28 de julho de 2015

É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?



É dia de mais uma consulta "Doutor G explica como se faz". Vamos lá começar isto à bruta, sem saliva nem nada.



Olá Doutor G. Ando aqui a tentar decifrar a linguagem de um homem (eu sei que existem muitas mulheres que pensam da mesma forma que eu!). Aqui vai a explicação: Tenho um melhor amigo que está na minha vida há 11 anos. Tínhamos 13/14 anos namoramos (namoros de miúdos, que acabou sem nenhum de nós se lembrar da razão). O problema é  que sempre passámos férias juntos,  sempre fomos muito próximos, sempre com indirectas sexuais ( que eu sempre achei ser na brincadeira) mas nunca existiu contacto sexual. Mas há pouco tempo (já com meia garrafa de Jack Daniels) acabámos por nos envolver de forma sexual. Admito que amei e que depois dessa vez começamos a fazer isso cada vez que estamos juntos.  Nunca fomos capazes de nos envolver sem estar com um pouco de álcool. Fizemos um acordo de que era sexo sem compromisso e principalmente sem estragar a nossa amizade. Passado alguns meses encontrei um rapaz que me enchia todas as medidas. Que eu queria imenso dar uma voltinha. E dei. O meu melhor amigo (claro que o informei antes de saltar para fora do nosso barco) não achou muita piada. Quando acabei de dar a volta com esse rapaz voltei a enrolar me com o meu melhor amigo. Mas ele nunca mais voltou a ser o mesmo. Ficou mais distante, está dias, semanas sem me dizer nada. E eu não consigo perceber a intenção dele para mim. E muito menos consigo perceber porque só conseguimos estar juntos quando existe álcool à mistura. O Doutor pode me ajudar?   
IC, 24, Porto

Doutor G: Cara IC, realmente o João Daniel é um gajo tramado, sempre a incentivar as pessoas a tirarem a roupa e praticarem a antiga arte tribal do recheio do perú bêbado. Claro que ele não gostou, ele é homem e tem sentimento de posse sobre todas as suas conquistas. Na cabeça dele, ao quereres dar uma voltinha com outro é porque ele não dava conta do recado. Sentiu a sua masculinidade ferida. Pode ter sido apenas isso ou porque ele tinha outros sentimentos e queria algo mais sério. Só Deus saberá, mas Deus é um gajo que não conta nada a ninguém. É uma porteira invejosa. Se voltaram a velejar o barco com velas de lençóis mas ele parece estar mais distante, é porque não se quererá envolver para depois te ver a cair nos braços de outro. Daí só se degustarem quando estão temperados em vinha de alhos, altura em que o cérebro dele desliga e o sangue aflui todo para a zona das virilhas. Os homens já não pensam muito, bêbados e com pipi à frente ficam acéfalos da parte de cima. O melhor que tens a fazer é perguntar-lhe: "Ouve lá, ó meu, tu queres sacudir-me as peles ou queres dar-me mimos na alma?". Seja o que for, e porque calculo que tu não sintas mais por ele, caso contrário não terias saltado do barco para aterrar de boca no colo de outro, a vossa amizade nunca mais será a mesma. With great sex, comes great responsibility, já dizia o tio avô do Homem-Aranha. Já agora, espero que o teu nome não seja IC em alusão à IC19, onde há uma pára-arranca constante e onde ninguém entra com vontade.


Caro Dr.G, sempre fui um comedor nato e embora tenha que o negar perante a minha namorada, eu orgulho me muito de ter espetado a minha bandeira em metade da população feminina desta minha linda cidade, qual Neil Armstrong na lua. Isto foi feito entre os meus 15 e os meus 18 anos e acabou há cerca de 6\7 meses quando conheci a minha atual namorada. Ela é podre de boa, inteligente (se bem que o QI perante tais atributos passa para quinto plano, não é). É uma javarda na cama, na cama e no resto da casa porque com ela já estriei as divisões todas, grita como um Javali, e atinge uns 5 orgasmos por sessão. Não podia ter arranjado melhor. Então porque raio estás aqui, homem? pergunta você. Muito simples, ela pode foder como uma Deusa Grega (sem a crise), mas na hora do afeto.... Ela não diz que me ama sem que eu o diga primeiro, e quando não me responde "eu também", responde me com um "amo-te" tao seco que seria uma excelente solução para o problema das cheias de Lisboa. Não diz que me ama, só contou de nós a uns 10 amigos, e o que me dá mais comichão na moleirinha é que ela com os seus ex não era assim. 
então eu desenvolvi teorias:
-ou só me quer comer
-ou me anda a trair
-ou é só estupida da cabeça e tem uma disfunção qualquer que a torna bipolar
Digo que se só me quiser comer, por mim é na boa, poupa me trabalho, afinal é mais fácil gerir comida que namoro, e acredite que eu gosto mesmo da rapariga; Se me andar a meter os cornos não me vou atirar da janela, até porque ela me deu um par de cornos e não de asas; Então o que mais me atrapalha é mesmo a hipótese de ela ter um problema de bipolaridade ou de mau feitio ou de falta de afeto por algum trauma antigo. Já lho perguntei e ela só me disse que não era nada, que não sabia porque era assim comigo, eu como forma de agradecimento por tal resposta espetei a minha bandeira na lua dela. Diga me Dr, o que acha que se passa ali naquela cabeça?
Anónimo, 20, Guarda

Doutor G: Caro Anónimo, é bom ver dúvidas que se não fossem assinadas toda a gente pensaria que eram de uma mulher. Normalmente as mulheres acham que são as únicas a passar por isso e a ter parceiros que não demonstram afecto. Primeiro que tudo, parabéns pela boa prática do funaná pelado, realmente, 5 orgasmos não está mal. É bom ver que a juventude não está perdida. Todas as hipóteses que dás são válidas, até se pode dar o caso de serem as três ao mesmo tempo. No entanto, o que me parece é que ela terá sido magoada, no coração, no passado. Vai com calma e tenta perceber a raiz do problema. Se lhe queres fazer uma espécie de inception, sugiro o seguinte: quando estiverem a efectuar e ela estiver a gritar que nem um javali a jogar à cabra-cega, diz-lhe "Diz que me amas, sua vadia". Ela, como está com os receptores cerebrais em tilt, vai dizer que te ama e mesmo que não o sinta, vai ficar lá implantado esse sentimento. No fim, vira-te para o lado e ressona. Nada de conchinhas e miminhos. Se não tiveres sono diz-lhe para te ir fazer uma sandes de marmelada com chocolate, para provar o seu amor. Quando ela vier com a sandes, agarras no pão e mandá-lo ao chão e gritas "Era sem côdea, sua porca!". Nisto, espetas-lhe um beijo apaixonado e dizes que a culpa é do Sócrates. Ela vai ficar baralhada e quando as mulheres ficam baralhadas, normalmente acham que é amor. De nada.


Olá Dr.G, estou-lhe a escrever porque tenho gostado do que tenho lido. Estou a ter um "caso" com um rapaz da minha idade, ele é estrangeiro mas quer ficar por cá.  O que eu quero saber é se ele está a ficar interessado em mim, ainda não temos seis meses juntos, damo-nos bem e de vez em quando faço-lhe algumas surpresas que eu sei que ele gosta porque se nota bem pela sua reação. O meu "problema" aqui é se ele está a gostar de mim como eu estou a gostar dele. Vou passar a explicar para que seja mais fácil. Ele é uma pessoa um pouco diferente de mim, enquanto eu sou muito genuína e mostro o que estou a sentir na hora e tento sempre fazer coisas engraçadas e saudáveis para a nossa relação, ele é mais de se habituar às situações e não é tão iterativo, às vezes sinto que eu é que faço tudo No entanto ele dá-me justificações se por acaso algum dia eu queira combinar alguma coisa e ele não possa, está sempre preocupado comigo se eu for viajar e pergunta-me sempre como estou e assim. Às vezes vamos ao cinema, jantar juntos entre outras coisas e estamos bem na nossa relação. No inicio veio-me com uma conversa que não sabia bem o que eu era para ele se isto ia ir para a frente ou não, que com as outras raparigas ele soube sempre se tinha futuro ou não mas que comigo não conseguia saber nada disso e que não sabia se estava preparado para ser namorado de alguém, no entanto já passaram dois meses depois dessa conversa e continuamos muito bem, damo-nos super bem e tudo mas quando é para fazer alguma coisa ou para decidir alguma coisa sou sempre eu que tomo a iniciativa. Será que é dele ou será que não está interessado em mim? Ou será que eu é que estou habituada a outro tipo de homem e me faz confusão ele ser tão calmo? Não me posso esquecer que os amigos dele sabem que eu existo e até me apoiam para o incentivar numa relação, mas eu também não gosto de pressionar as pessoas e nem costumo falar nessas coisas, apenas deixo as coisas irem andando, mas fiquei um pouco de pé atrás com aquela conversa e tenho medo de estar a começar a apaixonar-me por uma pessoa e essa pessoa não sentir o mesmo por mim. Já os meus amigos sabem que ele existe mas só por alto não sabem que andamos a ter encontros com jantares e a ir ao cinema e coisas do gênero, apenas sabem que ele existe nalgumas noites, Não que eu não queira contar mas sou um pouco reservada nessas coisas e só gosto de falar quando as coisas estão mais serias mas como eu não tenho a certeza dos sentimentos dele ainda não disse nada, embora me pareça que as coisas estão cada vez melhor, mas não me quero iludir. Depois deste testamento o que acha disto tudo, para além de que eu falo muito.  
Anónima, 24, Covilhã

Doutor G: Cara Anónima, tanta conversa e não me deste a informação mais importante de todas: Qual é a nacionalidade dele? Tudo depende disso. Se for espanhol, grego ou italiano, digo já que não está assim tão interessado em ti. Os homens latinos têm iniciativa e quando gostam demonstram. Vou, no entanto, partir do princípio que não é nenhum desses, já que para fugir à crise, escolher Portugal seria, apenas e só, parvoíce. Se ele for do centro da Europa ou nórdico, diria que essa falta de iniciativa e panhonhice é perfeitamente normal. Por alguma coisa é que as mulheres desses países ficam malucas com um espécime português, mais dedicado e de sangue na guelra. No entanto, já pensaste que ele já falou de ti a todos os amigos e tu nunca contaste a história toda aos teus? Se calhar ele pensa o mesmo de ti, que não estás a querer assumir a relação a sério. Pode também dar-se o caso dele não querer assumir nada porque, estando no estrangeiro, quer tirar partido disso e experimentar todas as iguarias locais antes de decidir qual é o restaurante onde quer ser cliente habitual. É deixar andar, se te apaixonares e te magoares, azar. Faz parte. Pior é aquele que nunca amou, do que aquele que amou e perdeu. Chupa Gustavo Santos.


Caro Dr. G, já se viu no meio de um triângulo amoroso? É o que me está a acontecer... Mas o problema foi que eu o criei! Há coisa de um ano e meio comecei a namorar com um rapaz, mas a nossa relação era um bocado tóxica, discutíamos por tudo e por nada e depois fazíamos as pazes com sexo... Terminou e eu segui em frente! Envolvi-me com um rapaz mais velho que eu e agora tenho uma relação muito estável, demasiado até o que me aborrece! No meio disto tudo, reencontrei o meu ex e dei-lhe uns beijinhos só para ver se sabia ao mesmo.. E agora não sei o que fazer porque sinto saudades do ex! Um é putanheiro o outro é santo, eu sou parva! Qual escolho?
Anónima, 18, Coimbra

Doutor G: Cara Anónima, os triângulos amorosos são sempre tramados, a não ser que sejam quando as pessoas estão todas presentes na mesma cama. O meu conselho é que não escolhas nenhum. Não gostas de nenhum deles a sério, por isso, mais vale estares sozinha. Se achas que estar sozinha não é bom, é porque estás em má companhia. Se o outro era tóxico, para que é que queres voltar para ele? Bem dizes tu que és parva. Já te livraste, não te voltes a meter numa relação dessas. O outro, mais vale acabares porque claramente achas que é demasiado calmo para ti e, mais cedo ou mais tarde, vais ornamentar-lhe a cabeça com uma prenda de marfim ainda maior e a não ser que gostes de alces, parece-me desnecessário. Tens que encontrar alguém que seja o meio termo, ou fazer um acordo com os dois: 2ª a 5ª, ficas com o mais calminho; 6ª e sábado com o putanheiro, que os fins de semana são para aproveitar bem; no domingo, ficas sozinha e vais confessar-te à Igreja. Não comas é o padre! Ah, esquece, já tens 18, ele não ia querer.


Caríssimo Dr. G, muito boa tarde, venho por este meio recorrer aos seus préstimos de orientação pessoal (e sexual) e conselhos jabardos sem rodeios. Sou um rapaz de 25 anos, filho único, proveniente de uma boa família (bastante conhecida na zona onde vivo, muito católica e com alguma liquidez financeira) que tem como melhor amigo um rapaz da mesma faixa etária, gay.
Ao fim de algumas (3) relações héteros falhadas, vejo-me numa curva algo sinuosa, com uma bifurcação ao fundo, à qual não sei se devo/quero ceder:
a) Conheci há pouco tempo uma rapariga muito ‘interessante’ (psíquica e, sim, fisicamente! Da minha área profissional), com quem tenho falado bastante e me identifico (só não estamos mais próximos porque vivemos a alguma distância) – perfeita para uma relação séria, para apresentar à família e até, quiçá, procriar no futuro;
b) O meu melhor amigo acha que depois destes falhanços no campo afetivo eu devo experimentar, sem compromisso, ‘o outro lado da moeda’ e ofereceu-se apara me ajudar com isso.  
Eu não me imagino a ter (nem assumir) nenhuma relação do género, porque acima de tudo sou uma pessoa bastante discreta e que detesta todo o tipo de trejeitos ‘mariconços’. Porém, o meu amigo é, aparentemente, ‘muito macho’ e diz que eu devo encarar a sua oferta como uma nova experiência de vida.
O que fazer? Continuar ‘menino certinho’ e investir na relação hétero (que não me trará chatices, nem grandes aventuras)? Ou ceder (ao que tenho evitado) e arrepender-me mais tarde (correndo o risco de me sentir mal comigo próprio)?
Gustavo, 25, Granja

Doutor G: Caro Gustavo, para estares sequer a ponderar enveredar por uma relação homossexual, é porque no fundo, tens um desejo antigo de jogar ao esconde a morcela com um homem. Nada de mal nisso, até te incentivo a fazê-lo, porque me parece que estás com dificuldade em sair do armário e, quando o fizeres, serás muito mais feliz. Dizes que te vês numa estrada com uma bifurcação ao fundo, mas parece-me que essa bifurcação não é o que tu mais aprecias e preferes uma estrada de um único caminho. Para quem não percebeu, isto era uma metáfora para as diferenças anatómicas em termos de genitália masculina e feminina. Tu manda-te de cabeça e veste o maiot para praticar luta greco-romana com o teu amigo ou outro gajo qualquer. Não tens nada que te sentir mal contigo próprio, se cedeste à tentação é porque era o que o teu íntimo pedia e não há nada pior do que não sermos verdadeiros e honestos connosco próprios. Sai do armário pá! Ainda por cima se for um do IKEA diz que são perigosos se não estiverem pregados à parede. Já sabes é que depois disso nunca mais vais poder dar sangue.


Querido Doutor G, conheci há uns meses atrás um rapaz pelo qual me interessei imediatamente. Depois disso adicionei-o nas redes sociais, conversa puxa conversa e começámos a falar quase diariamente. Tudo muito bem mas, e há sempre um mas, ele tinha namorada. Entretanto e depois de muitas complicações e muitos ''quero-te mas não te posso querer'' ele lá acabou com a namorada, pela qual já não sentia nada sem ser amizade. Chegámos a encontrar-nos mas nunca chegou a acontecer nada, não por falta de vontade mas porque ambos queríamos ir com calma. A conversa continuava a ser diária e mostrávamos cada vez mais interesse um no outro mas há cerca de uns dias estamos mais afastados, as mensagens já não são regulares e sinto que está a perder o interesse em mim. Será que devo desistir dele e partir para outro ou acreditar que é normal porque anda mais ocupado e que ainda vamos ter muito forrobodó? Anseio pela resposta Doutor, e desde já obrigada.
Carolina, 19, Porto

Doutor G: Cara Carolina, parece-me que tens que ter calminha. Se ele só está mais afastado há cerca de dois dias, não achas que estás a ser drama queen ao já estares com dúvidas e inseguranças? Calma nessa hora, rapariga! Podem ser tantas coisas que nem vale a pena estar aqui a enumerá-las. Outra coisa que precisas de saber bem é se ele acabou mesmo com a namorada ou se está só a dar-te a conversa do bandido, algo muito comum. Se esse afastamento durar mais do que uma semana, então, é porque ele voltou para a ex que nunca chegou a deixar, ou porque arranjou outra. Experimenta dizer-lhe que já estás farta de ir com calma e que ele faça de ti a sua bola saltitona de colo. Só para testar, já que quando dizes "ambos queríamos ir com calma", demonstra que não sabes bem como funcionam os homens. Os homens nunca querem ir com calma. Nunca. Só dizemos isso para parecermos sensíveis e que vos dar os sinais de que queremos uma coisa séria. Os homens, se só houver pistodancing pelado no segundo encontro, já é ir com calma a mais. Com isto não estou a dizer para não ires com calma, tu fazes como te sentires melhor. Estou só a colocar as cartas na mesa. Resta-te decidir se queres jogar o ás de trunfo e caçar-lhe a "manilha" seca. De qualquer das formas, um bluff bem feito, pode ajudar a resolver.


Caro Doutor G, tenho um amigo casado que foi trabalhar para Angola há 2 anos mas a mulher dele ficou em Portugal. Ele volta a Portugal de 6 em 6 meses e, tendo chegado na semana passada, a mulher fez-lhe uma agradável surpresa anunciando que está grávida de 7 meses e meio! O meu amigo não é lá muito bom a matemática, por isso pediu-me para perguntar ao doutor se o filho irá nascer com o signo Leão ou Virgem. Desde já agradeço o seu esclarecimento. 
António, 34, Luanda

Doutor G: Caro António, claramente o filho irá nascer Virgem, a não ser que seja prematuro. O teu amigo vai passar a ter ascendente em Touro. Ou isso ou ela guardou os girinos dele num boião para se inseminar a ela própria com um saco de pasteleiro, só para testar a confiança dele. Ele é tão ceguinho, que se o filho nascer mulato, ele vai pensar que é porque esteve a trabalhar em Angola.


Olá dr. G, espero que esteja tudo bem consigo e com o seu sósia! Eu sou uma rapariga bastante romântica que acredita em almas gémeas e que acha que só devemos ter relações sexuais com pessoas que realmente gostamos! O problema é que eu não tenho sorte nenhuma nessa merda que é o amor e sinceramente já começo a ter medo de morrer virgem! A minha questão é a seguinte, o sr dr acha que devo esperar por uma pessoa especial para me entregar pela primeira vez ou devo "cagar" para os valores que tenho e fazer sexo com a primeira pessoa com quem eu tiver vontade (atenção que eu não disse com a primeira pessoa que aparecer)?
M, 19, Guimarães

Doutor G: Cara M, as almas gémeas são como primeiros ministros competentes: não existem. Já aqui escrevi sobre isso. Penso que já respondi a uma dúvida parecida com a tua e mantenho a mesma opinião: cada um perde a virgindade com quem quiser e quando se sentir preparado. Não acho que deves oferecer o teu He-Man ao primeiro Sexkelator que aparecer (pela tua idade, provavelmente não percebeste esta referência, mas não faz mal), mas acho que se tens vontade, deves ceder à tentação quando a altura te parecer bem. Se aparecer um gajo porreiro que até te trata bem e tem ar de quem sabe da coisa, porque não? Mesmo que ele não seja para casar e para sempre, porque não? As estatísticas dizem que apenas há uma ínfima probabilidade de a primeira pessoa com quem se tem relações sexuais ser a pessoa com a qual se fica para sempre, por isso, mais vale cagar nisso das almas gémeas, até porque assim, quando aparecer "o tal", já vais com uns truques na manga para lhe dares a volta à cabeça. Eu, pelo menos, não gostaria de estar para sempre com uma mulher que só experimentou comigo. Quantos mais melhor, que assim pode ter a certeza que eu sou mesmo o Deus da Buraca.


Olá Dr.G, nunca fui muito sabichão com as raparigas nem muito sociável, mas no secundário lá consegui arranjar uma namoradita, até ao ano em que entrei na faculdade (parece comum a toda a gente, entre-se na universidade e os problemas aparecem logo o.O) e a minha relação começou a ir a baixo, não sei se era eu ou ela, mas muito sinceramente eu já não estava para aturar. Entrei em engenharia informática e como é mais que sabido aquilo é a festa da mangueira, fêmeas nem vê-las, mas curiosamente, no meu ano entraram algumas bem jeitosas e bonitas (nada de se deitar fora diga-se), com o passar dos tempos, trabalhos em grupo e o caraças, lá me aproximei de uma delas, até que o 1o ano acabou e chegou o verão, e foi ai que as coisas começaram as descambar de vez, a relação nem sei porquê que não acabou e eu aproximei-me de vez da minha colega (refiro-me como colega para diferenciar as duas) de faculdade, íamos à praia juntos, uns passeios sem ninguém saber e por aí fora, até que se passou mais meio ano (+/-) e finalmente tive uma luta grego romana debaixo dos lençóis com a minha colega (sim infelizmente ainda namorava, mas a minha colega pensava que não, aliás, ela fez questão de nós só termos algo quando eu acabasse com a minha namorada, mas mentira atrás de mentira, lá acabou por ficar a pensar que eu já não namorava). Como se estes já não fossem problemas que cheguem, não ser capaz de acabar uma relação que já devia ter acabado à muito tempo (muito sinceramente não faço ideia porquê, tanto sinto "a falta dela" como não), como andar a enganar uma rapariga excelente, esta situação continua até aos dias de hoje, e com isto já vou com quase 7 anos de namoro e 2 e meio de traição sem que nenhuma saiba da outra. Sempre fui apologista da ideia de "se arranjas-te outra enquanto tens namorada e tens dúvidas sobre se escolher alguma, escolhe a segunda, caso contrário não a tinhas arranjado", mas o pah, não sei, deve ser do hábito, mas a namorada é só merdas e problemas que não lembra nem ao menino jesus, e a colega, é incrível, incluindo debaixo dos lençóis, e não tenho ponta por onde lhe pegar relativamente a pontos negativos, mas não me consigo decidir entre nenhuma, apesar de estar bastante inclinado para a minha colega. O que raios devo fazer? Não se poupe nas palavras/insultos, até eu sei que os mereço.
C.A. Algures

Doutor G: Caro C.A., és um conas. Merecias uma par de chapadas. No entanto, estou cá para ajudar e não agredir e, antes de mais, deixa-me dar-te os parabéns por conseguires manter uma coisa dessas em segredo, especialmente nos dias que correm em que o Facebook e as novas tecnologias vieram tramar a vida a quem quer urinar fora do penico. Qual é a dúvida? Não percebo... Tens uma que é só chatices e a outra que é incrível, sem defeitos e boa na cama? O que estás a à espera para deixar a outra e ficar com essa, antes que se descubra tudo e fiques de mãos a abanar? A abanar dentro das cuecas, porque se dizes que não és muito sociável, o mais provável é que fiques a tocar zumbinhas durante uns bons tempos. O mais correcto era acabares com a namorada e dizeres à outra que lhe mentiste. Era o mais honesto mas provavelmente ias de vela. Se gostas mesmo da amante, então acaba com a outra e omite isso. Ninguém precisa de saber, mas só se for mesmo para te dedicares a esta. Claro que não posso deixar de sugerir que tentes juntar as duas numa partida de badminton sem penas. No fundo, é como se elas já tivessem trocado fluídos, fazendo de ti um estafeta do chavascal lesbiano involuntário. Mete isso no CV. Como informático deves estar bem familiarizado com as Leis de Murphy, por isso, algo me diz que o karma te vai tramar e prevejo que vás ter um ornamento de marfim, tanto de uma como de outra. É fazeres as coisas com minúcia e não deixar nenhum ponto e vírgula à deriva, nem nenhuma chaveta por fechar. Se der merda, usa o Eclipse e desaparece. Foda-se, que metáfora tão nerd agora. Para compensar, vou ali compilar com a minha namorada à bruta.



Com tantas dúvidas que ando a receber, estou a ponderar ter duas edições semanais do consultório. O que acham? Era giro ou o que é de mais enjoa? Deixem a vossa opinião e eu logo decido. Obrigado a todos e, como sempre, até para a semana e continuem a enviar as vossas dúvidas para porfalarnoutracoisa@gmail.com. 


Partilhem e façam muito amor à bruta, que de guerras o mundo já está cheio.






Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: