5 de fevereiro de 2018

Virgindade, perder o interesse e cócegas nos genitais



Está frescote, não é verdade? Um minuto de silêncio por todos os feios e encalhados que não têm quem lhes aqueça o corpo nestes dias de Inverno. Já está? Pronto, então vamos a mais um "Doutor G explica como se faz".


Olá Dr. G, tenho 19 anos e ainda sou virgem mas o problema é que eu disse aos meus amigos que já não era para não ser a virgem do grupo. Mas agora comecei a dar-me com um rapaz que é amigo dum amigo meu, só que ele pensa que já não sou virgem, e eu gosto mesmo dele e quero mesmo que a minha primeira vez seja com ele. Eu não sei se lhe conto sobre a minha virgindade ou não?   
Uma virgem, 19, Lisboa

Doutor G: Cara virgem, primeiro do que tudo, deixo uma dica: se sentes necessidade de mentir aos teus amigos então é melhor trocares de amigos. Quanto ao resto, na minha opinião de especialista do chavascal, deves contar-lhe que ainda tens o selo da garantia no pipi. Por várias razões:
  1. Ele pode não querer ser o teu primeiro e está nesse direito, já que pode não querer ser assim tão importante para ti;
  2. Ele, se for um gajo que sabe o que faz, terá mais cuidado e não vai entrar por aí a dentro como se fosse a polícia de intervenção a arrombar portas;
  3. Ele não vai pensar que estás com o período quando, ao tirar o seu Zé Pingão, vir que este vem da gruta com pinturas rupestres no capacete;
  4. Se gostas mesmo dele parece-me correcto não começar uma relação baseada na mentira.
Depois de lhe contares, uma destas coisas vai acontecer:
  1. Ele não se importa porque gosta mesmo de ti e sente-se especial;
  2. Ele não se importa porque não gosta de ti e só te quer comer;
  3. Ele importa-se porque gosta de ti e tem medo de te magoar emocionalmente se a relação não resultar;
  4. Ele importa-se porque não gosta de ti e queria uma gaja com experiência a levar com bandarilhas de chicha.
É ver.


Olá Doutor G. conheci um rapaz há quase meio ano, e desde então falamos todos os santos dias por mensagens. Sempre tivemos uma ótima amizade virtual e desde a última vez há 2 meses que estivemos juntos o clima entre nós aumentou, ao ponto de trocarmos mensagens mais provocadoras e até mesmo de mostrarmos sentimentos um pelo o outro. No entanto ele parece ter medo de se atirar ao bife! Para não falar das vezes que desmarcou encontros comigo. Acontece que desde o ínicio deste ano tenho notado algo diferente nele, a forma como fala, o tempo que demora a responder/o facto de estar online e não responder (sim eu tenho isso em conta), resumindo parece que aquele mega interesse por mim desapareceu. Já o confrontei várias vezes e a resposta dele é que apenas tem estado ocupado (típica desculpa) e não quer de todo afastar-se de mim. Já tentei deixar de lhe falar mas é mais forte que eu, na verdade ele também dá conversa, mas nada como a antes. O que devo fazer? Está mais que na hora de lhe pôr os patins? Ou terei mesmo de ser EU a tomar as rédeas da coisa??    
Uma nova fã, 21, Lisboa

Doutor G: Cara nova fã, se fosses leitora habitual do consultório do Doutor G, saberias que esta é a dúvida mais recorrente das pacientes femininas. Quando um homem parece ter perdido o interesse é porque, imagine-se, perdeu o interesse! Ahhh, que informação dramática! Se nunca se atirou ao bife e se dá desculpas como "estar ocupado" é porque não está para aí virado e isso pode dever-se a uma das seguintes razões:

  1. Só falava contigo para lhe subires o ego e não tem interesse;
  2. Só falava contigo para lhe subires o ego e tem namorada;
  3. É gay e estava a testar-se;
  4. Tem uma micose no escroto que teima em não sarar;
Dito isto, ou lhe fazes um ultimato ou manda-lo dar uma volta e depois se ele vier atrás logo vês. Um gajo pode estar ocupado, mas estando interessado, até no funeral da mãe, se receber fotos de mamas, arranja um tempinho depois da missa para ir enterrar o coveiro zarolho antes do enterro da mãe.


Caro Doutor G, tenho um amigo de infância que se casou há um ano. Ele convidou-me para o casamento mas eu infelizmente tive que cancelar devido a compromissos de trabalho. Eu pedi desculpa pelo sucedido e expliquei as razões para a impossibilidade de eu ir a Portugal para o casamento. Passou-se desde então pouco mais de um ano durante o qual não ouvi mais notícias dele, até outra pessoa me ter dado uma notícia que me levou a contactá-lo. Dei-lhe os parabéns do nascimento do filho e disse-lhe que gostaria de me encontrar com ele. Recebi uma resposta cordial mas sem tentativa de compreender ou reconhecer as razões que eu tinha mencionado há um ano. A minha pergunta é a seguinte: como é que o Doutor G lidaria com esta situação? Aguentaria mais conversas que tentariam dar-me sentimento de culpa, ou punha a amizade em standby?
Anónimo, 29, Lisboa

Doutor G: Caro Anónimo, eu à espera de um «Comi-lhe a noiva.», «Papei a irmã dele», «Fiz o parto do filho dele e tiver uma erecção», sei lá, qualquer coisa irreverente e nada. Uma dúvida de amizade? Mas isto aqui é o "Perdoa-me" e eu sou a Fátima Lopes ou quê? Se te era completamente impossível ir ao casamento, ele só tem de compreender. Pode ficar chateado, mas amigo perdoa, especialmente os homens, as mulheres, por norma, é que ficam remoer merdas para sempre. Os homens só fazem isso com o futebol: «Ai, foi penalti roubado? E aquele na 3ª jornada na época de 1998/99 contra o Chaves? Desse não falas tu!». Ele já tinha pago o casamento e ficou a arder com um lugar vago depois do catering encomendado? Deste-lhe uma cena para a casa como prenda e ele queria um pacote experiência na casa da mãe Kikas? Marca um café com ele e falem, se ele se armar em vítima a querer que tu rastejes e lhe peças desculpa mais uma vez, é dizeres-lhe «Faz testes de ADN ao teu filho porque eu vi a tua mulher com outro a sair de um Motel.». Só naquela de lançar o caos já que uma amizade tão longa, quando é para acabar, é para se ficar com uma história para contar.


Olá doutor G, estou numa relação há dois ano e tenho me deparado com um problema. Sempre que tento por a mão nos genitais do meu namorado e ele não está à espera, dá-lhe uma crise de cocegas violentas e com espasmos que por vezes me magoam. Já nos chateamos varias vezes por causa disto, pois para mim esta relação não faz sentido se ele não me deixa tocar-lhe nos genitais fora do ato. E sim eu tenho a certeza que ele não é homosexual pois é bastante bom no que faz e tem bastante gosto em praticar-me sexo oral. O que faço? 
Anónima, 20, Lisboa

Doutor G: Cara Anónima, o famoso caso da enguia sensível ao toque surpresa. Há, também, o correspondente no caso feminino: a ostra que se fecha com cócegas quando é apanhada desprevenida. É uma consequência da evolução que servia para afugentar os predadores furtivos que atacavam de emboscada. O segredo é antes de lhe meteres a mão, dás-lhe uma joelhada na sacola dos girinos. Vais ver que, a seguir, ele sente tudo menos cócegas. Não há muito a fazer, as cócegas são involuntárias e chateares-te com ele por uma coisa que ele não consegue controlar, é injusto, mas percebo que seja frustrante. A fruta é para apalpar mesmo sem ser logo para comer. Ele que passe uma lixa até ganhar calo, não sei, ou que meta uns cremes para meter o bicho dormente. Pensa que antes isso do que ter cócegas durante o acto, embora os espasmos pudessem ser giros já que te punhas em cima dele e era tipo montar o touro mecânico.


Querido Doutor G, namoro à 2 anos com um rapaz e ele é maravilhoso e muito querido mas à uns tempos pra cá que tenho uma dúvida a latejar no meu cérebro: se devo ou não entregar-me a ele de forma sexual. É que sabe doutor eu sou católica e na minha religião defendesse o sexo apenas para procriar ou seja não posso fazer sexo antes do casamento! Mas eu amo tanto o meu namorado e não sei se aguento esperar até lá, pois a vontade é muita. Ele é impecável até hoje nunca me precionou mas podesse fartar, mas por outro lado também estarei a "trair" a minha religião e vou estar a pecar e depois se o sexo corre mal? E me arrepender?
Nokas, 22, Porto

Doutor G: Cara Nokas, vamos por partes:

  • "há 2 anos"
  • "há uns tempos"
  • "defende-se"
  • "pressionou" - esta deu-me gonorreia nos olhos.
  • "pode-se"
Isto para não falar da pontuação. De resto, como é óbvio, é fazer sexo antes do casamento e quanto mais (e com mais) melhor. Vais comprar uma Bimby sem te fazerem o teste lá em casa? Claro que não. Vais querer provar pelo menos dois ou três pratos (quem percebeu esta analogia que deixe um #trêsPratos nos comentários) e depois logo decides se vale a pena o investimento. Se for uma merda, mais vale arrependeres-te antes do que depois do casamento. O divórcio, para além de dar trabalho e custar dinheiro, também é pecado, por isso mais vale prevenir. A não ser que ele seja rico, nesse caso é continuares virgem para ver se ele se apressa a pedir.


Tens uma dúvida? Precisas de aconselhamento profissional sobre as lides do sexo e dos sentimentos? É uma dúvida de um amigo? Então, envia um email com para  porfalarnoutracoisa@gmail.com e habilita-te a uma consulta totalmente grátis do maior especialista mundial na arte da javardeira com classe.


Partilhem e façam muito amor à bruta, que de guerras o mundo já está cheio.




PODES SEGUIR-ME NO INSTAGRAM

Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: