16 de maio de 2017

Homens e mulheres são farinha do mesmo saco


Bem sei que a maioria de vós ainda está em êxtase com o fim de semana transacto, mas o Doutor G tem mais uma consulta para dar em mais um rubrica "Doutor G explica como se faz". 


Ola, dr. G. entrei na universidade este ano letivo, e conheci imensa gente com os mesmos interesses que eu. Fiquei longe de casa e o meu namorado ficou na minha terra, ficando longe um do outro (o que já se sabia que ia dar merda) no meio das lendárias bebedeiras universitárias e das previsíveis discussões conjugais, numa noite, eu e um colega, saímos bebados como tudo, e ele beijou-me e obviamente nao dei muita luta, mas afastei-o disse que se devia deitar e fui me embora. Agora simplesmente nao sei se deva dizer a alguém. Que me diz doutor?

Enviado do meu telefone Huawei. 
Anônima, 20, Algarve

Doutor G: Cara Anónima, esse Huawei a copiar o iPhone como se fosse algum orgulho ter-se um telemóvel chinês. Normalmente, quando se aposta numa relação à distância vai-se com a ilusão de que tudo vai dar certo e que o amor é uma espécie de teletransporte que nos permite estar longe sem estar. Credo, que Chagas Freitice que isto foi. No entanto, tu, logo à partida, já foste com o pensamento de que iria dar merda e já a planear inconscientemente que numa noite de bebedeira e discussão conjugal terias atenuante para embarcar numa luta de escalopes extra-conjugal. Por isso, claro que a coisa não ia correr bem. Contar a alguém? Não sei, depende do que quiseres fazer a seguir. Não contes é a Deus, que o gajo conta à mãe e ela vem logo cá contar os segredos a uns putos ranhosos quaisquer que depois vão contar ao mundo inteiro.
  • Achas que nunca mais vai acontecer e queres ficar com o teu namorado? Não lhe contes.
  • Já não queres estar com o teu namorado? Acaba a relação, mas não precisas de lhe contar que sorveste língua de outro porque só o vai fazer sofrer e o resultado é o mesmo.
  • Queres continuar com o teu namorado, mas também queres continuar a ter aventuras na universidade? És uma porca.
Simples.


Caro Dr. G, acabei recentemente um relacionamento com uma rapariga com a qual estive durante mais de 3 anos. O desgaste levou a melhor e foi ela a tomar a decisão de acabar, apesar de isso não nos ter impedido de continuarmos amigos. Continuamos a falar e a passar tempo juntos, sem quaisquer ressentimentos, e, nem uma semana depois, contou-me que teve relações sexuais com um ex-colega de trabalho. Como é óbvio, mesmo tendo ela a vida dela, fiquei magoado, porque a separação era muito recente. Porém, qual não é o meu espanto quando no dia seguinte ela me conta que o rapaz lhe deu com os pés depois do "funaná no automóvel" e voltou para a ex-namorada. Ela ficou destroçada, porque me disse que gostava dele, mas agora tem feito avanços no sentido de voltar para mim. A questão é que eu ainda gosto dela, só que já não a amo - aquilo que a tornava especial aos meus olhos desapareceu pois o facto de termos sido os primeiros um do outro era especial. Qual o seu conselho quanto ao rumo da minha vida pessoal? Volto para ela, "chafurdo numa qualquer" para me vingar e depois volto ou não para ela, ou sigo em frente?  
Miguel, 22, Lisboa

Doutor G: Caro Miguel, mas porque é que vocês ficam amigos das ex-namoradas? Tanta gente aí no mundo a precisar de amigos e vocês ficam agarrados ao cotão do umbigo. Vou explicar-te o que aconteceu:
  1. Ela acabou o namoro porque já andava enrolada com o outro ou porque se queria enrolar e gostava dele.
  2. Enrolou-se com o outro passado uma semana e se diz que gostava dele mais uma prova de que a coisa já durava enquanto vocês namoravam.
  3. Ele deu-lhe com os pés e ela ficou carente e decidiu tentar voltar para ti.
Ora bem, o meu conselho é que lhe dês com os pés, tanto como namorada como como amiga. Porquê? Primeiro, porque como namorada é má, visto que já andava enrolada ou a gostar de outro e só quer voltar para ti porque és a segunda opção. Segundo, que tipo de ex-namorada amiga te vai dizer, passado uma semana de terem acabado, que andou a chafurdar com outro? É preciso respeito pelo luto. Ela pode dizer que foi para te mostrar que devias partir para outra, mas se fosse esse o caso ela afastava-se e não tentava fazer de ti o amigo gay. Como só tinham tido ambos um parceiro sexual (menos ela que já devia ter andado com outros entretanto) ao menos que ela quisesse voltar para ti depois de ter feito sexo com o outro que era sinal que tu és melhor na cama. Agora, se ela queria ficar com ele, nem isso tens a teu favor. Eu sei que dói no ego, mas estou a fazer de ti um homem.


Caro Dr G. fiquei solteira recentemente da única pessoa que amei na vida e como qualquer pessoa com o coração partido decidi que me iria apenas servir de homens apenas por questões puramente físicas sem sentimentos à mistura, até que se me aparecesse alguém que realmente valesse a pena. Entretanto chegou ao meu trabalho um novo colega e a atracão foi mutua. A questão reside no facto do individuo ser mais novo que eu (6 anos) e ter namorada (que saiu agora das fraldas). Acabamos, obviamente, por nos enrolar, porque a carne é fraca. Mas ainda não avançamos para o funáná pelado porque eu, que não gosto muito de "partilhar", disse-lhe que só o iríamos fazer se ele acabasse com a namorada. Ele diz que não tem coragem de acabar com ela, que está confuso etc... e eu não sei o que fazer, apesar de ele não fazer o meu género a nível intelectual tenho receio de me acabar por apaixonar e não saber dizer que não a esta situação e permanecer "amante" dele. O que posso fazer? Mantenho esta situação até me aparecer alguém que me tire dela? Pressiono para ele acabar com a namorada?
Vanessa, 27, Aveiro

Doutor G: Cara Vanessa, é histórias de homens e mulheres que pulam a cerca hoje. Parece um terreno de ovelhas em andas com uma cerca da Playmobil: tudo salta para o outro lado facilmente. Não me venhas com tretas que não fizeste sexo com ele porque não gostas de partilhar, achaste foi que o teu pipi é o ás de trunfo e que o podes usar para o pressionar a acabar com a namorada. Se ele não te atrai intelectualmente, porquê o medo de te apaixonares por ele? Costumas apaixonar-te muitas vezes por pessoas das quais não gostas da personalidade? Isso pode explicar o teu coração partido. Bem, no meio disto tudo tu és a que não tem culpa de nada por isso faz o que te apetecer. Se quiseres ficar com ele, faz o test drive primeiro e se o motor de arranque estiver estragado devolves ao stand. Ah e ele não está confuso, ele só quer é comer-te e está a dar-te a cantiga do bandido e tu a cair. 


Caro Doutor G, estou numa relação estável e nutro imenso carinho pela minha cara-metade. Regressei de Erasmus e desde então dou por mim a fantasiar com mil e uma raparigas da minha universidade/círculo de amigos, incluindo no ato de esgaçamento de pessegueiro e afins. Não quero trair a minha namorada, mas sinto que se qualquer uma delas me levasse para casa e abrisse as pernas eu fornicava-a violentamente sem pensar duas vezes. Existe cura ou antídoto para este comportamento de cachorro no cio?
Pedro, 23, Porto

Doutor G: Caro Pedro, depois de vir de Erasmus? Porque não durante o Erasmus? Foste para um país com mulheres ainda mais feias do que as portuguesas? BADRABUM!!! A espalhar o ódio pelos mais de 60% de pessoas que lê o Doutor G. Calma, não são vocês que estão a ler isto que são feias, são as outras, aquelas vossas colegas de escola ou do trabalho que nem sabem tirar o buço com cera. Sim, essas nojentas feiosas. Bem, Pedro, sofres de um problema causado pela evolução darwiniana em que os homens foram sendo seleccionados pela sua testosterona e vontade de procriar com várias fêmeas para maximizar as hipóteses de sobrevivência da sua descendência. No entanto, os homens nunca podem usar a desculpa das hormonas para nada. Essa cartada é das mulheres e nós, apesar de a testosterona ser a mais poderosa das hormonas, temos sempre de nos conseguir controlar e ser ponderados e sensatos. Posto isto, se gostas mesmo da tua namorada, só tens de te controlar porque os homens não se medem aos palmos, mas medem-se pela quantidade de gajas que rejeitam quando têm namorada. Também conheço quem diga que por cada gaja que se rejeita na terra se leva no cu no céu e é nesse sentido que escrevo coisas neste blogue que me façam ir directo ao inferno.


Boa tarde Doutor, há aproximadamente 6 meses conheci um rapaz na noite, fomos falando e passadas duas semanas deu-se o real comilanço. Depois disso ele apresentou-me aos amigos e acabei por ficar também amiga deles. Andamos nisto durante dois meses mas sem nunca chegar a praticar o funaná pelado, isto apesar de eu o ter sugerido diretamente. Apesar disso continuávamos bem. Íamos então em três meses de amizade quando ele decide deixar de me falar. Tentei durante algum tempo reatar a "relação" mas nada. Parti para outra e caguei, literalmente, para o assunto. Até que recentemente ele me abordou numa noite e pediu para que eu na noite seguinte me encontra-se com ele. Na noite seguinte estava com uns amigos num bar quando ele aparece, disto olha para mim sorri e vai embora e apesar de ficamos no mesmo local o resto da noite o nosso encontro não passou disso. O que tem o Dtr a dizer desta atitude e que conselhos me oferece?
Maria, 19, Braga

Doutor G: Cara Maria, esse sujeito é uma destas três coisas:
  1. Um xoninhas
  2. Gay
  3. Tem/gosta de outra
Só isto explica essas suas atitudes. Eu vou mais pela primeira o que são boas notícias pois a xonice tem cura, já o espírito maligno do homossexualismo, como diz o pessoal da IURD, não tem, apesar de eles acharem que sim e que com umas rezas e enfiar mirtilos no cu a coisa passa. Por isso, se estás mesmo interessada nele, tens de ser tu a saltar-lhe para cima e montar o pónei anão que nem uma princesa guerreira. No entanto, tens de ver se a atitude dele não poderá ser algum constrangimento por tu teres cagado, literalmente, no assunto. Nem toda a gente tem esses fetiches escatológicos.

PS: «Para que eu (...) me encontra-se com ele»? Ó Maria, Maria. O que é que eu faço contigo, Maria? Achincalho-te ou deixo passar?



Caro Doutor G, até aos meus 20 anos nunca me tinha apaixonado apesar de ter tido 2 namoradas, Há 5 anos apaixonei-me pela primeira vez por uma colega, uma daquelas paixões à primeira vista, mas descobri que ela era lésbica, para que não deixá-se-mos de ser amigos deixei passar um tempo e comecei a vê-la apenas como uma amiga muito importante. Passado cerca de 8 meses conheci uma rapariga muito simpática pela qual me interessei mas vim a descobrir que essa rapariga é a namorada da minha colega, mais uma vez por respeito não fiz nada. Há 5 meses voltei a conhecer uma rapariga cuja aparência física e a personalidade têm uma força de atracção maior que um buraco negro, o problema é que ela também é lésbica, agora dou por mim a ter fantasias com lésbicas regularmente, quando vejo raparigas da minha idade na rua começo a imaginá-las às duas a brincarem uma com a outra na cama e isso dá-me prazer. Eu adoro esta rapariga, ela está interessada noutra rapariga mas quando se sente em baixo diz-me que é bi e que talvez a sua próxima relação deva ser com um homem como eu. Doutor G sou programador, percebo mais de máquinas do que de mulheres, por favor ajude-me. 
Anónimo, 25, Caparica 

Doutor G: Caro Anónimo, fiquei com cancro nos olhos ao ler «deixá-se-mos». Estou a ver tudo enevoado e o caraças. Ora bem, se só gostas lésbicas a única solução é trocares de sexo. Quanto a teres fantasias com lésbicas, parabéns, fazes parte dos 99,9% dos homens hetero que têm essa fantasia, devias sentir-te especial. Embora muita gente pense de outra forma, ser lésbica não é uma moda ou um capricho, por isso, uma lésbica não deixa de gostar de pipi para gostar de enchido do nada só porque tu és muito lindo e engatatão. Uma lésbica não sente atração por homens, ponto final. Agora, se ela diz ser bissexual, a coisa é diferente, talvez tenhas algumas hipóteses. É tentares a tua sorte, mas depois, se começarem a namorar, não te queixes caso chegues a casa e a vejas na cama com outra rapariga. LOLOLOL. Como se algum homem se fosse queixar disso... só se nem te deixarem ficar a ver, aí sim, aí já conta como traição.


Está feito. Parabéns ao Salvador. Parabéns aos benfiquistas. E parabéns ao Papa por fingir tão bem que Deus existe. Como sempre, até para a semana e continuem a enviar as vossas dúvidas para porfalarnoutracoisa@gmail.com. 


Partilhem e façam amor à bruta porque de guerras o mundo já está cheio.






Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: