10 de março de 2015

13,12 cm de austeridade peniana. O tamanho importa?



Então parece que foi feito um mega estudo que concluiu que o tamanho médio de um pénis de homem adulto, quando erecto (o pénis, o homem pode estar sentado), é de 13,12 centímetros. Isso mesmo, mais pequeno que uma caneta BIC, que ronda os 14 centímetros. Sim, fui medir uma caneta BIC para ter a certeza. Este estudo compilou (reparem que escolhi o verbo compilar e não reunir) também 17 outros estudos e no total foram medidas mais de 15 mil alavancas de Arquimedes de todo o mundo, de indivíduos dos 17 aos 91 anos. 

O ponto mais positivo deste estudo é haver senhores de 91 anos aos quais ainda conseguiram medir o pénis erecto. 

Parabéns a eles. O valor anterior a esta estatística estava fixado nos 15 centímetros. Parece que os cortes da austeridade atingiram mais que os ordenados e a despesa pública. Ninguém me tira da cabeça que este decréscimo do tamanho da erecção está directamente relacionado com a Merkl. Uma erecção pode variar em alguns centímetros, consoante o nível de excitação. Todos nós já sentimos erecções menos pujantes em comparação com aquelas que parece que o nosso trombinhas é uma boneca matrioska, capaz de albergar dentro de si mais um ou dois pénis, também eles bastante robustos. A chamada erecção quebra-nozes. Ora, com tanta crise, desemprego e ordenados miseráveis é normal que as pessoas tenham menos disposição para praticar o coito e que mesmo quando o fazem seja com menos excitação e mais preocupações na cabeça, que se reflectem na outra cabeça, tornando a erecção mais cabisbaixa. Aquela tesão de bêbedo, a chamada meia casa, mas que ainda é suficiente para não se cancelar o espectáculo. Uma coisa é fazerem-nos pagar mais IRS, tirarem-nos os subsídio de férias, outra é tirarem-nos 2 centímetros do que nos faz ter orgulho em ser macho latino. Se nos subirem o imposto da cerveja é desta que nos revoltamos.

Como já sabem, sou uma pessoa que gosta de ver o lado positivo de todas as coisas. Este novo valor fixado como média, vai levantar a auto estima de muitos pénis que outrora pensavam ser menos que medianos. Vai fazer com que um rapaz diga com confiança a uma rapariga à qual anda a fazer a corte "Sabes como é que é, um homem tem confiança quando é acima da média e os meus 13,7 centímetros falam por si. Até tenho medo de te aleijar...". A rapariga em questão vai continuar a achar que não é grande coisa, mas a atitude confiançuda do rapaz vai fazer a diferença na hora dela decidir se vai ou não andar à bulha toda nua com ele. Outro ponto positivo, é que ter no pensamento a senhora Merkl, pode ser bom para quem padece de ejaculação precoce. No entanto é preciso saber dosear, já que pode dar-se o caso de todo o sangue debandar da zona genital e se ir acondicionar na zona do estômago para impedir a regurgitação do jantar. 

Queria deixar também uma palavra de apreço a todos os cientistas e investigadores, cuja tarefa diária é medir pilas. Interrogo-me sobre qual será o método utilizado. Haverá um sistema avançado de lasers que mede o comprimento sem ser preciso andar lá com uma fita métrica? Ou terá o pobre cientista de manusear um pénis erecto e medi-lo com o mais profissional dos ares estampado no rosto? Ainda se fossem minhocas murchas, era como ser urologista, que embora não deva ser agradável será menos mau. Agora ali assim entumecidos e túrgidos? Com os ratos de laboratório ainda excitados dos filmes que estiveram a ver, enquanto davam um ou outro tabefe ocasional para despertar o bicho? Deve ser um trabalho duro, passe a expressão. As conversas ao chegar a casa devem ser tudo menos interessantes:

- Como foi o teu dia no laboratório, amor? Alguma novidade?
- Foi normal. Medi 1000 pilas. Dói-me as costas e estou cheio de fome.
- Então vamos jantar, fiz o teu prato favorito: Salsichas toscanas.

Não queria entrar na velha discussão de se o tamanho importa ou não, já que não tenho formação na área nem sou a pessoa indicada para responder a isso, mas é óbvio que interessa. Não é a única coisa que interessa, haverá outras mais importantes até, mas que ajuda, disso não tenho dúvidas. Este mito de que não é importante foi criado porque já existem homens inseguros a mais no mundo. Se vamos complexar mais uns quantos, vamos ter ainda mais guerras e mais pessoal a conduzir feito anormal para compensar o tamanho da vela de ignição. Mas atenção, conta tanto para cima como para baixo. Nunca se vai ouvir uma mulher dizer isto acerca do micromachine do namorado "Oh amor, adoro o teu pénis de 5cm, faz-me relembrar a minha infância e os desenhos animados do meu pequeno pónei. É tão fofinho, cutxi cutxi". O contrário também se aplica, se o gajo tiver um membro que parece o braço de uma criança pré-escolar obesa a segurar um morango, também ela não vai conseguir fazer nada com aquilo, a não ser que seja uma predestinada por Deus. Mas dentro dos tamanhos normais, elas preferem médio grande do que médio pequeno e essa é a verdade. Quem diz tamanho diz grossura, que essa também conta bem, especialmente a da carteira. Aliás, sabemos que a grossura importa, a partir do momento que ouvimos mulheres a dizer "Era tão fininho que só dava para palitar os dentes!"

Parece-me injusto e de mau tom, até porque se estivermos a falar do Nuno Guerreiro, com aquele espaço entre os dentes, não é assim tão fino.

Já agora, sempre me fez confusão a paranóia dos homens em relação ao tamanho do seu fora-da-lei, Jeremias, especialmente nos balneários, como já aqui escrevi. O tamanho do pénis adormecido não é directamente proporcional ao seu tamanho quando pronto para a festa brava. No estrangeiro, esse local de onde tudo o que vem é bom, até têm termos diferenciadores para estes dois tipos: shower e grower. Como o nome indica, o shower é aquele que tem para mostrar. Que alberga entre as pernas um penduricalho bastante avantajado quando murcho, mas que depois apenas cresce alguns centímetros na hora do desembarque na Normandia. O grower é o oposto, aquele que parece um mini rebaixado, mas que por baixo do capô tem um motor que o leva a grandes velocidades de ponta, esticando o ponteiro das rotações bastantes centímetros, por vezes mais do dobro. Por isso já sabem, se alguma vez se um gajo se rir da pequenez do vosso Ali Bábá, digam-lhe na cara "Isso é porque eu sou grower!". Provavelmente ele vai dizer "Então sai-me da frente que eu não gosto de paneleiros." Gente rude e sem cultura é o que não falta por aí.

Devem estar a pensar que eu percebo imenso de pilas e que para falar deste assunto com tanta abertura é porque estou confortável com o tamanho do meu badalo ciclópico. É verdade, eu sou Buraca por isso é óbvio que há uma parte de mim que é Africana... Não me estou a gabar, é porque é magrinha e tem fome... e moscas.
Obrigado e bom dia.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: