6 de março de 2017

Bruxas, galdérias e aldrabonas



Ora bem, começo este texto por dizer que cada um acredita no que quer e que o direito à ignorância faz parte da democracia. No entanto, dizer que só acredita quem quer é uma forma de ilibarmos todos os aldrabões e de transferir a culpa para as vítimas que se encontram num momento de fragilidade ou porque são ignorantes. Imaginemos o seguinte: dois homens engravatados batem de porta em porta numa aldeia e conseguem convencer senhoras idosas para que lhes dêem as poupanças todas que têm em casa porque o escudo vai voltar e eles estão a recolher os euros todos. Elas, ingenuamente, e porque ainda há quem acredite nos outros só porque estão de fato e gravata, dão-lhes o dinheiro todo e eles em troca dão-lhes umas notas falsas em escudos. Mais tarde, os filhos das senhoras percebem que elas foram enganadas! Chamam a polícia que logo vem tomar conta da ocorrência e depois de recolherem os factos todos, os polícias dizem «Ó, minha senhora, isto só acredita quem quer.».


O tarot não é mais do que um jogo de cartas em que o dealer está sempre a fazer bluff.

É isto que acontece diariamente em alguns canais de televisão. É dado tempo de antena a senhoras que dizem prever o futuro e saber tudo sobre a vida de uma pessoa através de um baralho de cartas. Em troca deste dom, ao serviço de toda a gente que precise, apenas é preciso investir dinheiro em chamadas de valor acrescentado. Não tenho grandes problemas com as últimas declarações da Maria Helena, ou como está no site dela: Dra. Maria Helena. Deve ter tirado do Doutoramento em Hogwarts, depois de ter feito o mestrado na Disney. Acho que no meio das balelas todas que ela diz diariamente, dizer a uma mulher que tem de combater as galdérias e cansar o seu marido para que ele não tenha outras, até não é um mau conselho. Acho esse conselho muito mais inofensivo do que o tarot em si. Já houve polémicas anteriores com estas bruxas: há pouco tempo houve o caso da que aconselhou uma mulher a dar mimos ao marido como forma de resolver a violência doméstica. Há uns dois anos, foi a Maya a fazer uma espécie de biopsia por telefone com o auxílio de um baralho de cartas. Disse, com toda a certeza, que o nódulo na tiroide da filha da senhora que lhe ligava não era cancro. Andam os hospitais a investir milhões em equipamentos médicos que foram inventados graças ao esforço de vários cientistas e investigadores, quando afinal bastava ter lá a Maya. Tinha-me dado muito mais jeito quando fui fazer uma ressonância magnética. Tive de sair de casa, fazer a preparação, estar à espera no hospital, depois estar meia hora enfiado num tubo a ouvir barulhos estranhos e, depois, dias à espera do resultado. Se soubesse que podia ter evitado tudo isto se tivesse o número de telemóvel da Maya.

Não negue à partida uma ciência que desconhece, dizia a saudosa Alcina Lameiras num anúncio às suas linhas de valor acrescentado. Começamos mal, Alcina: o tarot não é uma ciência! Aliás, os estudos que foram feitos ao tarot mostraram que é tão eficaz a prever o futuro como a temperar saladas.


Até os joelhos do meu avô conseguem fazer melhores previsões do que cartas de tarot baralhadas por uma aldrabona.

Há duas hipóteses para definir estas videntes: ou são aldrabonas, ou acreditam mesmo naquilo. A primeira implica um nível de intrujice que pode ser variável. A maioria saberá que aquilo é treta, mas só lhes interessa é o dinheiro. Acredito que haja outras que, mesmo não acreditando, relativizam e pensam que fazem bem às pessoas e que por isso não há mal nenhum e sempre vão fazendo o seu dinheiro. Ainda lhes dou esse benefício da dúvida quanto ao seu nível de vileza. As que acreditam mesmo, acreditam que existe destino e que esse destino pode ser decifrado baralhando e dando cartas porque elas são pessoas especiais e têm um dom. Traduzindo: têm problemas mentais. Conheço pessoas inteligentes que acreditam no tarot, tal como acreditam nos signos. Todos nós temos áreas da nossa vida em que deixamos a inteligência em casa. Faz parte. Todos os anos acredito que o Sporting vai ser campeão. São crenças infundadas que todos temos.

Às vezes pergunto-me se mesmo sendo tudo uma aldrabice não é um mal necessário para fazer as pessoas sentirem-se melhor e aliviar-lhes o sofrimento. Depois lembro-me que estas aldrabonas enriquecem à custa do mal dos outros. Que o façam de borla numa gruta, ainda vá que não vá, é como ir à missa, só vai quem quer. Agora, cobrar dinheiro dizendo às pessoas que têm poderes divinatórios... isso tem um nome e esse nome é burla. É crime. É nojento. Ver televisões a compactuar com isto só para ter audiências e uma percentagem das chamadas de valor acrescentado é ainda pior. De certeza que quem decide dar espaço a estas bruxas não acredita nelas. Por isso, esses ainda são piores do que estas pseudo doutoras que não sabem fazer mais nada da vida a não ser vigarizar pessoas. 

Fui ao site da Dra. Maria Helena e fui ver as previsões dos horóscopos. Qual não é o meu espanto quando vejo que para cada signo há um conjunto de números da sorte para a semana. O curioso é que nos dão seis números e estão todos entre 1 e 50. A coincidência do horóscopo prever um conjunto de números da sorte que dá para ser utilizado no Euromilhões e no Totoloto! Já que estava no site, decidi lançar os dados do amor, o novo oráculo da Dra. Maria Helena. Joguei duas vezes, espaçadas por dez segundos e é incrível como é que me deu dois resultados tão distintos! Agora não sei em que acreditar. Realmente, o amor é imprevisível e tantas vezes estamos bem e logo a seguir tudo se desmorona.

Quando vou ao Casino prefiro as slot machines da saúde, a roleta do trabalho, ou o bingo do dinheiro. Este último nunca falha nas suas previsões: quando faço linha ou bingo ganho sempre dinheiro. É incrível.

Depois, se analisarmos o site da Dra. Maria Helena, vemos que ela, para além do tarot, também é especialista nas seguintes ciências: Reiki, Astrologia, Cura Cármica, Quiromancia e Limpeza Energética. É coerente. Se a Dra. Maria Helena desse consultas de tarot e de clínica geral, e desse formação de astrofísica e matemática aplicada à computação é que seria estranho.


Assim, tudo faz sentido:  é o full house da aldrabice.

É juntar no mesmo bolo todas as pseudo-ciências que sempre que foram postas à prova mostraram ter os mesmos efeitos do que qualquer placebo, e fazer dinheiro com elas, porque os pategos que acreditam numa, acreditam em todas. Enfim, isto sou eu a dizer, que sou peixes e toda a gente sabe que os peixes são muito cínicos. É isso e gostarmos de estar com o nosso círculo de amigos (como toda a gente), e termos um lado mais extrovertido e outro mais introvertido (como toda a gente), e por trás desta minha faceta forte está alguém sensível (como toda a gente), mas somos muito persistentes e lutamos pelos nossos objectivos (como toda a gente gosta de pensar que é), e mais uma catrefada de frases feitas que se aplicam a quase toda a gente, mas que os pategos acreditam que a Dra. Maria Helena adivinhou depois de tirar do baralho o Arcanjo Atrasado Mental.

Alguns de vós devem estar a pensar que sou arrogante e que devia ter a mente mais aberta, mas a verdade é que quem não acredita é que tem a mente aberta porque acredito tanto no tarot como nos signos, no Pai Natal, ou nas Tartarugas Ninjas. Acho que o futuro pode ser previsto nas cartas da mesma forma que se pode prevê-lo nas borras do café, nos intestinos de uma cabra ou num teste de Rorschach feito num papel higiénico usado depois de uma feijoada. A arrogância está em escolher quais dos rituais e crenças medievais estão certas sem que haja quaisquer provas. Ao contrário dessas pessoas, eu trato todas por igual e acho que existe 0,00000000000001% de probabilidade de o tarot ser verdade, da mesma forma que acho que a Linda Reis era invadida pelo espírito da Princesa Diana. Tenho a mente tão aberta que coloco isso tudo em pé de igualdade: é tudo intrujice.

PS: Para efeitos legais, resta-me dizer que o autor do blogue não se revê neste texto e que todo ele foi escrito enquanto  o autor se encontrava possuído pelo Arcanjo Zé Alfredo. 

PS2: Em vez de gastar dinheiro com estas aldrabonas, gastem antes num espectáculo de stand up comedy dia 11 de Março. Não vos vou prever o futuro, mas vou tentar alegrar-vos o presente. Bilhetes à venda neste link.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: