9 de janeiro de 2018

Vale a pena reatar uma relação passada?



Bom ano e que 2018 vos traga muito funaná pelado e amor à bruta pela frente, trás e outros ângulos. Vamos, sem demoras, começar a primeira consulta do ano do "Doutor G explica como se faz". 


Caríssimo Dr. G, terminei há uns meses uma relação de 5 anos porque me interessei por outra pessoa que entretanto me deu com os pés. Mas agora surgiu uma nova pessoa interessada mas que eu sei que não é flor que se cheire sendo que também não o quero para casar, digamos que podíamos passar bons momentos mas eu sei que não tenho perfil para este tipo de relações porque penso demais e tenho medo de sair pior do que estou agora! O que me diz a isto?    
Anónima, 21, Coimbra

Doutor G: Cara Anónima, se há coisa que o Doutor G detesta no seu consultório são pessoas que enviam as dúvidas, expõem as várias hipóteses e dão as respostas. Parece aquele pessoal na escola que metia a mão no ar durante a aula para repetir o que a professora tinha acabado de dizer em forma de pergunta, para ter aprovação da professora e ter boa nota na participação. Essas pessoas, mereciam levar com um martelo na ponta dos dedos. Se sabes que o que se está a fazer a ti não é flor que se cheire e sabes que não consegues ter uma relação baseada apenas no sexo e te vais apegar a ele e acabar por sofrer, qual é a dúvida? Para que é que eu estou aqui a falar, tu vais fazer o que queres na mesma, não é? Vais tentar mudá-lo, levar com um par de chifres e depois queixares-te que os homens são todos uns porcos e farinha do mesmo saco, certo? Então, olha, boa sorte.


Caro Dr. G, durante quase 6 anos namorei com uma rapariga que faz parte de um grupo de amigos comum, daqueles mesmo chegados, tipo férias juntos e tudo. A coisa é que há mais de um ano ela terminou tudo comigo por causa de outro sujeito. Foi um ano ​muito positivo ​tendo mesmo acabado por evoluir imenso a nível pessoal e profissional​, e espectacular ​para a fanfarra entre amigos, já que chafurdei em mais pipi alheio do que um porco na lama​ ​em época de monção​, mas a verdade é que não há pipi como aquele, e não falo anatomicamente! Nos últimos meses fomos sair duas ​ou três vezes​​ juntos, ​e​ ​acabámos ​​por passar a noite a falar e nas piadolas, seguido de longas conversas emocionais ​"​do que foi e podia ter sido​"​, sendo que da última vez​ antecedeu em dias o fim da relação que ela mantinha.​ Depois disso temos estado juntos algumas vezes mas nunca aconteceu nada, até porque eu não quero​, mas a verdade é que estou desesperado para que aconteça. Eu ainda gosto da "piquena", mas percebo que ela agora esteja confusa e não faça ideia do que quer, tendo isto vindo da boca dela! O que é que eu faço? Dou-lhe espaço? Vou com tudo e rezo para que dê certo? Se me puder dar uma​ indicação de para onde me virar,​ eu agradecia!
S, 25, Lisboa

Doutor G: Caro S, devias apanhar um par de chapadas à padrasto na moleirinha a ver se acordas para a vida. Vamos por partes:

  1. O ano que estiveste sem ela foi muito positivo a todos os níveis;
  2. Ela acabou um namoro de 6 anos para estar com outro e agora que o outro acabou com ela (sim, estou a assumir isso) está confusa e na dúvida se ainda gosta de ti;
  3. Não aconteceu nada por "não queres, mas estás desesperado que aconteça"? Valha-nos a coerência;
Analisando estes três pontos, chegamos à conclusão que tu és a segunda e a opção segura dela que agora não quer estar sozinha. O mais provável é ela depois fazer-te o mesmo quando se fartar e se lembrar porque é que terminou contigo da primeira vez. Tu vais ficar na merda, novamente. Ainda se ela dissesse que foi um erro e estivesse segura que é de ti que gosta, agora ainda está com dúvidas? Se voltarem, 99% de certeza que vai dar merda, mas tens 1% de hipótese de correr tudo bem e serem felizes para sempre. Como engenheiro do amor, só me sujeito a baixas probabilidades quando a alternativa é a morte. Nunca se deve voltar a um sítio onde já se foi feliz, especialmente se esse sítio é um pipi. Podes mandar estampar numa t-shirt.


Caro Doutor G, tenho um grupo de amigos com os quais andei durante o verão, em que um deles mostrou um certo interesse. Depois de poucos beijos e do rapaz fritar a pipoca, decidimos que não ia à frente, já que o jovem afirmou que como éramos do mesmo grupo qualquer tipo de envolvimento só poderia ser uma relação séria, coisa que para a qual ele não estava preparado no momento. Mas a coisa continuou e acabámos num quarto de hotel numa tentativa do "vai ou racha". Ora, nem foi nem rachou, quanto muito tremeram-lhe as pernas e fugiu. Isto tudo sempre dizendo que não era certo, acabando a minha saga pseudo violação com a frase "se calhar ainda me vou arrepender". Devo calar o meu orgulho e volto a insistir correndo o risco de ser presa, ou devo interpretar isto como um não definitivo?
Anónima, 20, Lisboa 

Doutor G: Cara Anónima, analisando o caso e recorrendo a toda a minha sapiência e experiência ao longo destes anos como consultor sexual e amoroso, deixo aqui um creampie chart que mostra as razões que podem ter levado o jovem a ter essa atitude de suricata amedrontada:
Posto isto e somando as probabilidades de ele ser virgem e/ou sofrer de ejaculação precoce, há 53% de probabilidade de ele não te satisfazer na cama, devido à sua inexperiência e notória falta de vontade de fazer sexo. Vale a pena insistir, sabendo disso? Quão desesperada estás? Se alguém me dissesse a frase "se calhar ainda me vou arrepender" antes de fazer sexo comigo, para mim estava tudo acabado a não ser que fosse "arrepender porque deves ser tão bom na cama que me vou apaixonar e querer mais". O que para além de ser um elogio, mostrava que a pessoa é perspicaz e constata facilmente o óbvio. Fora esse contexto, essa frase deve ser tomada como ofensa e se avançares e o violares, enfia-lhe um dildo no rabo só para lhe dar razão. Ou não, há 1% de probabilidade de ele gostar.


Caro Doutor G, a minha dúvida é simples e rápida: num cenário paralelo, onde o Dr. G fosse solteiro, fazia a Ana Malhoa? Já agora, qual o seu vídeo clip preferido dessa artista? 
Uma fã (da Ana Malhoa, claro)

Doutor G: Cara fã da Ana Malhoa, para mim, fazer a Ana Malhoa seria como fazer o palhaço Batatinha. Não se deve estragar a infância. Dito isto, tenho por norma não ir para a cama com mulheres com mais músculos do que eu. A juntar a isso, eu vi as fotografias da Ana para a Playboy e tenho algum receio de não conseguir ter uma performance satisfatória por estar distraído com os mamilos estrábicos que só fariam sentido na Rita Pereira. Por fim, o video favorito é a Turbinada até porque é o que tem lubrificante feito à base de azeite.


Caro Doutor G, tenho 20 anos e acabei à algum tempo um relacionamento com pouco mais de 2 anos. Ele acabou porque eu mostrava algum desinteresse na relação, inclusive no que tocava a agasalhar o croquete. Ainda que na altura ele tenha dito que ainda me amava e não tenhamos ficado de costas voltadas, parece estar a seguir a sua vida. Contudo, eu continuo interessada nele, mais do que nunca – talvez porque tenha levado com os pés – e arrependo-me de só ter acordado agora. Mesmo afastada dele, não consigo esquecê-lo, e quando o vejo próximo de outra rapariga desce sobre mim um espirito de lutadora de MMA.  O que é que eu faço? 

Anónima, 20, Lisboa

Doutor G: Cara Anónima, o que fazes agora? Agora chuchas no dedo. Quem só dá valor quando perde ou porque há concorrência, não merece chuchar noutras coisas. Fim. Drop te mic.


Está feito. Bom ano e até à próstata. Se têm dúvidas, enviem para porfalarnoutracoisa@gmail.com, ou caso sejam de Leiria, podem ir assistir ao meu espectáculo dia 13 de Janeiro e fazer a pergunta ao vivo ao Doutor G em carne e osso. Últimos 40 bilhetes à venda neste link.


Partilhem e façam amor à bruta, porque de guerras o mundo já está cheio.




PODES SEGUIR-ME NO INSTAGRAM

Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: