30 de março de 2015

Stalkers, sinais de interesse, assédio e abstenção


Bom dia e não percamos mais tempo que nesta semana foram dúvidas à bruta. Vamos a mais uma rubrica "O Doutor G explica como se faz".

 
Tive uma namorada à 3 meses atrás, e ela acabou comigo porque ainda sentia algo pelo ex dela, desde ai nas primeiras semanas tivemos umas conversas para acalmar as coisas e ficarmos como amigos, mas eu não consegui e acabei por cortar relações com ela, contra a vontade dela, de forma a ver se conseguiria esquecê-la. Mas ao fim de 3 meses, mesmo assim, dou por mim constantemente a pensar nela e a ler as antigas mensagens dela. Penso constantemente em voltar a falar com ela, mas não sei se o deva tentar porque poderia não dar em nada. O que me aconselha?
Rúben, 20, Alvalade

Doutor G: Caro Rúben, a tua ex queria manter-te no banco de suplentes, algo que as mulheres adoram fazer. Seja porque gostam da atenção, ou porque o titular se pode lesionar e elas podem precisar que o suplente vá a jogo. O meu conselho é partires para outra, se ela acabou contigo, ainda por cima por ainda gostar do ex, é esqueceres e aproveitares a pujança dos 20 anos para andar aí a espalhar magia por seara alheia. Apaga as mensagens todas, já agora.


Caro Doutor G, acha que quando nos interessamos muito por uma pessoa mas se começa a ter "festa" cedo demais, as coisas acabam por se cingir só a isso, ou não vai afetar a evolução da relação psicológica? Ou seja: ir com calma pelo bem da relação, ou só a vai melhorar? Obrigadissima.
Laura, 19, Porto

Doutor G: Cara Laura, tudo depende. Se me disseres que é fazer sexo no WC da discoteca, provavelmente nunca irá dar uma relação muito séria em que ambas as partes confiem um no outro. De resto, quanto mais cedo melhor, que se faz logo a triagem relativamente à compatibilidade sexual, que é das coisas mais importantes numa relação. Tentem saber o nome um do outro, pelo menos. No entanto, esperar também pode aumentar o prazer, desde que seja uma espera bem feita e não imposta só para parecer bem.


Olá, Boa noite! O meu nome é João e sou alvo de constante abuso e ameaças por parte de uma sujeita. Desconfio também, que ela me espia noite e dia. Ela inclusive diz que é ninja! Não que eu tenha medo, porque eu sou um super guerreiro, mas há sempre que desconfiar. Preciso da sua ajuda imediata, já não durmo sossegado há noite.
João, 27, Beja

Doutor G: Caro João, se dizes que não tens medo e que és super guerreiro, qual o motivo de não dormires sossegado durante a noite? Não faz sentido. O meu conselho é que vás à polícia ou que lhe dês um enxerto de porrada, mas sem deixar marcas, que senão quem se lixa és tu. Não se bate em mulheres e a violência não resolve nada, mas às vezes tem que ser. Isto se estamos a falar de ameaças graves, obviamente, caso contrário é ignorar e esperar que ela morra atropelada num "acidente" ;)


Doutor G, o meu namorado nunca se consegue vir dentro de mim, só fora e através da masturbação. Isto é normal? Já estamos juntos há vários anos e o sexo é óptimo, existe apenas esse pequeno problema. Obrigada!
Maria Silva, 24, Santo Tirso

Doutor G: Cara Maria, não consegue ou não quer? Os homens são crianças e como tal, gostam de sujar e ver o chiqueiro que fazem. Está-nos no sangue. Parece-me que será esse o caso, no entanto se ele não consegue mesmo vir-se dentro de ti, suspeito que estaremos perante um ou ambos os seguintes casos: Ou ele tem um pénis linguiça, fininho entenda-se, ou tu terás uma vagina olímpica, fazendo com que não haja a fricção necessária entre os membros aquando do coito. Para ele não há nada que se possa fazer, tu podes sempre fazer uns exercícios Kegel e apertar-lhe o trombinhas como gente grande. De nada.


Olá Doutor G, comecei á cerca de 3 semanas a falar com  uma rapariga, meti conversa com ela no facebook (já trocava-mos likes á mais de  1 ano e já tinha-mos trocado olhares em 2 festa muito recentemente) ela respondeu e começamos a falar nos 3 primeiros dias falávamos mais de 3 a 4 horas por dia (no facebook) depois ela deu-me o numero dela e deixamos de falar pelo Face e agora so falamos por SMS e nao trocamos mais de  10 mensagens por dia, porque ela so me responde umas  3 horas depois de eu ter enviado a minha mensagem. E no passado sábado convidou-me para ir ter com ela a um bar e lá fui eu com os meus amigos mas o momento mais intimo que tive com ela foi estar sentado num sofá com ela e a falar-mos ao ouvido um do outro (por causa do barulho). Acha que ela quer alguma coisa comigo ou como é que a conquisto? Eu gosto bastante dela.
Eduardo, 20, Leira

Doutor G: Caro Eduardo, ela claramente antes queria alguma coisa. Ninguém fala tantas horas no Facebook por dia só por amizade. Se ela agora anda mais distante foi porque se fartou que tu não tomasses a iniciativa e/ou já tem outro a fazer-lhe a corte. Como te convidou para ires ter com ela a um bar, talvez nem tudo esteja perdido. Convida-a para jantarem os dois, se ela disser que sim, está garantido, se ela disser que não dizes "Também não queria! Cheiras mal!". Estou a brincar, não digas esta última parte. Já agora, trocar likes durante um ano? Que merda é essa? Esta juventude...


Querido Dr. G, acompanho a sua rubrica com afeição e finalmente decidi partilhar algo que me preocupa: O meu marido é tarado! Não num sentido agradável, de altas ramboiadas pela noite fora, mas sim num sentido estranho e desconfortável. Muitas vezes, quando eu estou a falar com pessoas ao telefone, gosta de me atormentar com o mangalho, nomeadamente dando-me com ele na testa ou fazendo o helicopter dick com o robe entreaberto. Se eu estou na cozinha a fazer o jantar, muitas vezes olho para o lado e lá está o pepino em cima da bancada. Esta última situação aflige-me particularmente porque tenho medo de um dia cortar alguma coisa que não deva! E as coisas cada vez estão piores: ontem à noite, durante a festa, enquanto a cama emitia os seus tipicos rangidos e sons, ele começou a cantar-me baixinho ao ouvido o "Apita o comboio"! Dr. G, ajude-me. O que devo fazer?
Alex, 28, Reboleira

Doutor G: Cara Alex, já disseste ao teu marido que não gostas dessas situações? Antes de casares devias ter averiguado esse tipo de pancadas. Ele sofre do síndrome da Pila Playmobil, com a qual está sempre a brincar. Primeiro que tudo aconselho que lhe digas que não gostas. Se depois disso ele continuar, podes barrar a bancada da cozinha com piri piri e vê-lo a fazer o helicopter dick enquanto tenta apagar o fogo do pepino. Acho que ele vai aprender. 


Dr G, conheci uma rapariga à 5 anos, nunca tivemos muito confiança, as vezes nem um olá na rua trocava-mos, mas sempre tive uma vontade enorme de a "estunar" toda, mas não só, sempre a vi como uma rapariga com a qual gostaria de ficar. Actualmente ela tem namorado, parecem super apaixonados... Mas à 4 dias ela veio meter conversa comigo, desde então que não me larga, resmunga se demoro a responder às SMSs, reclama se não lhe mando mensagem de boa noite, acho isto estranho, o que é que será que ela quer? Dar umas por fora sem ninguém saber, ou arranjar um novo namorado mesmo ainda tendo actual?
RP, 25, Síria

Doutor G: Caro RP, tal como respondi ao primeiro leitor, essa rapariga quer banco de suplentes. Pode também querer festa rija extra conjugal, é questão de testares os limites ao dizer-lhe "Olha, tu não me largas, reclamas quando eu não respondo e quando não te mando mensagem de boa noite, por isso é como se já namorássemos... falta a parte boa, vamos a isso?"


Caro doutor, ando aqui com umas duvidas..... acontece que namorei durante algum tempo com um rapaz, entretanto acabamos mas continuamos próximos (encontra-mo-nos regularmente para fornicar). Mas neste momento ele está prestes a ir estagiar para fora do país e entretanto fiz novas amizades. A questão é: será que devia manter-me fiel á nossa proximidade e deixar a amiga descansar até ele voltar, ou devia investir nestes novos amigos e alargar horizontes, entre outras coisas? Bem haja.
SA, 19, Margem sul

Doutor G: Cara SA, depende da vossa relação. É exclusiva? Não sendo esse o caso, alarga o que bem entenderes e te apetecer. O que é preciso é honestidade e ambos estarem em sintonia. Já agora, acabar um namoro e continuarem a encontrar-se para sexo, mais cedo ou mais tarde vai dar merda. Prometo.


Olá Dr. G., trabalho num escritório há alguns anos e, apesar de achar que não sou nada de especial, tenho a sensação que o meu chefe, ao início, testou um bocado os limites, a ver se eu era aquele "estereótipo da secretária". elogiava-me os olhos, os cabelos e a roupa que eu vestia. Como acabou por, claro, por nunca acontecer nada, nem lhe dei liberdade para isso, tornou-se uma pessoa cada vez mais agressiva, chegando mesmo a tratar-me mal e a insultar-me. Tentei manter esta situação nos limites do mínimo aceitável, mas também não me posso rebelar muito, pois preciso mesmo do emprego. Acha que esta mudança comportamental pode mesmo ser de eu não lhe ter dado "fruta" ou isto já serão coisas da minha cabeça? A diferença de idades é bem substancial, mas consta-me que ele é muito infeliz no casamento. Obrigado Dr. G!
Patrícia, 34, Lisboa

Doutor G: Cara Patrícia, pode dar-se o caso da mudança de atitude se dever ao facto dele ter percebido que és incompetente no teu trabalho, embora o mais provável seja mesmo por não lhe teres dado fruta ou provado da dele. Aconselho-te que o seduzas mas que filmes tudo e mesmo antes do stick para a barbuxa propriamente dito, páras tudo e dizes que se ele não te der um aumento e te passar a tratar bem, que o vídeo vai parar às mãos da mulher e que ainda o acusas de assédio sexual. Podes acresentar um "madafaaaacaaa" no fim, só para efeitos dramáticos.


Dr. G, eu li muito atentamente o seu último post em especial aquele em que alguém dizia que tinha um amigo que já não se envolvia com uma rapariga há muito tempo. E fiquei a pensar, é que eu tenho uma amiga e desde que ela teve um grande desgosto de amor e que leu que houve uma mulher que ficou 20anos sem sexo, ela quer seguir os passos dessa mulher, ora a minha amiga já está 4anos sem contacto físico com homens. Se ela ficar os 20anos sem nada não será prejudicial para ela? O que fazer para eu a convencer a não desperdiçar os melhor anos da sua vida sem homens? Obrigada Dr., espero uma sábia resposta sua.
Estela, 24, Tavira

Doutor G: Cara Estela, deixar de fazer sexo por causa de um desgosto amoroso, é o mesmo que deixar de comer carne por causa de uma indigestão com sushi. É parvo. Diz-lhe que se não fizer sexo durante 20 anos a gruta fecha e não haverá Ali Babá que lhe descubra o tesouro. Agora a sério, ela que vá a um psicólogo, se for um bem parecido melhor, que é para se matar dois coelhos de uma cajadada só.


Caro Doutor G, preciso da sua opinião profissional. Conheci há pouco tempo um rapaz muito interessante, inteligente, com bom sentido de humor e nada mal parecido. Temos muitos gostos em comum, e eu acho que ele está interessado em tomar o próximo passo, mas há um pormenor que está a interferir com a minha potencial atracção por ele: ele tem uma expressão corporal, uns gestos com as mãos e inclinares de cabeça, vá... um (bom) bocado efeminados. É muito bom rapaz, mas para mim não há química nenhuma, sobretudo depois de já ter presenciado situações em que age como um "drama queen". A parte irónica é que o meu ex-namorado era muito macho, mas era tudo menos um gajo decente, por isso passei do 8 para o 80. Estou a sentir-me fútil, mas como mulher que sou, acho que dramas já me bastam os meus e que não me iria sentir bem em ser o homem da relação... O que me diz quanto à minha situação?
Helena, 29, Lisboa

Doutor G: Cara Helena, no início quando referiste um rapaz interessante, inteligente, com bom sentido de humor e nada mal parecido pensei que estivesses a falar de mim. Depois na parte do efeminado vi que não. Acho que aqui não se coloca o caso de ele ter ou não tiques femininos, mas sim do facto de teres dito que não há química nenhuma. Se não há química, não há nada a fazer. No entanto, se quiseres mesmo testar, embebeda-te e deixa-o levar-te ao castigo, pode ser que na cama ele seja um leão e não uma andorinha e tu mudes a forma como o vês.


Caro Dr. G, desde que descobri o seu blog que esta rubrica é a minha favorita. O que se passa é o seguinte: Namoro com o meu namorado há mais de 4 anos, sempre tivemos uma boa relação e, no que toca ao quarto, sempre fomos capazes de satisfazer o outro. No entanto, nos últimos meses, as coisas mudaram. Desde que eu comecei a fazer mestrado e a trabalhar a minha vida mudou. Tenho muito menos tempo livre do que tinha antes e ando quase sempre stressada, cansada e preocupada com as mil coisas que tenho para fazer. O problema é que, pela primeira vez na vida, me vejo confrontada com as exigências do mundo real e tenho tido dificuldade em "encaixar" o meu namorado no meio de tantas tarefas e obrigações. O resultado de tanto stress e cansaço foi uma diminuição acentuada do meu apetite sexual, facto esse de que o meu namorado se apercebeu imediatamente. A questão é que ele se mostra pouco compreensivo em relação á minha situação. Por mais que lhe tente explicar que continuo a amá-lo e a querer estar com ele e que esta diminuição é apenas produto das minhas preocupações, ele não consegue compreender. Ele ainda está na licenciatura e, em grande parte, ainda leva a vida inerente e característica dessa fase. Que me aconselha a fazer Dr. G? Sou eu a má da fita no meio disto tudo?
Maria Ana, 25, Faro

Doutor G: Cara Maria, o Doutor G acha que tem que haver um meio termo. Ele é tanto obrigado a compreender a tua situação, como tu a compreender que ele se sinta negligenciado. Ele tem que compreender, mas tu tens que fazer um esforço para não descurar o sexo na relação. Se andas sem tempo, tens que aproveitar todos os bocadinhos para o surpreender e lhe saltares para cima. Não esperes que seja ele a tomar a iniciativa, veste uma lingerie sexy e dá-lhe uma daquelas épicas para que ele fique satisfeito durante uma semana. Apostem na qualidade em vez da quantidade, é o meu conselho. Podes sempre optar por lhe trincar as partes até fazer ferida. Das próximas vezes, de cada vez que ele começar a ficar excitado vai sentir uma dor aguda, criando um reflexo pavloviano que ajudará a manter os níveis de líbido semelhantes aos teus.


E por hoje é  tudo. Vá, voltem lá para o trabalho que não quero se sejam despedidos por minha causa, se não depois têm que fazer favores sexuais ao patrão/patroa. Se querem mais para semana já sabem, partilhem e enviem as vossas dúvidas para porfalarnoutracoisa@gmail.com.


Até lá, façam muito amor à bruta, que de guerras o mundo já está cheio.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: