29 de junho de 2015

O dia em que a América saiu do armário




Podia começar por fazer um trocadilho e dizer que de hoje em diante teremos uma Ameri Cagay. Mas como isso era demasiado fácil, não o irei fazer. Pois é, parece que o Supremo Tribunal decretou a legalidade do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Caso não saibam, é por isso que metade dos vossos amigos no Facebook meteu a sua foto de perfil com um bonito arco-íris por cima. Aposto que pensavam que eles tinham todos saído do armário de repente, numa espécie de arrastão colorido ao som da Celine Dion, mas que em vez de ser para roubar a carteira do bolso de trás das calças, era só para passar com a mão por lá. 

Sabe-se agora que no fundo do arco-íris não está um duende com um pote de ouro, mas sim um anão transformista com um pochete cheia de purpurinas.

Obviamente que estou contente com esta medida, mas não consigo deixar de ficar triste com a raça humana, pelo facto de apenas em 2015, o pais mais poderoso do mundo ter tomado esta decisão. Depois do Nobel da Paz, o Obama consegue agora o Nobel da Pás-Pás. Outro trocadilho fácil, é segunda-feira. Ele e a sua comitiva estão mais ou menos assim:

Como seria de esperar, muita da população norte-americana está indignada com esta decisão. Especialmente aqueles rednecks que acham que dois homens casarem é um ultraje à moralidade mas que, curiosamente, praticam o sexo com primas direitas, muitas delas com dentes a menos. Nada mal nisso a meu ver, todo o sexo, desde que consentido, é de valorizar. Aliás, eu acho que a homofobia e outro tipo de preconceitos e discriminações têm, na sua génese, a falta de sexo satisfatório. Isso e crenças religiosas, claro. Há um pastor de uma igreja norte-americana que prometeu imolar-se, caso a decisão fosse a que se veio a verificar. Estamos todos à espera. Não acredito que ele falte à sua palavra, nunca vi um pastor religioso a dizer mentiras!

É impossível distanciarmos este tema da religião. A homofobia está intrinsecamente ligada à religião, eu não conheço nenhum ateu que tenha problemas com o que as outras pessoas fazem no quarto, ou nas casas de banho dos Armazéns do Chiado. Claro que há muitos católicos (a maioria, quero eu acreditar) que também são a favor do casamento gay, óbvio que sim, amigos meus por exemplo, caso contrário não eram meus amigos, porque era sinal que eram pessoas com pouca inteligência. Nem estou a falar do casamento religioso, isso nem conta, e sabendo que Deus não gosta de muito de quem faz sexo anal, até é de evitar igrejas. Num país como os Estados Unidos, em que 30% da população acredita que tudo o que está na Bíblia é literal, que é criacionista de palas nos olhos e afirma que o mundo tem seis mil anos e que Adão e Eva deram início à humanidade, tudo é possível. Aliás, tendo em conta essas pessoas, realmente faz sentido acreditar nisso, já que a consanguinidade explicaria esses atrasos mentais. Gostava apenas de apontar o facto de que esta vitória reforça que a raça humana não vai buscar a sua moralidade e ética à igreja, pois se fosse por ela, ainda hoje haveria escravos e os homossexuais eram mortos, como ainda são na Arábia Saudita pela polícia religiosa.

É bonito ver que os Estados Unidos são aliados da Arábia Saudita e que conseguem colocar as diferenças de parte quando é para levar no cu até encontrar petróleo.

Relativamente às fotos coloridas no Facebook, tenho uma dicotomia de sentimentos. Por um lado é giro ver tanto apoio a uma causa que merece, sendo que trocar a foto do Facebook não serve realmente para nada, espero que estejam cientes disso. Por outro lado, é um bocado de mau tom para com os daltónicos. Primeiro foram as fotos cor-de-rosa pela menina que morreu de cancro, depois foram as do Charlie Hebdo e agora um arco-iris. Para quando uma vaga de solidariedade que consista em mostrar seios? Até era fácil de dizer que era por causa do cancro da mama e tudo! Quem trata dessas coisas que comece já a pensar nisso, se faz favor.

Para todos os homofóbicos, queria deixar aqui a resposta que o Arnold Schwarzenegger deu a um seguidor da sua página, após ele ter alterado a sua foto de perfil. É a prova que é possível ser machão e musculado e concordar com o casamento entre pessoas do mesmo sexo.


Bem jogado, sim senhor. Podia ter aproveitado também para dizer "I'll be in your back".

Os vizinhos de baixo da minha namorada, são notoriamente gays. Não sou de estereotipar, mas já vos falei das maratonas de karaoke pela noite fora, a cantar Britney Spears e Barbara Streisand. Este fim-de-semana festejaram esta medida com um bonito medley do Elton John. Agora a "Your song" não me sai da cabeça, caraças. A versão do Moulin Rouge, que ainda é mais mariconça. Por isso e porque não tenho muito mais a dizer, que não tenha já dito antes, fico por aqui. Sobre o mesmo tema podem sempre ler estes textos, caso ainda não o tenham feito. Adeus e um bem hajam.






Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: