26 de janeiro de 2016

Dicas para apimentar a safadeza no quarto



Nem só de sodomia política é feita a nossa vida sexual. Por isso, vamos a mais uma consulta "Doutor G explica como se faz".


Caro Doutor G, ando na universidade e conheci um rapaz, com quem tenho mantido contacto. Quando começamos a falar mais, aproximamo-nos bastantes ao ponto de trocarmos mensagens todos os dias. Uma noite fomos sair e curtimos, depois disso ele insistiu para irmos para a casa dele, só que eu não quis, quando voltamos para junto dos nossos amigos ele começou a fazer-se as minhas amigas. Entretanto o tempo foi passando e uma noite depois de sair da discoteca fui para casa dele, e pela primeira vez fizemos a luta greco-romana, acontece que no fim ele mandou-me embora, qual pastilha elástica que se usa e deita fora (ele dizia mesmo que não queria dormir comigo). Este ano ainda não aconteceu nada, mas continuamos a falar. Eu sentia que ele estava mais querido (dizia que não ia fazer ''asneiras'') e demonstrava vontade em estar comigo, até que tivemos uma grande discussão e ele se afastou. Não consigo compreender o que aquele rapaz quer, porque diz-me que não tenho nada haver com a vida dele (se anda ou não com outras), mas não se afasta definitivamente. Ajude-me por favor Doutor G! 
Flávia, 20, Coimbra

Doutor G: Cara Flávia, o que tu precisas é de dois pares de palmadas bem dadas e não estou a falar daquelas que tu gostas. Repara na sequência de acções: Flávia troca mensagens com o Zé; Flávia curte com o Zé: Zé convida Flávia para ir lá a casa comer lampreia genital; Flávia recusa e o Zé faz-se às amigas de Flávia; Flávia, não só continua a dar-se com o Zé, como acaba por lá ir a casa noutro dia comer a lampreia reaquecida; Zé expulsa Flávia de casa depois da lampreia bolsar; Flávia, ainda assim, continua a falar com o Zé e a achar que ele é bom rapaz. Para que percebas melhor onde quero chegar, deixo-te aqui a minha opinião em forma de meme.


Primeiro, provavelmente o Zé tem namorada, daí o sentimento de culpa que o levou a não querer dormir contigo e o facto de não te querer dar satisfações da sua vida pessoal. De qualquer das formas, o Zé é um palerma que só te quer traçar e vem com falinhas mansas para te enganar. Se só quiseres comer-lhe a lampreia, força. Se estás à espera de algo mais sério, és ingénua. Se valoriza aí garota! Caga no Zé.


Caro Doutor G, conheci uma garota a 9 meses, tive uma sessão bruta de truca - truca, e ela reclamou muito do tamanho do Pau, foi um escandalo geral mas aguentou até as ultimas consequências. O que acontece no entanto é que desde aquela altura, ela nunca mais quis ter relações com penetração, limitando-se apenas a fazer uns broches (mas tao bons que acabo gozando), e ela nunca disse exatamente o motivo que a leva a não querer ter sexo de novo e eu vou apenas suspeitando que seja o tamanho que a assustou. Quais sao as dicas que me dás para tentar convence-la a dar de novo para mim?
Anónimo, 26, Luanda

Doutor G: Caro Anónimo, que bom ver uma dúvida da minha terra! Ah, não, espera, é Luanda! Confundo sempre com a Buraca! Está tudo aí a bater em Angola? Tudo aí mesmo na calmaria e quê? Não tarda é sexta-feira, dia do homem, e dá aquela vontade de beber uma cuca e ir na discoteca roçar nas brancas. Ya, mesmo a sério. Bem, relativamente à tua questão, parece-me óbvio que ela se assustou com a jiboia mwangolesa. Se calhar da outra vez fizeste-lhe um estiramento ao nível da musculatura labial anterior e, ou ainda está em recuperação, ou não quer que lhe estragues aquilo para a vida. Sim, dar à luz sem esforço é uma vantagem, mas as mulheres já usam mala e não precisam de outro sítio para guardar a maquilhagem, os livros da escola, e candeeiros de pé alto. Para a convenceres, novamente, a fazer de toca para a tua toupeira do Entroncamento, tens de lhe prometer que vais ser mais meigo, usar lubrificante, e não fazer a posição piledriver. Ela que fique por cima a controlar o ritmo e a profundidade do encaixe e nunca lhe proponhas sexo anal, caso contrário, aparecem na capa do Correio da Manhã aí de Luanda com o título «Mulher falece na retrete depois de lhe entrar uma cobra píton pelo cadeirote.»


Caro Dr.G, o que fazer quando estamos envolvidos intimamente com o nosso parceiro e, de repente, ser mais sensível ao toque, começar a rir por causa de cócegas? O que fazer para atenuar essa questão?
M., 24, Lisboa

Doutor G: Cara M, é um problema bastante comum, especialmente no dia em que a depilação deixou o campo pelado para a prática do desporto rei. A capacidade de concentração é a única coisa que pode resolver o problema. Podes deixar-te ir e rir à vontade até à exaustão, desde que ele perceba que não o estás a fazer porque estás a achar que o trombinhas dele é muito cómico. Depois, tudo o que tira a sensibilidade pode ajudar: gelo, bebidas alcoólicas, e palmadas e trincas de força.


Caro Sr. Dr. G, quais são os sinais que a mulher dá para sabermos se está interessada ou não? Ao contrário dos homens (sabem logo se querem peixe ou carne), as mulheres são umas complicadas por natureza. Vou dar-lhe o meu exemplo mais recente cujo tópico pode interessar-lhe: Instrutora de ginásio. Convidei-a para sair para discutirmos um determinado assunto íntimo dela (não é sexual LOL) e a resposta foi: "Temos tempo para discutir o assunto no ginásio ;)". A meu ver, parece-me um ponto final em algo mais mas às vezes tenho a esperança que ela seja daquela espécie rara de quem gosta de se fazer de dificil. Ela não me está a dar muito feedback e continuar a "insistir" já começa a parecer awkward. Já me aconselharam a sair, mas preciso do conselho do mestre: continuo ou é tempo perdido? Como devo proceder, para pelo menos saber se está minimamente interessada?
Anónimo, 23, Lisboa

Doutor G: Caro Anónimo, ela não está interessada. Pronto, é isto. Quando te parecer que ela pode estar a ficar interessada, é só porque está a ver se lhe compras umas aulas de PT. No máximo dos máximos, ela poderia ter algum interesse mas ser comprometida e daí essa resposta. Sim, podia estar a fazer-se de difícil, mas ao ver que tu poderias desistir, ela enviar-te-ia sinais do contrário só para te baralhar o sistema. O smile que ela fez no final da resposta diz mais do que o resto da frase. Ela não te quer. Só violando é que lá vais. Não, não é um conselho, obviamente. Apenas um reparo final: mostra que conheces pouco as mulheres ao dizeres que as que se fazem de difíceis são espécie rara. Em todo o mundo, mas especialmente em Portugal, há cerca de 27% mais mulheres que se fazem de difíceis do que há homens heterossexuais. Valores retirados de um estudo independente que vi na Internet agora mesmo mas que já me esqueci da fonte.


Caro Dr.G, há muitos homens hetero com o fetiche de experimentar strap on com raparigas? Recentemente soube de um rapaz que tem esse fetiche e, que eu saiba, gosta mais de mulheres que outra coisa. Daí a minha dúvida... fez-me um bocadinho de confusão. Se calhar sou eu que sou antiquada, não sei. 
Anónima, 25, Aveiro

Doutor G: Cara anónima, penso que já falei sobre esse assunto aqui. Acho que há homens hetero que podem retirar prazer de enfiar coisas no rabo, desde que essa coisa não seja uma pila verdadeira. Posto isto, diria que ele está mais perto de ser gay do que eu, que, como dizia o gajo de Alfama «nunca meti um alho no cu. Nem alho nem nada.». Agora, parece-me que esse fetiche terá mais a ver com a questão da submissão do que da orientação sexual. Se ele te pedir para te vestires de lenhador e começar a chamar-te Orlando, enquanto lhe tocas na próstata com uma rebarbadora, aí diria que definitivamente é gay e, acima de tudo, quem é que nos dias de hoje se chama Orlando?


E está terminada a consulta. Como sabem, para além de conselheiro javardo, trabalho num estúdio de startups onde criamos vários produtos digitais e, inclusivamente, coisas e cenas fofinhas. Sendo vós assíduos leitores do Doutor G, acho que vão gostar deste produto: um gerador de ideias para tudo e mais alguma coisa e, como sei que sois uns javardos, tomei a liberdade de criar um quadro de ideias para apimentar a vossa vida sexual! Quem é amigo, quem é? Basta clicarem aqui, e experimentar e ajavardar à vontade. Ainda não funciona bem em smartphones, aviso já. Desafio-vos, depois, a partilhar as ideias mais parvas/nojentas que vos calharam. Aqui fica a minha.
Portanto, a ideia gerada é: Ir para um cemitério, enfiar os dedos no ânus com Nutella, tudo isto na posição do mambo invertido e, porque isto não era suficientemente inspirador, ir ainda buscar inspiração ao filme maroto de 2009 «Suor de tetas». E o meu trabalho é muito inventar coisas destas. Obrigado a todos e, como sempre, até para a semana e continuem a enviar as vossas dúvidas para porfalarnoutracoisa@gmail.com. 


Partilhem e façam muito amor à bruta, que de guerras o mundo já está cheio.






Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: