26 de junho de 2015

Ateei o fogo ao ga-to-to



Então parece que há uma tradição portuguesa, que se julgava perdida, que consiste em queimar gatos vivos? Finalmente vemos que os valores portugueses ainda estão de pé! Que as tradições que nos dão identidade como povo ainda se mantêm! Toda a gente sabe que os gatos têm sete vidas e que queimá-los uma vez só lhes apara o pelo, para não falar que todos sabemos que eles adoram colocar-se em frente à lareira. É uma espécie de depilação brasileira, já que toda a gente gosta de uma pussy(cat) rapadinha. É um favor que fazem ao gato sem pedir nada em troca, uma extreme makover que transforma um gato rafeiro num daqueles sem pelo, de raça cara e fina, para que ele faça um brilharete junto dos amigos. Não percebo a indignação das pessoas, ainda se fosse atirar-lhes água, isso seria uma crueldade, já que eles odeiam água. Agora atear-lhes fogo? Eles pelam-se por isso! Literalmente. Gato chamuscado de fogo frio tem medo já diziam as gentes.

Este caso dá-me esperança na nossa nação, que mesmo havendo leis que criminalizam este tipo de atitudes, há revolucionários e resistentes que sabem que as leis não são todas para cumprir, que se insurgem contra elas em bonitos protestos pacíficos nas ruas. É bom ver que em certos locais do pais as pessoas preferem trocar o Facebook e as redes sociais para saírem todos em família para ver este espectáculo bonito, numa confraternização da moral e dos bons costumes. Fortalecem-se laços e ganha-se um sentimento de comunidade ao partilhar este tipo de momentos.

Com progenitores assim, que levam filhos a ver este tipo de espectáculo, certamente que as novas gerações não estão totalmente perdidas.

Há pessoas revoltadas com esta bela tradição e que só pensam nelas próprias. Só vê quem quer meus amigos! Isto devia ser transmitido na TV pública e passado nos canais internacionais para que a nossa Diáspora pudesse também apreciar o que de bom se continua a fazer neste nosso belo cantinho. Acho até indecente que não haja apoios do estado para este tipo de iniciativas culturais. Vê-se no vídeo que é tudo muito artesanal e que não fosse o esforço do povo, esta tradição já se teria perdido há muito.

O gato não sofre, toda a gente sabe que eles adoram colocar-se em frente à lareira! Preocupem-se antes com o sofrimento dos caracóis que são cozinhados vivos para comer e não com os gatos que servem um propósito cultural e que acima de tudo é tradição! É tradição! É preciso mais algum argumento para vos convencer? Se temos touradas, não percebo a razão de tanto alarido. Ao menos nesta lide não há homens vestidos de lantejoulas e ninguém pagou bilhete. Felizmente ainda há gente com valores e que decide manter este ritual medieval do tempo em que as pessoas ainda cagavam em penicos e limpavam o cu com as mãos! É bonito! Para além do fortíssimo argumento de ser tradição, esta espectáculo sublime tem ainda a vantagem de fazer diminuir o número de imigrantes no nosso país! Esses gatunos que só nos querem roubar o trabalho e que não respeitam as nossas belas origens! Assim, há pelo menos um chinês que fica sem trabalho, já que com o gato queimado é preciso menos pessoal nos restaurantes para os esfolar. Acresce a isto o facto de ele ir já pré-aquecido e não ser preciso metê-lo no microondas, que isso sim era desumano porque um gato precisa de espaço para ser feliz.

De noite todos os gatos são pardos e como se vê no vídeo, todos os que estão a assistir e aplaudir são também eles parvos. Digo parvos, para não ter de lhes chamar filhos da puta.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: