18 de abril de 2017

Apaixonada pelo melhor amigo? É errado ser amante?



Como é que é, criançada? Este calor primaveril está a dar-vos a volta as hormonas e a fazer de Abril, humidades mil? Sou bué engraçado. Bem, vamos a mais uma consulta "Doutor G explica como se faz". 


Caro Dr. G. Antes de mais parabéns pelo livro, que comprei na fnac, mas podia ter comprado na Bertrand ou neste link com desconto e portes grátis. Recentemente a minha namorada acabou comigo estando ela em “Erasmus”. Ocorre que aquando do regresso da supracitada eu me proponho a reconquista-la (antes que pergunte, porque o sexo era muito bom sim (e antes que pergunte novamente, sim lutei pelado com várias mulheres antes dela)). A questão é, neste momento tenho zero desejo em praticar o amor com outras donzelas. Já iniciei o processo rebound sex que numa fase pós relação tão bem faz, e até obtive “feedback”, mas estou um bocado: “nha”… visto que ainda tenho a outra jovem no pensamento. Posto isto lhe pergunto: acha que vale a penar ir às outras gaiatas em nome da prática e para não descer o nível quando a outra voltar, ou devo ser um gajo com uma ética sobre a qual Fernando Savater se podia masturbar e esperar?
João Carlos, 21, Portimão

Doutor G: Caro JC, obrigado desde já por me facilitares o trabalho a promover o meu livro e referires este link. Primeiro, tens de estar ciente que que alguém que acaba o namoro enquanto está de Erasmus é porque andou a javardar em terreno alheio. Facto. Podes pensar que a tua namorada foi eticamente correcta ao acabar contigo quando estava em Erasmus porque não te queria trair, mas tens de perceber também que ela o fez por razões egoístas e apenas para ficar com a consciência mais leve e poder saltitar à vontade em póneis estrangeiros. Posto isto, se ainda assim a queres de volta, dou-te toda a força para a tentares reconquistar, mas, aconselho a que não te prives da tua liberdade sexual enquanto o fazes. Quando a conquistares, metes na borda do prato os restantes pipis, até lá, degustas o mais que puderes para depois não te arrependeres. Imagina ires a um rodízio brasileiro e rejeitares as primeiras carnes que eles trazem porque estás à espera da picanha e depois dizerem-te que afinal a picanha já acabou e tu ficas arrependido de não teres enchido o bandulho com coxinha de frango e salsicha mineira. Podes sempre pedir ao empregado para voltar a trazer, mas pode vir fria e já não é a mesma coisa.


Boa noite Dr. G! Portanto, apaixonei-me por um rapaz que namora há 7 anos, ele trabalha comigo e o pior é que a namorada também! Desde o primeiro dia que trabalhamos juntos que houve uma enorme atração por parte dos dois! Trocas de olhares cúmplices, pequenos toques até que nos beijamos!! E do beijo ao sexo não demorou muito.. Andamos nisto há 4 meses! Não gosto do facto de ele ter namorada e muito menos de ela trabalhar connosco, trabalhamos por turnos, ou seja nem sempre trabalhamos juntos! O problema é que morro de ciúmes quando estamos os 3 no mesmo turno, mas disfarço otimamente, acho eu! Sei que deveria saltar fora, mas esta paixão é mais forte que eu e anima os meus dias! Antes de me insultares, da-me uma orientação!     
Anônima, 27, Porto

Doutor G: Cara Anónima, quem tem estômago para ajavardar homem comprometido tem de saber engolir sapos, entre outras coisas. Embora a culpa da traição seja sempre de quem trai e não de quem é acessório da traição, não me parece que tenhas muitas razões para te queixar. Já sabias que ele tinha namorada e já sabias que ela trabalhava convosco e, mesmo assim, decidiste dar oportunidade à paixão. Sim, porque ninguém se apaixona sem querer, há sempre um ponto com retorno no qual podemos trancar a coisa e dizer que não. Não te restam muitas opções já que te digo com 99,9% de certeza que ele nunca irá deixar a namorada para ficar contigo. Por isso, ou saltas fora ou mudas de trabalho. Podes sempre sabotar o trabalho dela, mas uma coisa é roubar o namorado, outra é o trabalho. Homens há muitos, trabalhos nem por isso. Não pude deixar de imaginar esse triângulo amoroso onde a gíria de trabalho toma todo um novo significado. Ficam algumas frases que podes utilizar:

  • A nossa equipa tem boas sinergias. Temos de reunir os três e alavancar ainda mais valor.
  • Sinto que sou o elemento disruptivo desta equipa.
  • Olhando para ti e para mim, parece-me estranho ele continuar a fazer downsizing.
  • Ontem, depois de teres ido embora, ainda fiz um follow up e o feedback foi muito positivo.
  • Se isto fosse uma meritocracia eu já tinha subido para cima dele há mais tempo.
  • Sinto que a nossa equipa partilha o mesmo ADN.
Nesta última estava a referir-me a sémen. Génio.


Boa tarde Doutor G, o problema é... sou virgem, e não de signo. Eu não me considero feio mas isso é irrelevante pois vejo grandes "abortos" com gajas bem boas. Mais que tudo isso, arrependo-me pois já por várias vezes que algumas raparigas se fizeram a mim, mas eu como é óbvio, não percebi. Pode me dar alguma dica?
Hugo, 22, Lisboa

Doutor G: Caro Hugo. É apenas e só isto.


Olá Doutor G! Sou a típica rapariga interessada no meu melhor amigo. Somos amigos de infância e nunca olhei para ele de outra forma, até que nos separámos e entrámos em faculdades diferentes. Somos muito próximos, das conversas mais deep às mais badalhocas e vivemos num flirt constante um com o outro, que acredito que não passe de uma brincadeira para ele. No entanto ele tem namorada e desabafa comigo sempre que tem problemas na relação. Ainda assim, o maior dos meus problemas é dizer-me que sou uma irmã para ele. Sempre que falo com ele sobre outros rapazes, ele só encontra defeitos. Acredito que ele desconfia do meu interesse e sinto que quer ter-me sempre disponível para ele (e de preferência encalhada). O meu dilema é muito simples: conto a verdade e arrisco-me a estragar uma amizade de 15 anos ou fico eternamente encalhada e na friendzone. Help me here!
Claúdia, 21, Lisboa

Doutor G: Cara Cláudia, temos de rever a nossa vida quando até no próprio nome damos um erro, a não ser que te chames mesmo ClaÚdia e nesse caso peço perdão pelo reparo. Como hoje estou um mãos largas, segue um fluxograma para te ajudar:

É isto. Agora tens de perceber se queres esperar ou arriscar.


Prezado Dr G, somos um grupo de amigos de 3 rapazes e os 3 com namorada, só que eu e outro amigo não conseguimos explicar ao terceiro elemento alguns factos da vida anormais os quais ele acha perfeitamente razoaveis e justificaveis.

Situação 1
ah e tal vou tomar cafe com a gaja da receção do meu ginásio. - diz ele.
Mas a XXX sabe?
Não!
Então mas isso não é mau para ela, ias gostar ao contrário?
Oh! eu só vou ter com a do ginásio para perceber se ela sabe que eu namoro e se eventualmente não souber para lhe explicar pessoalmente
Mas isso é estupido ! Diz por sms..
oh não quero ver pessoalmente a reação dela.

Situação 2
ah vou almoçar como uma camarada que conheço. - diz ele.
Mas a XXX sabe??
Não!! mas eu conheço não tem mal nenhum!
Mas é tua amiga? nunca ouvi falar dela?
Nao! é uma camarada de curso..
oh oh oh olha se a XXX descobre!!!
oh nao! é sem mal nenhum ! até vai uma amiga dela que é gorda!!

Como vê Dr isto aqui está a tornar-se na verdadeira cabrada, e nós enquanto membros leais do clube dos comprometidos já não estamos a conseguir controlar. Pf ajude-nos ou então o nosso amigo vai perder-se para sempre na estrada da promiscuidade!!
António e Tiago, Algures

Doutor G: Caros António e Tiago, vamos então analisar cada uma das situações apresentadas:

  1. Ele pode não ter real interesse na rapariga, nem ter intenção de trair a namorada, mas gosta do jogo de sedução e gosta de tirar o chupa da boca das crianças quando elas já estão de língua de fora.
  2. Se for mesmo amiga dele, tudo bem. Se nem é um encontro apenas a dois, pode ser algo inocente. No entanto, o facto de ele não querer contar à namorada leva-me a crer que talvez traga água no bico, a não ser que a namorada dele seja altamente controladora e não o deixe ter amigas nem sair com ninguém.
Moral da história: parece-me que o teu amigo sofre da Síndrome Luís de Matos: tem necessidade de espalhar magia pelo sexo oposto, seja porque é viciado no flirt, porque precisa de um ego-boost, ou simplesmente por questões sádicas. Todos nós gostamos de ver e saber que elementos do sexo oposto nos desejam, mesmo não tendo nenhum interesse em fazer o truque do desaparecimento da morcela zarolha. É preciso é ter cuidado, porque há muitos mágicos profissionais que, por vezes, vêem o truque sair ao lado e dão por eles a partir a assistente ao meio. No meio disto tudo o que me faz mais confusão é o facto dos vossos diálogos serem feitos com uma pontuação a fazer lembrar Saramago. Ele não respeita a namorada, mas vocês não respeitam a acentuação.


Caro Doutor G, ando envolvida com um rapaz há quase dois anos. Somos como namorados em vários aspectos: conhecemos os amigos um do outro, falamos todos os dias, estamos imensas vezes juntos, o funaná pelado é excelente. A única diferença é que ele não quer assumir uma relação, diz que estamos bem assim. Será que é porque não gosta assim tanto de mim? Ele também está sempre a dizer que as gajas são todas malucas, será que tem medo que eu me torne numa se entrarmos numa relação? Estou sempre com medo que ele me diga que arranjou outra, mas não tenho coragem de o largar porque gosto mesmo dele. Foi a primeira pessoa a conseguir dar-me orgasmos e a deixar-me à vontade para falar sobre tudo. Como resolvo isto?
Anónima, 22, Lisboa 

Doutor G: Cara Anónima, como qualquer dúvida bastante recorrente e comum, a resposta é óbvia e, para facilitar, deixo o seguinte gráfico:
Em qualquer um dos casos, ele não gosta assim tanto de ti. Agora, faz o que achares melhor com esta informação.


Obrigado a todos e, como sempre, até para a semana e continuem a enviar as vossas dúvidas para porfalarnoutracoisa@gmail.com. 


Partilhem e façam amor à bruta porque de guerras o mundo já está cheio.






Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: