24 de março de 2014

Balneários, um local estranho



Sou eu que sou estranho em achar que não há necessidade de andar todo pelado num balneário a manter conversas com as pindurezas ao léu?
Há uma grande quantidade de pessoas que acha que o balneário é uma dimensão paralela onde as regras da boa educação e do respeito não se aplicam. Desde quando é normal homens passearem-se nus a conversar frente a frente quase como se tivessem a apresentar a genitália como os pais apresentam os filhos a ver se ficam amigos: "Vês trombinhas, este é aquele amigo que te falei, diz olá ao Alexandre, o grande." Ainda quando é um clube de futebol ou natação ou o que seja, que o pessoal se conhece melhor e é mais íntimo, ainda consigo compreender melhor, agora num ginásio? As pilas já se tratam por tu e os donos nunca foram apresentados. Tomem juízo e tapem essa merda. Ponham uma toalha à volta ou vistam os boxers que ninguém está ali porque não conseguiu tirar Urologia.

Não tenho problemas de trocar de roupa e deixar o bicho à solta durante o tempo que é preciso para por uma toalha à volta, ou depois do banho, para secar as vergonhas antes de vestir os boxers. Mas porque raio é que há pessoal que acha que ir lavar os dentes, fazer a barba ou secar o cabelo sem nada vestido é normal? É que a meu ver não é. Agora por causa desta gente sou obrigado a ter que ter cuidado para onde olho, correndo o risco de ao olhar um pouco para baixo ver pilas. Devia haver um limite do número de pilas que um homem é obrigado a ver na vida. E esse limite devia ser uma.

E depois há os que levam a coisa ainda mais longe e fazem questão de falar contigo nos olhos e a coçar (espero que não seja acariciar) o zé tolas ou os gémeos. Que merda é esta? Já quando estão vestidos, aquele pessoal que fala e coça os tomates ao mesmo tempo é duvidoso, agora nu não deixam dúvidas que não tiveram educação em casa. Depois com as mãos vão cumprimentar outros que incautos não viram que os membros superiores andaram de mãos dadas com o membro inferior há 5 minutos atrás.

Para mim este tipo de pessoas divide-se em 3 categorias: Primeiro é o exibicionista que gosta de levar o são bernardo a passear para que os outros olhem. É aquele tipo de gajo que nunca toma duche de água fria e ainda faz umas festinhas no cão durante o banho só para ficar com mais irrigação sanguínea naquela zona e ganhar uns centímetros. Segundo é o gajo que ainda não descobriu que gosta de ter homens a olhar para ele e que, gosta de olhar para outros homens nus. Ele diz que é apenas porque gosta de apreciar as simetrias do corpo humano mas no fundo é porque mais cedo ou mais tarde vai jogar ao esconde a morcela numa noite de bebedeira porque só se vive uma vez. O terceiro tipo é o que acha que é de homem não ter problemas em mostrar a pila a outros homens, porque se não mostrar todos vão pensar que é pequena. Então para combater essa insegurança age de forma oposta, andando a brandir o mastro por tudo o que é canto do balneário até que não reste uma única pessoa que não lhe tenha visto o saco de pasteleiro, para que não restem dúvidas que é de tamanho médio. Haverá outros que se encaixam noutro perfil, mas a meu ver estas são as categorias predominantes do naturista de balneárioUm dia no ginásio vi um gajo a secar a tomatada com o secador... História verídica. Vou eu a passar e está o gajo com uma perna em cima do balcão para expor a salada de forma mais prática à secagem, que pelo aspecto devia estar a secar com ar frio. Não havia necessidade, já dizia o Diácono Remédios, é uma imagem que vou ter que levar comigo para a cova. Qualquer dia há-de haver alguns que vão depilar o rego com uma pinça em frente ao espelho, e até a pedir a outros para darem uma ajuda a afastar as nalgas.

Outra coisa sobre balneários. Já sabem que não sou homofóbico pelo que escrevi anteriormente aqui e aqui, e até sou bastante crítico a quem o é, mas há uma coisa que me faz espécie. Se existem balneários separados para homens e as mulheres, partilhá-los com homossexuais não vai contra a propósito da não mistura? A razão para não existirem balneários mistos não está relacionada com a atracção sexual? Então como ficámos no caso dos homossexuais? Há que rever isso, porque acho injusto um homossexual poder observar alavancas de Arquimedes à vontade e eu não ter possibilidade de ver mamas e pipis sempre que vou ao ginásio. Sou um gajo pela igualdade, portanto quem manda nestas coisas que pense em como resolver a situação. Não estou a dizer que me importo, estou só a constatar um facto, que modéstia à parte é bastante bem visto.

Mulheres e vocês como é? Calculo que muito disto não se aplique, mas pelo sim pelo não vou ver se me infiltro num balneário feminino para fazer investigação de campo.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: