2 de fevereiro de 2018

Tipos de pessoa e de fotografa no Instagram



Tenho alguma dificuldade em perceber como funciona o Instagram. Já há uns tempos que tenho o meu (@guilhermercd), mas só comecei a usar mais a partir do momento que desenvolveram a funcionalidade de fazer zoom nas fotos. Não vale a pena especificar o tipo de fotos para as quais isso dá jeito. Não tenho grande jeito para o Instagram, já que 90% das minhas fotos são da minha cadela e os outros 10% são selfies embriagado. Sempre que virem duas selfies seguidas no meu Instagram, é sinal que estou com os copos. Se forem dez é porque vou ter uma daquelas ressacas de dois dias que atormentam o pessoal depois dos trinta. Para melhorar o meu Instagram, fui analisar alguns tipos de pessoa e de fotografia que andam pelo Instagram. Segue uma descrição seguida da minha tentativa de imitar e assim ser famoso no Instagram.

Mamas e rabos
Não sei se é por o Instagram ter um algoritmo que sabe exactamente os meus gostos, mas quando vou à pesquisa, 90% do que me aparece são raparigas seminuas. Uma espécie de galeria soft porn que orgulhará muitos pais. Talvez seja baseado nos gostos dos meus amigos que são todos uns porcos, é possível que sim. Mamas é e será sempre o argumento mais forte à utilização de qualquer rede social e da Internet no geral. Não houvesse mamas, e o ser humano não tinha inventado a tecnologia. Pedra ganha à tesoura que por sua vez ganha ao papel. Papel ganha à pedra, mas mamas ganha a todos.

Abdominais
Não pensemos que são só as mulheres que gostam de mostrar o corpo para ter likes e seguidores. Também há bastantes homens a mostrar o belo do abdominal, seja na praia ou no WC, porque a foto a seguir ao treino com um batido de proteína vale mais do que 500 kcal perdidas na passadeira. Tenho por lema de vida: se a tua fotografia de perfil de uma rede social é de tronco nu, é porque és um palerma.


Animais
Cães e gatos são os únicos que disputam o pódio da Internet com as mamas. A própria da minha cadela tem um Instagram (@diariodeumabitch), mas não é daqueles criados por donos malucos que não têm mais nada que fazer na vida. O da minha é uma paródia a essas, com uma cadela que diz asneiradas porque veio do gueto. O objectivo é um dia ela ser influencer canina digital para ter ração à borla. Veio do canil, tem de começar a render que isto ninguém dá nada a ninguém.

Pessoas distraídas
O Instagram está cheio de paparazzis que tiram fotografias a pessoas distraídas a olhar para o horizonte. São essas mesmas pessoas que depois publicam essas fotografias no próprio Instagram, pelo que calculo que esses paparazzis sejam como os fotógrafos de casamento ou do Zoomarine que tiram a fotos e vão impingi-las e quem compra é sempre por ter vergonha de se não o fizer estar a dar ar de pelintra.

Lentes de contacto perdidas
A famosa foto de blogger de moda/fashion diva/influencer brand digital/palerma que tira a fotografia como se estivesse à procura das lentes de contacto no chão. Percebo, já que na maioria dos casos esconde um bocado a cara e ajuda a manter a ilusão de que é bonita na vida real. Por norma, é uma armadilha e não são assim tão giras, tal como aquelas todas que vemos de rabo de cavalo, óculos escuros e a conduzir um SMART, MINI ou Fiat 500. Enganam sempre. A única razão aceitável para ter uma fotografia a olhar para o chão é à noite, com os copos, à procura da chave de casa que caiu do bolso, só com um olho aberto que é para conseguir fechar, e um amigo nosso acende a lanterna do telemóvel para ajudar e tira uma fotografia sem querer.

Comida
Para uma criança subnutrida africana o Instagram é uma espécie de casa de strip em que não deixam tocar nem comer. Esta moda começou apenas em ocasiões especiais: um bom restaurante, um bom cozinhado feito em casa, etc. Agora, é por tudo e por nada e até um rissol de carne da estação de serviço de Aveiras merece uma fotografia no Instagram. Menos, minha gente. Calculo que o Instagram dos chineses esteja carregado de fotografias de gafanhotos, larvas e aranhas. Isso para além de ter ainda muito mais fotografias de cães, claro.


Fotógrafos "profissionais"
Antigamente, qualquer macaco com uma máquina DSLR achava que já era fotografo profissional, agora qualquer um com um smartphone e meia dúzia de filtros acha que uma foto do pôr-do-sol em Belém com a hashtag #sunset é digna do prémio da National Geographic Photo.

Fotos do verão em pleno inverno
O aquecimento global está a trocar as estações e deve ser essa a razão pela qual o meu feed de Instagram está cheio de gente na praia em pleno Inverno. Gente que guarda fotos propositadamente para isso só para parecer que tem férias o ano inteiro e esquecer que está no escritório sem janelas, a acordar antes do sol nascer e a chegar a casa já de noite.

Influenciadores a promover merdas
Exemplo: rapariga voluptuosa cujas fotografias se cingem a mostrar o decote, com mais de 300 mil seguidores, publica fotografia - a mostrar o decote até porque ter coerência na linha editorial é importante para fidelizar seguidores - com um creme na mão, totalmente casual, a dizer que adora aquele creme. Boa jogada das marcas, até porque desses 300 mil seguidores, 299 mil não são gajos rebarbados que fazem zoom nas mamas da rapariga nem nada. É mesmo o público que vai comprar o creme para a celulite. Há marcas que são burras que nem calhaus.

Bebés
Claro que o Instagram tinha de ser uma espécie de ementa de pedófilos. Grávidas e bebés por todo o lado. Publicar uma fotografia do bebé com um emoji a tapar a cara já é bem parvo, mas ter pessoas a comentar essa mesma foto com «É tão lindo!» é de perder a fé na humanidade. Os pais têm sempre problemas em mostrar a cara do filho porque na maioria dos casos parece ratazanas acabadas de sair do banho. No entanto, quando é para o bebé ganhar cremes e concorrer a passatempos, aí até metem fotografias deles nus. Tudo bem que podem ser raptados por um pedófilo, mas a possibilidade de ganhar um pacote de fraldas compensa o risco.

E pronto, espero que tenham recuperado do choque da primeira foto. Este texto foi só mesmo para promover o meu Instagram. Sinto que tenho de diversificar para as marcas me darem cremes que agora estou a chegar aos 34 e vou começar a precisar de disfarçar as rugas. Podem seguir-me em @guilhermercd e, já agora, podem seguir o da minha cadela (@diariodeumabitch) que é bem mais interessante, até porque ela tem 8 mamas para mostrar. Podem partilhar este texto à vontade que o meu rabo de esquilo precisa de atormentar mais pessoas.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: