26 de maio de 2015

Ejaculação precoce, homens paspalhos e herros ortográficos



Preparem-se que hoje a rubrica 
"Doutor G explica como se faz" é de tamanho inversamente proporcional às habilitações do Doutor G para ter um consultório sentimental/sexual/parvo. As dúvidas são muitas e grandes, por isso as respostas serão mais curtas e concisas. Depois digam-me se preferem assim ou menos dúvidas por rubrica mas com respostas mais detalhadas. Ou não digam nada, é convosco.

Caro dr.G., ando há alguns dias a falar com um rapaz pelos chats da vida. Rapaz bonito, simpático, cordial e (coisa raríssima) solteiro e hetero. Aparentemente, tinha tudo para correr bem e a conversa redundar num bonito e terno chavascal. Até que o rapaz me diz "Se eu podesse, descia aí para baixo, para estar perto o soficiente de ti. Á meses que não vou a Lisboa." Já deve, portanto, ter percebido o meu problema. Sei que atingi uma idade que não me permite ser muito exigente com os possíveis companheiros, mesmo só para os de cambalhotas. Já conversei com algumas amigas minhas que me disseram que estava a ser parva e que, se calhar, estava perder uma bela oportunidade de lhe dar a conhecer a gruta da danação eterna. Acontece que este tipo de problemas são uma valente tesourada no meu tesão. Tenho medo de, ao pedir que me oscule, ele me cuspa ou faça coisa pior. Não que eu seja particularmente erudita, mas há noções básicas de gramática que têm de ser adquiridas para que consigam levar-me para a cama. Não adianta corrigi-lo porque ele não aprende. O que acha, dr.? Dane-se a gramática? Estou a ver problemas onde eles não existem? Muito obrigada pela sua ajuda. 

Anónima, 30 anos, Lisboa

Doutor G: Cara Anónima, compreendo perfeitamente a tua dúvida. Para mim, há erros, como por exemplo se eu aqui tivesse utilizado "á" apenas, que me retiram toda e qualquer vontade de praticar o coito, por muito atraente que seja a pessoa. No entanto, devo dizer que é uma picuinhice sendo que durante o acto não se escreve nada. Pode é acontecer durante o chavascal ouvires "Não encontro o preservativo, tenho a certeza que puseo aqui na carteira. Hádes ver se não o encontras-li-o ai..." e ai sim, imagino que se te sequem as vergonhas rapidamente. Faças o que fizeres com esse rapaz, não procries se faz favor.


Doutor G estou um pedaço entalado numa situação que divide a borda esquerda do rabo da borda direita. Sou explicador de Matemática e dou aulas particulares a menores de 16 (13 anos em média). Esclareço que por aulas particulares quero dizer explicações aos alunos nas suas próprias casas. Ora no último mês os meus serviços foram requisitados por uma MILF e a sua filha de 13 anos, que a propósito parece uma modelo de 18 anos. Acontece que nas primeiras aulas a miúda portou-se deveras lindamente, mas ultimamente começou a ter comportamentos deveras inapropriados, como tentar amaciar o Zezão. Ora a 1ª vez não liguei, pensei que fosse apenas uma brincadeira de mau gosto, mas os comportamentos da miúda têm-se agravado e está cada vez mais badalhoca, passando por tentar beijar-me a trincar-me a orelha e sussurrar as mais perversas fantasias sexuais que tem comigo. Não é que não goste, só não acho certo devido a ela ter uns meros 13 anos naquele corpão de 18 anos. Visto a tremenda diferença de idades e o facto de não querer ir parar à cadeia por morder o jailbait, queria o seu concelho sobre a melhor atitude a tomar para fazer a rapariga perceber que o meu osso não é para os dentinhos de leite dela, mas mais depressa para a Cougar que a pôs neste mundo. Tudo isto claro sem passar por contar à Dª Puma, se não quem fica mal visto ainda sou eu. Um grande abraço para si doutor G, e fico à sua espera para o levar a beber umas ponchas!
Zé, 21, Madeira

Doutor G: Caro Zé, primeiro que tudo o meu concelho é o da Amadora. Segundo e passando ao conselho propriamente dito, o argumento de corpo de 18 não resulta quando já se sabe à priori a idade da moça. É pensares que estás no timing perfeito, para durante os próximos 5 anos tratares da mãe, enquanto esta não azeda e depois já teres autorização legal para partir (para) a filha. De qualquer das formas, para garantir que não fazes asneira, já passei o teu email a um amigo que tenho na PJ. Se eu for à Madeira antes de seres preso, terei todo o gosto em ir beber uma poncha.


Caro Dr.G, sou casada ha 14 anos, e com os seus ups and downs, o meu casamento não tem corrido nada mal. O meu marido é bem abonado e eu sempre gostei de ser uma lady na sala. E só na sala. Mas ultimamente, nao sei se por causa do estresse no emprego ou por causa de ter passado dos 40, o meu marido parece que tem uma pressa desgraçada por acabar, mesmo não sendo intencional, e eu acho isto muito chato porque eu com ele fui sempre bem servida, tenho 34 anos, e não é agora que vou virar uma desperate housewife frustrada, com dependência de dildos e um amante. Já falei com ele e de inicio ficou ofendido mas depois ficou sem saber o que fazer para nao disparar tao cedo. Será que ele devia ir ao médico? O Dr.G estou mesmo a precisar do seu conselho. Obrigada. 

Futura Tia da Foz, 34, Porto

Doutor G: Cara Futura Tia da Foz, encara pelo lado positivo, estás cada vez melhor com a idade que até o teu marido, já habituado à tua nudez, tem dificuldades em conter o orgasmo precoce. Ele atingir o clímax primeiro não significa que não garanta depois que tu atinjas o teu, senão o fizer é egoísta e nesse caso podes sempre fazer-lhe o jantar meia hora antes dele chegar a casa e quando ele se sentar à mesa já estar tudo frio, só para ele perceber como te sentes. Peço desculpa, estou a partir do princípio machista que és tu quem cozinha e que ele chega a casa depois de ti porque trabalha mais, mas como falaste em desperate housewife é um erro legítimo, caso o seja, da minha parte. Em último recurso podes optar por deixar crescer os pelos em todo o corpo, fazendo assim com que os níveis de excitação dele diminuam. Coloca a televisão no canal parlamento ou grava com antecedência um programa do Júlio Isidro da RTP memória. Se ele ainda assim continuar a dar salvas antes do tempo, é melhor ir ao médico.


Caro Doutor G, a verdade é que de bonito, tenho pouco ou nada, a minha cara parece um campo de minas (dizem que é da idade mas isso é treta) e chama mais à atenção pela negativa do que pela positiva. De corpo também não tenho razões para festejo pois para conseguir ver ali um 3/4-pac na barriga quase que me borro todo com tanta força que faço. Tenho 21 anos e nunca tive a sorte de ter sequer uma namorada quanto mais algo onde martelar, este sobreiro ainda tem a cortiça toda e só sente ventania de vez em quando. Por enquanto recuso-me a pagar para martelar, não sei se isto é orgulho, esperança ou estupidez mas simplesmente recuso-me. Já tive grandes amizades com raparigas, chegando mesmo a possuir as suas informações mais íntimas mas acabo sempre por ser aquela peça de roupa que te oferecem, tu agradeces, vestes uma vez e depois vais devolver à loja. Sinto me como se fosse um confessionário privado das pessoas e acho que estou a ser perseguido pela friendzone. Se sou romântico levo com os pés, se não me importo é porque sou insensível. Estou farto de ser um brinquedo e de estar sozinho. Que devo fazer eu?  
RG, 21, Madeira

Doutor G: Caro RG, ser virgem aos 21 não é crítico, tens que ignorar a pressão da sociedade para desbravar mato antes dos 18. Em relação ao sixpack tens bom remédio, é comer menos e fazer desporto. Em relação à cara é ires a um dermatologista que pode ser que melhore. Os gostos nerds que falaste e que não coloquei aqui por falta de espaço, são um bónus, já que há cada vez mais mulheres geeks e são normalmente as que mais vêem pornografia. O segredo para não entrares na friendzone é mostrares interesse logo desde início. Mas aquele interesse distante e com pinta de cabrão que deixa as mulheres todas avariadas do sistema, só com a certeza de te quererem bater, sem saberem de que forma ao certo. 


Boas Doutor, nunca estive numa relação e a única vez que beijei alguém, bem... beijaram-me, porque foi roubado. À coisa de 2 semanas comecei a falar mais com um rapaz com quem tenho muitas coisas em comum e saímos umas duas vezes. Ele quis me beijar mas eu tive demasiada vergonha e pedi lhe que fosse com calma. Sinto-me bem quando estou com ele mas não sei se consigo passar disso. Será que consigo desenvolver aqui uma relação como deve ser, saindo mais com ele ou só ando nisto porque gostei da atenção? Pensei que uma opinião de fora fosse ser útil e assim sendo, o que acha que devo fazer? Obrigada! 
Júlia, 21, Aveiro

Doutor G: Cara Júlia, deixa de ser xoninhas. Beijar já é ir com calma... se ele te enfiasse a mão pela saia acima ainda compreendia, agora um beijo é um beijo, desde que não haja herpes visíveis. Se estás com medo de não saber beijar, deixo-te aqui este artigo para que não sejas um dos 10 tipos de pessoas que beijam mal. Nesta fase não interessa se é para desenvolver uma relação ou não, enfia-lhe a língua na garganta e logo se vê, deixa-te ir e não penses demasiado. Caso não te sintas mesmo à vontade, diz-lhe e ele se gostar de ti vai compreender e esperar. Não vai é esperar muito, que não há amor que resista à falta de contacto pele com ele. Já agora, quando digo pele com pele não estou a dizer para não usares preservativo!


Caro Dr. G, espero que me possa ajudar com esta questão: a minha melhor amiga é o meu fruto proibido. Por um lado gostava de andar à bulha todo nu com ela debaixo dos lençóis, mas por outro tenho medo de estragar a nossa amizade. Dizem que a primeira vez deve ser com alguém muito especial, e penso que está na altura perfeita para isso acontecer uma vez que os solos de oboé já não me satisfazem. O que devo fazer? 
Anónimo, 14, Coimbra

Doutor G: Caro Anónimo, a leitora acima com vergonha de dar um beijo com 21 anos e tu com 14 já queres fazer sumo orgásmico em conjunto. Pensem bem se estão preparados e se querem os dois a mesma coisa, como não referiste que ela sente o mesmo, espero que não estejas a pensar em forçá-la. És menor mas olha que os reformatórios não são campos de férias. O facto de estragar a amizade com sexo, já aqui o disse antes, não vai acontecer, caso aconteça é porque era uma amizade condenada ao fracasso desde início. O que estraga amizades são tensões sexuais mal resolvidas. Isso e emprestar dinheiro.


Caro Dr. G, tenho um namorado que ou tem umas competências sociais/afectivas pouco desenvolvidas (aos 35 anos já devia ter outro tacto) ou então, um dia vai "sair do armário" ou descobrir que afinal "o problema não sou eu, é ele". Preciso da sua opinião e sábios conselhos. O meu namorado nunca esteve muito à vontade com as palavras mágicas "Eu amo-te", enfim... Oiço-as a maior parte das vezes quando fez "caca" e em outras raras ocasiões, porque, como ele diz, é uma frase especial que não deve ser gasta. Também não é muito romântico mas como somos todos diferentes há que aceitar as diferenças. Ora, o homem (que nervos!) deu-lhe para, nas despedidas de um amigo que não via há anos e depois de uma saída bem regada com um bom vinho tinto, dizer bem alto, à minha frente, e no meio do parque de estacionamento: "Amo-te, "nome do amigo"!" Questão para um milhão: a bebedeira justifica tudo ou... devo pôr-me ao fresco antes que se faça tarde? 
Sandra P., 33, Lisboa

Doutor G: Cara Sandra, não tens nada com que te preocupar, o teu namorado é apenas um bêbedo afectuoso. Se ele deu a desculpa do álcool, só tens que o embebedar mais vezes quando estão apenas os dois. Pensa positivo, antes dizer que te ama quando quer fazer as pazes, com medo de te perder, do que dizê-lo só para fazerem sexo. Há também a possibilidade de ele não te amar mesmo, mas sendo que os homens são na maioria aldrabões, ele não teria problemas em dizer-te "Amo-te" mesmo que não sentisse.


Dr. G., estou numa situação complicada, pelo menos o meu subconsciente assim o diz. Conheço uma rapariga 5,45 estrelas (0 a 5 estrelas), falamos frequentemente por mensagens, posso dizer que esboço sempre um sorriso quando olho para a tela do telemóvel, não temos conversas porcas nem conversas mortas (falar da escola, testes, tempo). Já me fez algumas propostas, coisas simples, como ensinar a fazer uma salada de fruta depois das aulas entre outras, sem querer prolongar muito. Bem, o que é certo é que, ainda hoje me é difícil perceber o que vai na cabeça das mulheres (se esta interessada ou não!!!). Gostaria que me concedesse três respostas:

  • O que posso fazer, para dar a entender que gosto dela e ter sucesso?
  • O que significa falar todos os dias com uma rapariga por mensagem?
  • O que significa nas mentes extraterrestres quando dizem, gosto de falar contigo porque considero-te uma pessoa importante? 

Xoninhas, 22 anos, Lisboa

Doutor G: Caro Xoninhas, há convite mais óbvio para sexo do que "Queres vir lá a casa fazer uma salada de frutas?". Mais explícito que isso só se ela dissesse "Queres ir lá a casa para eu te descascar a banana enquanto me tiras as pevides da romã?". Relativamente às questões:

  • Podes dizer que gostas dela. Podes convidá-la para um jantar romântico. Podes espetar-lhe um beijo e dizer com ar gingão "Não digas que vais daqui", enquanto lhe dás uma palmadinha no rabo.
  • Significa que estão ambos interessados. Esse sorrisinho parvo que esboças na cara ao ver o nome dela no telemóvel chama-se "Paixão".
  • Depende do contexto: pode significar "Gosto de ti" ou pode significar "Gosto de ti... como amigo e gosto de te ter no meu banco de suplentes porque me dás atenção e me fazes subir o ego".

Olá Doutor G, passo então a explicar a minha situação: tive uma relação de bastantes anos até à pouco tempo, na qual, acabei por descobrir ter sido traída várias vezes, em várias ocasiões da relação, (nem sei como não reparei antes, uma vez que os apêndices duros e recurvados que se projetavam da minha cabeça não me permitiam passar nas portas, devido ao seu tamanho) ... No final, depois de descobrir tudo, ele ainda me disse que me amava. Terão os homens uma definição distorcida do que é amar ou apenas tive o azar de me cruzar  com um paspalho? 
Rita Reis, 26, Leiria

Doutor G: Cara Rita, não tiveste azar porque as estatísticas dizem que a maioria dos homens (e pessoas no geral) são paspalhos. Apenas te aconteceu o resultado mais provável da combinação. Quando isso não acontecer é que é sorte e não o oposto. É continuar a tentar que o Euromilhões também há quem o ganhe. Ele podia no entanto, à maneira dele, amar-te realmente. A questão é que quem ama assim não merece ser amado de volta, só se for da mesma forma.


Caro Doutor G, é para mim ainda muito difícil expor o meu problema e de forma tão pública e assumida. Mas a sua forma ligeira de lidar com os problemas incentivou-me. Estou na casa dos 30 e sempre fui socialmente muito ativo, sempre me relacionei com muitas pessoas, conheci todo o tipo de mulheres, até desenvolvi atividades no estrangeiro e resultado disto, já acumulei uma panóplia de relações. Em todas as minhas relações sempre senti falta de algo, mas como eram na sua génese satisfatórias, nunca consegui perceber qual era de facto o problema. Uma parte de mim nunca se satisfez por completo, isto claro no âmbito sexual. Mais recentemente, no aniversário do meu amigo Vasco, desloquei-me a um bar gay, nos arredores de Lisboa, onde fui apresentado a vários outros homens. Fez-se luz na minha cabeça, descobri a minha ‘missing piece’. Esta descoberta deu-se numa das idas à wc, após algumas bebidas, quando me senti todo eu agarrado e possuído por alguém. Deixei-me ir e tudo se desenvolveu numa série de amassos, língua na língua (e em vários outros sítios, eheheh), mordidelas e algumas marcas que perduram até hoje. Senti-me mais realizado do que nunca. A minha dúvida é, terá esta mirabolástica experiência me tornado gay? Qual a melhor forma de tirar isto a limpo?
Celsinho Neves, 33, Lisboa

Doutor G: Caro Celsinho, não ficaste gay, sempre foste gay ou bi mas por alguma razão reprimiste, dado que já passaste a idade de descobrires a tua orientação sexual. Nenhum homem hetero, depois de albergar um valente nabo na púcara diz "Olha que isto até que sim senhor, é bem mais agradável do que eu pensava, tanta coisa a aturar mulheres e vai-se a ver sou gay". Um dos problemas da discriminação é muita gente ainda pensar que é moda ou que se escolhe ser gay ou hetero. Nasce connosco, é visceral, animal e se gostas de uma ou outra pila de vez em quando força nisso, é o que te der prazer, desde que consensual. Já não vais poder é dar sangue e no teu caso ainda bem, que pela descrição não devem ter parado para colocar capacete na cabeça do almirante.


Olá Doutor G, tenho uma questão: O que leva os homens a trair? Vivo numa residência à um mês e partilho a cozinha com muita gente. Conheci um rapaz e sempre que ele cozinhava, fazia comer para uns 3 dias e dizia que tinha de ir comer perto do laptop. Entretanto, começamos a falar e ficamos um pouco íntimos. Até que comecei a desconfiar e um dia descobri que ele, afinal não partilha o quarto com mais 2 rapazes, mas sim com a namorada (Laptop). Sim, ele cozinhava para ele e para ela e depois comiam no quarto. Sim, é estranho mas ela nunca apareceu na cozinha nem para lavar a loiça, qual é a razão não faço a mínima. Não percebo porque mente e não assume a namorada, mas ele também já disse esta conversa a minha colega de quarto. Resumindo é um homem que não presta. Mas gostava de lhe dar uma lição, será que o Doutor G me pode dar alguma sugestão? 
Anónima, 23, UK

Doutor G: Cara Anónima, o que leva os homens a trair é o mesmo que levas as mulheres a trair. Querem safadeza fora do lar e sentem-se mais atraídos pela aspecto novidade do que pela qualidade do produto. Quando um homem esconde que tem namorada é porque ou quer trair ou quer apenas ver se há interesse por parte da outra pessoa, mesmo que não tenha intenção de pôr em prática a fantasia. O que é um erro de principiante, pois toda a gente sabe que a maioria das mulheres ainda fica mais interessada se o homem for comprometido, especialmente se a namorada for jeitosa. A lição pode passar por arranjares um vibrador e dizeres que tens um namorado melhor e maior que ele. No meio disto tudo a única coisa que me faz confusão é ela não lavar a loiça.


Boa tarde Doutor G. Ainda sou muito novo, 16 e 1/2, mas acho que comecei a gostar duma rapariga. Nunca tive numa relação, sou uma "bodega" com momentos românticos e o pior de tudo, estou dentro da "friendzone" dessa miúda. Já tentei esquecer, mas isto parece mais complicado do que parecia. O que fazer agora Doutor? 
Daniel, 16, Aveiro

Doutor G: Caro Daniel, quando tiveres 31 não vais fazer questão de dizer que são e 1/2. Foi só um reparo nostálgico como quem diz para aproveitares a juventude. Em relação à friendzone o meu conselho é sempre o mesmo: tens mesmo a certeza que lá estás dentro, salvo seja? Ela pode pensar o mesmo sobre ti. Se tens mesmo a certeza então é partires para outra, que na maioria dos casos, mesmo que consigas sair lá de dentro momentaneamente, ela mais tarde vai perceber que afinal só te vê mesmo como um amigo. Eu sei que com 16 ela te parece a mulher da tua vida mas acredita que não é. Quem acerta à primeira é porque se contenta com pouco.


Caro Doutor, gostava de saber, na sua opinião, qual é a melhor idade para colocar de parte o rodízio de carnes e passar a consumir refeições caseiras. Tenho receio que no meio deste festim se possam perder boas carnes para a concorrência, inclusivamente com pedigree, e depois um gajo ou vê-se obrigado a rebaixar-se ou pior, a passar fome. 
Pedro, 25, Porto

Doutor G: Caro Pedro, não há idade certa, mas muitos estudos apontam que a melhor altura é quando se começa a ganhar barriga e perder cabelo a não ser que seja também a altura em que começas a ganhar muito dinheiro, nesse caso o rodízio continuará a ter carnes novas sempre a serem repostas no stock. Qualquer um dos estilos de vida é aceitável mas quando conheceres alguém que te faça sentir satisfeito e sem vontade de buffet, então é essa a altura certa. Foda-se que parecia o Gustavo Santos, vá de retro Satanás!


Boa tarde doutor G. A minha duvida vai para dois colegas que tenho no trabalho, são dois gajos que eu penso que se andam a comer. Pior é que com um já tenho uma amizade fora do trabalho e ele é casado conheço a mulher dele e tudo. Só que la dentro já vi coisas muito estranhas, vão todos os dias ao WC ao mesmo tempo (quer dizer primeiro vai um e depois o outro) eu ate já comentei com os dois se tinham o cu bem em sintonia, entre outras coisas há o fato de meterem se numa sala sozinhos e já vi varias cenas desde toques de mãos e olhar estranhos depois desses toques. Ao inicio nós os três saiamos juntos  mais a mulher do outro e desde a algum tempo o casado deixou de o convidar e ele também não se importa. A minha duvida é devo falar com o meu amigo ou afasto-me já que sou muito gozão e já lhe ando a mandar bocas no gozo e pior posso me descair a frente da mulher dele. que faço doutor G? 
Silva, 24, Évora

Doutor G: Caro Silva, quem é que se descai num assunto desses em frente à mulher? "Ó cajó no outro dia é que foi levar no... no... nas orelhas do chefe". Se já tens uma amizade com um deles não te deves afastar por isso, é dar-lhes abertura, salvo seja, para que confie em ti, pois caso ele ande a mijar (em luta de espadas) fora do penico, é porque deve precisar de alguém para desabafar. Se ele por acaso se revelar um gajo sem sentimentos e ainda te tratar mal, é usares as informações que tens para o chantagear e ficares-lhe com 10% do ordenado todos os meses e ainda lhe comeres a mulher. Quer dizer, esta última provavelmente era um favor que lhe farias.


Caro Dr. G, hoje fui violado por uma mulher. (Sim, leu bem. Fui violado!). Tudo começou quando eu estava para ir ao ginásio quando mando uma mensagem para ter o sexo do dia. Como são de uma relação complicada (vá, ela traiu-me) eu não consigo confiar em nenhuma mulher. Então vou-me envolvendo diariamente com pelo menos uma por dia e assim sei que pratico o amor é não a guerra. Hoje na rifa saiu-me uma "dama" que não parecia ser o que ela demonstrou ser hoje na cama. Depois de ela ter atingido o primeiro orgasmo, eu continuei porque os é um pelos outros. Só que ao que parece quando eu atingi o meu, ela ia ter o segundo (ou terceiro porque depois eu perdi a conta, eram demasiados gemidos de alívio) aí é que as coisas complicaram. Eu pronto para me deitar de lado, ela espetou-me uma prega na perna e eu só consegui ficar numa posição. Eu estava a lutar em silêncio para sair, mas sempre que a pila saia do "buraco de prazer" ela voltava a introduzir. Ela estava a pingar. Aquilo entrava muito facilmente. Depois de ela ter terminado, obrigou-me(sim, o tom que ela falou comigo foi autoritário) a mudar os lençóis para ela dormir. Estou a escrever isso enquanto ela dorme. Nem consigo sair para pode fumar o meu cigarro do depois. Estou com medo e não sei se volto a arranjar mais uma "falida" amanhã. É que ela já disse que antes de se ir embora vai querer mais. Será que isto é uma forma de a vida me dizer que tenho de arranjar uma mulher? Nunca pensei que um homem pode-se ser obrigado a fazer sexo sem ser por vontade própria, mas hoje provaram-me o contrário. Se algum dia vier para Angola, muito cuidado. 
Mário, 29, Angola

Doutor G: Caro Mário, num país como Angola, em que todas as sextas-feiras são dia do homem, é normal que as mulheres se queiram emancipar e nada melhor que tomar controlo do acto sexual e mandar-te limpar no fim. Passa o contacto dessa mulher ao site Maria Capaz, que acho que merecia uma entrevista. Da próxima vez, pensas na Manuela Ferreira Leite para a onça amainar e assim ela já não te consegue violar. Aliás, ela tem peso a mais ou tu peso a menos? Ou ambos? Ou ela sabe jiu-jitsu? Encara esta experiência como isso mesmo, experiência e uma história para contares aos netos. O resto só tu podes saber, a vida não nos dá sinais, a vida está-se a marimbar para nós, mas se tu colocas essa hipótese é possível que esteja na altura de mudar. Por acaso nunca fui a Angola mas moro na Buraca, que é muito parecido mas a gasolina é mais cara e há mais droga.


Afinal acabei por dar respostas longas. Devia ter dividido isto em duas partes, peço desculpa. Acho que já está na altura de abrir um gabinete para dar consultas. Se saírem de lá com uma vida sexual mais feliz e principalmente a saber conjugar o verbo haver, já fico contente. Querem mais para a semana? Então partilhem e enviem as vossas dúvidas para porfalarnoutracoisa@gmail.com.


Até lá, façam muito amor à bruta, que de guerras o mundo já está cheio.






Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: