da iniciativa e o medo de levar uma nega. Se achas que ele está interessado, é porque quase de certeza que está. Os homens são uns fáceis. Quando se leva  uma nega, nunca se passa por estúpido! O mundo é de quem vai atrás e não de quem fica à espera. Quem diz o mundo, diz o chafurdanço na pocilga dos lençóis. Em relação a formas de o fazeres, como já disse, os homens são uns fáceis e basta-lhe dizer: «Ó meu xoninhas, já que tu não atas nem desatas, que tal desapertares-me o vestido com os dentes e meteres-te em cima de mim com o teu pisa papel?». 


Olá Dr. G! Estou numa relação há 2 anos e poucos meses. O rapaz é ótimo (estou perdida de amores por ele), tem mais 1 ano que eu, já não é virgem e ultimamente tem vindo a propor me a questão do sexo pois acha que sou virgem. Mentalmente eu sou... mas fui violada quando tinha 6 anos pelo filho de uma amiga da minha mãe (o típico " se contares à tua mãe, vou dizer que és uma mentirosa e que te portas mal lá em casa). Estou decidida que quero estar com este rapaz mais intimamente, sei que se fosse só para o jiu-jitsu debaixo dos lençóis já me teria deixado à muito tempo. Devo contar lhe a situação? Devo esquecer o que aconteceu e "perder a virgindade" com quem quero? Ainda pensei no assunto de ser nova, mas se tenho idade para decidir o meu futuro também tenho idade para abanar a casa toda apartir do meu colchão! 
N, 16 , Algures no mundo

Doutor G: Cara N, parece-me que o teu caso é mais para polícia e psicólogo do que para um javardão como o Doutor G. Mas, sendo que enviaste mensagem, vou responder. Primeiro, o pior que podes deixar que o outro filho da puta que te violou te faça, é deixares que ele afecte o resto da tua vida e a tua felicidade com os outros. Se eu fosse aquele padre italiano que falou esta semana, diria que a culpa foi tua: já com seis anos eras gostosa e andavas a provocar o senhor com as tuas fraldas tanga e com a boca lambuzada dos chupas-chupas. Mas, como eu não sou um monte de merda, digo-te que espero que tenhas ido à polícia e digo-te que ainda vais a tempo de contratar pessoas para lhe enfiarem uma abóbora, do Entroncamento, pela anilha acima. De lado. Voltando ao teu namorado, tu é que sabes se lhe deves contar ou não e que tipo de relação é a vossa. Calculo que te vás sentir bem se lhe contares e acredito que ele te perceba melhor com isso. Se ele reagir mal é porque é um atrasado mental que não te merece. Se já decidiste que queres stick para a barbucha com o moço, então força nisso e não deixes que os traumas do teu passado influenciem o teu presente. Pensa que tens uma grande vantagem: já não te vai doer tanto como à maioria das virgens! Peço desculpa por ter enfiado esta bojarda do dia assim, sem cuspo nem nada. 


Bom dia caro doutor G, não lhe quero desperdiçar muito tempo pelo que vou directo ao ponto. O que recomenda para rapar os tomates? A minha namorada gosta de mim depiladinho e eu gosto de lhe fazer a vontade, no entanto sempre que me tento rapar, a minha banheira parece ter sido usada nas filmagens do Psycho. Talvez por não ter mão de cirurgião, talvez por ter o saco enrugado e borbulhento, como um velhote de 8 anos ainda com acne de adolescente. Já tentei com Gillete, máquina de barbear e um creme depilador (que não fez absolutamente nada para alem de me deixar os ovos mais quentinhos).

Ps: Sou só eu que tenho o pescoço do maroto com pelos até meio? Às vezes tenho receio de ser parte gorila e não saber.   
João Teixeira, 29, Lisboa

Doutor G: Caro João, se é para ficar com a sacola dos girinos e com a enguia trapalhona lisinha qual golfinho bebé, então é gilete. Creme pode queimar, máquina não fica tão bem e pode arrepanhar. Podes sempre fazer com cera, se fores um gajo rijo e quiseres ir mostrar a tomatada a uma esteticista. Eu faço com uma navalha romba e ferrugenta que o meu bisavô usava para matar crocodilos em África. Isto fica que é um mimo. Se tens os tomates que parecem dois Ferrero Rochet do Natal passado, compra lâmina tripla e estica essa merda quando estiveres a efectuar a tosquia. Não te esqueças de cortar os nós com uma tesoura primeiro. Em relação a ter pelos até metade do tronco, não tenho, mas pode ser porque o meu meio é muito mais acima do que o normal. 


Estimado Dr. G, eu sou uma rapariga tímida, introvertida e extremamente envergonhada, vulgo, xoninhas. Mas também extremamente sexual e não muito virada, neste momento, para relacionamentos sérios. Ao contrário da sua normal dedução, eu não tenho vagas infindáveis de rapazes a querer entrar-me nas calças (provavelmente devido à minha personalidade, que é considerada rude)  a quem possa recorrer, pelo que tenho de ir conhecer alguns. Mas esta cidade, que não passa de uma grande aldeia, não tem sítios que uma pessoa possa frequentar para estas coisas (pelo menos sítios que passem um tipo de música que não faça uma pessoa contemplar o suicídio). Como se não fossem entraves suficientes, vivo numa aldeia remota, em casa dos meus pais. Como pode ver, a minha situação dificulta bastante a prática da luta greco-romana sem roupa debaixo dos lençóis (ou por cima deles, ou sem qualquer envolvimento de lençóis...) e por isso peço-lhe dicas e conselhos para ultrapassar estes problemas e poder arranjar parceiro(s) para uma boa cobowyada. Pode pensar que tudo isto se deve a ter semelhanças físicas com um símio, mas não é verdade. Não as tenho com uma supermodelo russa, no entanto isto é facilmente ultrapassável com uma saia de tamanho apropriado e um soutien push-up ou algum álcool.
C, 21, Leiria

Doutor G: Cara C, não conheço a noite de Leiria nem as festas académicas, por isso não me posso pronunciar. Tens sempre o Tinder, uma aplicação móvel para fazer novas e bonitas amizades. Mentira, é para pinar com desconhecidos. Se vives numa aldeia remota, o mais provável é teres match com um primo. Só te peço para que não procriem porque diz que os filhos de primos direitos saem concorrentes  de reality shows. 


Boa noite caro Dr G. venho por este meio pedir ajuda para com os meus dilemas. Existem não 1, não 2, não 3 mas 4 mulheres na minha vida. Vou classificar cara/corpo/personalidade de 1 a 10 para facilitar.
  • 6/10/4 Ex-namorada com a qual me dava um bocado mal e o sexo é meh, mas está sempre disponível e faz tudo.
  • 9/9/5 Ex-amante também muito calminha, mas que era uma actriz porno na cama e só preciso me esforçar para voltar ao vale dos lençois.
  • 8/7/7 Amiga com a qual quase namorei no passado e voltou agora à minha vida, está sempre a mandar bocas que no futuro provavelmente poderei/deverei saltar-lhe para cima e é só eu querer. É divertida damos-nos bem mas é completamente louca e isso assusta.
  • 10/9/9 uma miúda com que andei que me apaixonei completamente, o sexo foi o melhor que já tive mas não queria relação comigo porque estava solteira à pouco tempo e queria aproveitar para passear com as amigas e estar sozinha e é literalmente o que tem feito. Mas não me sai da cabeça de todo!!!!!
Portanto tenho a 1 disponível a full time, a 2 tenho que me esforçar mas é possível, a 3 é só estalar os dedos e a 4 não sei o que fazer para a recuperar. Sendo que a 1 e a 2 dá para guardar em casa e nunca ninguém saber, a 3 já seria mais difícil porque tenho de a levar à rua e eu já sei que eventualmente alguém me ia apanhar... Eu aviso todas que não as amo! Que não sou gajo de mentir que isso é feio e muito fácil! Mas não sei se deva tentar com a 4 ou comer as outras 3 ao mesmo tempo ou ir comendo a 1 enquanto espero por uma 5. Se conseguir a 5 posso fazer um pentagrama e invocar uma mulher do submundo (é de onde elas vêem não é?). Alguma sugestão de como lidar com isto tudo? Não gosto de nenhuma e devia estar sozinho? Gostaria de perceber pessoalmente como o Dr iria lidar com tal situação na sua vida pessoal! É uma canseira dar milho a tanto pombo! 
Jervásio, 27, Cacém

Doutor G: Caro Jervásio, tal como o teu homólogo chimpanzé, tens de aprender a separar o lixo e a fazer reciclagem. Vamos por partes:
  • A primeira não vale a pena. Tendo um corpo de 10 e não sabendo fazer nada de jeito na cama, a juntar ao facto de ser ex-namorada, faz-me querer que não há necessidade de ir buscar os restos ao tupperware. A não ser que alguém lhe tenha ensinado a fazer as coisas entretanto, algo que tu, pelos vistos, não foste capaz.
  • Se é só para o funaná pelado e ela tem alma de actriz pornográfica, então nem sei onde está a dúvida.
  • Se comeres a terceira, vais acabar por namorar com ela e de gente maluca quer-se distância. Ex-namorados de mulheres loucas acabam com ácido nas miudezas.
  • Esta nunca vai querer mais nada contigo, já tiveste a tua oportunidade. Uma mulher só não quer namorar com quem anda a fazer sexo se o sexo não for daquele épico que lhe troca as sinapses todas.
Se conseguires juntar todas para fazer esse ritual de magia chavasca, tiro-te o chapéu, mas se só queres luta greco-romana sem equipamento, então qualquer uma pode servir. Se queres algo mais sério não vai ser com nenhuma dessas, caso contrário terias a certeza de qual querias. Ah, queres a última, mas essa não vai dar. 
 
 
Bom dia Dr.G, eu e o meu namorado temos uma relação super aberta, falamos de tudo sem vergonhas e apesar de não vivermos juntos as nossas casas são como se fossem de ambos. Acontece que o rapaz agora veio-me com umas ideias de sexo anal... fiquei um pouco sem reaçao pois nunca exprimentei, o meu medo prende-se por 2 motivos:
  1. O rapaz é avantajado na zona peniana... pelo que tenho medo de trepar a parede com a dor tipo homem aranha.
  2. As minhas amigas já experientes em anal avisaram-me que poderá acontecer algo pior.. um cocó agarrado ao pénis por exemplo. 
Queria saber a opinião do Dr.. há efetivamente o risco de sair algo não desejado? É comum ? É que não sei com que cara olharia pra ele depois... Obrigada! 
C, 19, Aveiro

Doutor G: Cara C, primeiro tens de ter a certeza se ele estava a falar de sexo anal sendo ele o activo, ou se estava a sugerir que lhe enfiasses um dildo rambo xxl no esfíncter. Há que saber comunicar nas relações para não haver equívocos. De resto, vamos por partes:
  1. É possível que doa, não tenho experiência na óptica do receptor, mas diz que no início é coisa para doer. Eu já fiz cocó grosso e aquilo parecia que estava a cagar um Toblerone dos grandes. O segredo é descontrair, usar muito lubrificante e uma calçadeira.
  2. Claro que há essa possibilidade, a trombinha entra no intestino grosso, querias que viesse coberta de molho de soja e leite creme? Não é comum, mas acontece vir uma ou outra pepita de chocolate. É apostar nos dias em que já se foi ao WC e saiu daquele cocó que quando passamos o papel parece que esteve lá uma lontra ninja bebé que não deixou pistas.
Experimentem e se for prazeroso para os dois, óptimo. Se der merda, acontece. É rir da situação. E limpar, claro. 
 
 
Querido doutor G., escrevo-te no meu maior desespero. Vejo-me metida numa situação sem pés nem cabeça: há uns anos envolvi-me com um rapaz mais velho uns 4 anos. Na altura armei-me em fura-pastos e achei que dávamos umas voltinhas, fazíamos umas conchinhas e as coisas ficavam na maior. Como seria de esperar, f*di-me. Literalmente, porque nem a isso tive direito. O marmanjo partiu para outra(s) e deixou-me com o coração aos cacos. Ultrapassei a cena, e passado um ano e tal comecei a namorar. Top! Achei eu. Este relacionamento, com um rapaz mais novo, durou 10 meses. Acabou porque, mais uma vez na minha ingenuidade burra, achei que podia voltar a falar com o marmanjo mais velho (dando um ar de cena ultrapassada, amigos como sempre – eu achava mesmo isto, o que ainda é mais deprimente) e perdi-me novamente de amores por ele. Em jeito de conclusão: eu achei mesmo que depois de nos afastarmos, cada um ter ido à sua vida, ele ter tido um relacionamento nesse período (onde saiu lesado – karma is a bitch, se é que me entendes) e ter ficado igualmente de coração partido, tínhamos ambos crescido mentalmente e finalmente éramos pessoas mais maduras. Quando voltámos a falar 24h/dia, partilhar tudo e mais alguma coisa, haver claramente desejo de ambas as partes em dar umas voltinhas peladas nos mesmos lençóis, ele saiu-se com um “não quero estar com ninguém, não quero complicações nem passar pelo que passei novamente”, que depressa passou a um “gosto muito de ti mas vamos ser só amigos, e desculpa se te dei a entender o contrário”. Na verdade, sempre achei que ele era bipolar. Voltei a afastar-me dele, depois de ele espernear e dizer que nós podíamos continuar a ter a mesma proximidade e o nosso afastamento era apenas uma decisão minha. Pedi-lhe que a respeitasse mas cá dentro só gostava que ele tivesse realmente evoluído e crescido para um homem melhor e viesse à minha procura. Será pedir muito? Serei assim tão ingénua por acreditar que a pessoa de quem gosto pode algum dia mudar e fazer-me feliz? Deverei inscrevê-lo numa instituição psiquiátrica?
P., 21, Portugal

Doutor G: Cara P, se nem a festa rija tiveste direito, então não te fodeste literalmente. Faz-me, literalmente, comichão pessoas que não sabem usar a palavra «literalmente». Em relação ao teu caso, acho que o devias internar numa ala psiquiátrica e aproveitar para lá ficar também. Não quero ser bruto, mas repara: ele ao menos foi sincero contigo e não usou os teus sentimentos por ele para velejar no teu mar de fluídos badalhocos, quando o podia ter feito várias vezes, até se fartar e te mandar pastar. Acho que ele é o mais são no meio disto tudo, que sabe o que quer e te disse sempre as intenções dele sem te levar ao engano. Tu é que decidiste enganar-te a ti mesma e ainda continuar com a ilusão de que ele vai mudar. Ele não gostava de ti e continua a não gostar. Engole o orgulho, já que não vais engolir mais nada, e parte para outro. Uma pessoa só é perfeita para nós se gostar de nós, se não é só uma pessoa que não vale a pena. «Estou? Gustavo Santos? Daqui fala o Deepak Chopra da Buraca e é só para te dizer: toma e embrulha que eu também sei usar frases feitas a dar uma de guru sentimental e inteligente.» 


Gostaram? Sim? Acham que o Doutor G podia fazer uns textos diferentes de vez em quando, ao género: «10 melhores frases de engate» e cenas do género? Digam de vossa justiça. Obrigado a todos e, como sempre, até para a semana e continuem a enviar as vossas dúvidas para porfalarnoutracoisa@gmail.com. 

Partilhem e façam muito amor à bruta, que de guerras o mundo já está cheio.






Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: