11 de abril de 2014

Muitos deveres... Poucos direitos



Ontem lancei o desafio no Facebook que o primeiro tema sugerido seria o tema do texto de hoje. Arranjei lenha para me queimar obviamente, mas vamos lá ver o que sai. A leitora Anabela Miranda sugeriu o tema "Muitos deveres... Poucos direitos". Ainda não faço ideia do que vou escrever mas vamos a isso que alguma coisa se há-de arranjar. Boa ou má.

Não se come de boca aberta. Não se canta à mesa. Não se brinca com coisas sérias. Vai fazer os trabalhos de casa. Já são horas de ir para a cama. Desde pequenos que temos deveres, muitas regras para seguir, muitos padrões de comportamento para cumprir. Mas temos muitos direitos que compensam tudo isso. Temos a liberdade para sonhar e o direito a brincar e a falhar. Começamos a crescer e os direitos vão-nos sendo roubados. E os deveres começam a encorcuvar-nos. Estuda, trabalha, casa, reproduz. Morre. Ouve o que o teu chefe te diz. Tens o dever de ser responsável e de seguires o rebanho. Tens o dever de votar e eleger o teu primeiro. Até nos querem transformar os direitos em deveres. O direito a votar passou a ser um dever. E o direito à indignação passou a ser olhado como revolta sem causa.

O pior direito que é negado a muitas pessoas é o direito a uma boa educação. Isso sim, devia ser um direito adquirido, mais do que a saúde que temos a sorte de a ter, embora muita gente se queixe, é das coisas que funciona bem em Portugal, se compararmos com outros países. Agora a educação... É nosso dever exigir esse direito. Porque se não vai tudo continuar como está, vão ser sempre os mesmos no poleiro. Sim porque no fundo no fundo, estamos a perder direitos porque lhos damos a eles, vezes sem conta. PS e PSD podem errar mil vezes que a amnésia selectiva dos portugueses lhes perdoa os erros. Parecemos umas esposas que sofrem violência doméstica e acreditam sempre nos pedidos de desculpa e nas promessas. Achamos que vai mudar e ser aquilo que sempre sonhámos. Mas não vai. Vai ser sempre a mesma merda. Enquanto não exercermos o dever a mandá-los todos para o caralho não nos podemos queixar muito de nos andarem a roubar os direitos. É uma pescadinha de rabo na boca. "Os políticos são produto da nossa sociedade. Das nossas escolas, das nossas famílias, das nossas igrejas. Entra lixo, sai lixo. Isto é o melhor que o nosso sistema consegue produzir.", já dizia o George Carlin em relação aos Estados Unidos e o mesmo se aplica para Portugal.

Podem tentar tirar-nos tudo desde que não nos roubarem o direito de sonhar. Aliás o dever de sonhar e lutar por um mundo melhor. Devemos isso a nós próprios e aos que cá ficam quando nós já cá não estivermos. Ainda assim temos mais direitos e liberdades que 90% da população do mundo. Eu prefiro desemprego do que ter um ditador que manda executar pessoal só porque sim. Prefiro políticos corruptos do que bombas a cair no meu quintal. Prefiro défice e contas para pagar do que ter filhos a morrer porque não lhes consegui arranjar água para beber. Não sou apologista que nos devamos comparar com o pior para nos sentirmos melhores. Acho que temos que nos medir pela bitola mais alta e querer ser como eles. Mas às vezes é preciso pôr as coisas em perspectiva. É sexta feira. Está sol. Vamos dar-nos ao direito de desfrutar sem pensar na crise.

E pronto é isto. Obrigado pela sugestão. Não saiu nada de jeito que o tempo e a inspiração hoje não abundam. Quem não gosta que faça melhor que não estou para vos aturar. Brincadeira. Vocês são uns fofos.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: