28 de maio de 2017

Tesourinhos deprimentes do início da Internet



Com 33 anos, já passei por muito no que diz respeito à Internet. Sou do tempo em que sacar uma música demorava três horas e em que receber a fotografia de uma miúda que tinha conhecido no mIRC demorava dois dias e, por norma, era feia. Hoje, a criançada não sabe o que custa a vida e é tudo em fibra, real time e HD. Ao bater essa nostalgia lembrei-me de alguns vídeos que percorriam a internet, alguns antes de haver Youtube e do "viral" ser um adjectivo para outra coisa que não fossem doenças. Fui procurar e encontrei estes, mostrando que o que cai na Internet fica lá para sempre.


Lembram-se os O-ZONE? Como se o facto de terem tido uma música viral e enriquecido à pala do mau gosto musical de todos nós não fosse deprimente o suficente, ainda deu origem a este mítico vídeo de um alemão. A dúvida que para sempre permaneceu na cabeça de todos os que viram este vídeo vezes sem conta, foi: terá ele problemas mentais ou será isto apenas uma paródia? Ninguém sabe. Isto tem piada porque é em vídeo, porque se encontrassem este senhor a cantar isto num beco escuro à noite, aposto que até o mais macho dos alfas soltaria uma pinguinha de urina.



Violência entre irmãos a dar o mote para este vídeo viral de 2006. Onze anos passaram, minha gente, mas aposto que a Marine ainda sente a bochecha a latejar desta chapada surpresa que ficou para a história da Internet. Ao contrário do que muita gente pensa, não é um vídeo português, mas sim francês. Serão emigrantes portugueses? Duvido, nenhum deles tem um terço fluorescente ao pescoço.


Numa altura em que ser nerd e geek ainda não era cool, este vídeo mostra dois rapazes a dançar ao som do Crazy Frog. Crazy Frog, que nostalgia. Clube Jamba e essas coisas. Não sei porquê também me lembrei agora daquela música «I am blue» da ba dee a ba da, de 1999. Estamos velhos. Já estes miúdos devem ter agora alguma startup disruptiva. 


Telefonemas anónimos sempre foram a brincadeira preferida de muitos adolescentes com um telefone fixo e sem os pais em casa. A frase «Vai já chamar a tua filha» ficou imortalizada por uma série de telefonemas anónimos de autor desconhecido, há uns 20 anos, talvez. Pizza com carne nunca mais foi a mesma coisa.


Enquanto uns tentavam dar bom nome aos nerds, havia outros a estragarem toda essa reputação de que podiam ser cools. O mítico "Star wars kid" gravou este vídeo na escola, em 2002, mas esqueceu-se de tirar a cassete. Se não sabem o que é uma cassete pesquisem no Google. Dois colegas encontraram essa cassete e partilharam o vídeo no Kazaa. Foda-se, há quanto tempo não ouviam a frase «Partilhar um vídeo no Kazaa.»? A maioria de vocês nem saberá o que isso é. Pensem no Kazaa como o início da pirataria informática de onde se podia sacar coisas à velocidade de um caracol paraplégico. Escusado será dizer que isto foi o primeiro caso de cyberbullying e que o puto foi gozado na escola e teve de acabar o secundário na ala psiquiátrica. True Story. Depois ficou bem. Mais ou menos.


Isto é de 1996 e ficou viral por email! Porque é que isto ficou viral? Primeiro, porque a Internet desde início serve para três coisas: partilhar fotos e vídeos de bebés, gatinhos e pipis; segundo, porque nesta altura os melhores gráficos eram os do Duke Nukem 3D e este bebé parecia quase real. Aposto que houve muita gente a dizer «Pronto, é impossível melhores gráficos do que isto!» como eu dizia quando jogava o primeiro Tomb Raider sem perceber que os seios da Lara eram triangulares.


Talvez o primeiro viral do mundo da publicidade que dividiu o mundo e gerou discussões entre amigos que tentavam decidir se o vídeo seria fake ou não. O mundo ainda não estava habituado a vídeos fakes. Ainda hoje, haverá discussão sobre a veracidade do vídeo, mas claro que é fake. Primeiro, porque a bola não ressalta assim na trave, depois porque era preciso os planetas estarem todos alinhados e a Maya ter feito uma macumba com Gin e pau de cabinda para isto acontecer.


Não vou dizer nada para não estragar quem nunca viu este.


Não me perguntem porquê, mas isto foi viral quando a internet ainda era por impulsos telefónicos.



Quase toda a gente se deve lembrar deste e por isso até tenho pena de destruir o vosso mundo: isto é fake. Iste faz parte de um programa de sketches belga e não foi uma entrevista a sério. 

Vídeos virais sem decotes? Claro que tinha de haver um, talvez o mais icónico de sempre que muitos se devem lembrar de ver naquela altura em que as hormonas estavam aos saltos e até o catálogo da La Redoute servia.


Peço desculpa, mas em bom nome da nostalgia cibernética teve de ser. Espero que tenham gostado desta viagem ao período Jurássico da Internet que, bem vistas as coisas, não foi assim há tanto tempo. Estamos velhos, mas não tanto.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: