24 de abril de 2014

Porto, a (2ª) cidade mais bonita de Portugal



Deixo aqui a minha crítica honesta à cidade que viu nascer Jorge Nuno Pinto da Costa, um dos meus maiores ídolos (em termos de corrupção). 

O Porto é uma cidade do cara...go! Tinha ido lá há pouco tempo mas sem disponibilidade para visitar. Das outras vezes era petiz e não me lembrava de grande coisa. Já sabia que ia gostar, mas ainda assim fiquei surpreendido. Tem um carisma único e está a passar por uma fase de reabilitação que lhe dará ainda mais vida e personalidade. Deixo algumas dicas sobre o que fazer quando visitarem o Porto. Um género de roteiro turístico, como se fazem em conceituados blogues de viagens, mas em bom e sem ninguém me ter pago nada para dizer bem. O texto parece grande mas a culpa é das fotos que, (com excepção das duas primeiras) são da minha autoria o que só engrandece a qualidade deste texto. Ou não.


Comer uma francesinha. A francesinha é uma espécie de AVC dentro de um pão regado com um molho secreto. É bom? É! É espetacular? Mais ou menos. Quando o molho é bom a francesinha é boa, caso contrário o prato torna-se uma treta porque não há centímetro cúbico que não esteja empapado na molhanga. Mas sem dúvida que vale a pena experimentar e repetir.



Ir à torre dos Clérigos. Data de meados do Séc. XVIII e é o monumento mais emblemático do Porto. Uma afirmação fálica da Igreja Católica que se ergue pujante e hirto no centro da cidade. É bem fofa, tem 240 degraus para subir, mas quando se lá chega a cima a vista é de tirar o fôlego. O que é chato porque já vamos esbaforidos de tanta escada e acaba por ser difícil respirar.



Teleférico de Gaia. É giro sim senhor, tem uma boa vista, perdoem-me os Gaienses, embora não tenha visto muito de Gaia, pareceu-me que o ponto mais forte da cidade é a vista que tem para o Porto. Um género de Almada do Norte.

Andar de barco no Douro. Já visitámos por cima, agora vamos por baixo, que é como qualquer relação sexual bem efectuada deve ser. Por apenas 10€ podem dar uma voltinha de barco. O capitão anunciou nos altifalantes "Preparem-se para uma experiência inesquecível". Acho que exagerou. Não soube gerir as minhas expectativas, ainda nem 3 dias passaram e não fossem as fotos já nem me lembrava que lá tinha estado. Mas vale a pena sim senhor.


Prova de vinhos. Ir às caves do vinho do Porto emborcar vinhaça é essencial. Eu fui, não porque sou fino, mas porque me deram uns vouchers em que podia experimentar 4 vinhos à borla. Como bom português, tudo o que é de borla é para ir. Fui duas vezes e provei os mesmos vinhos. Levei bigode da segunda vez para não desconfiarem. Aconselho o Porto Rosé. Sim é um bocado maricas mas é bem bom (aposto que esta frase já foi dita noutros contextos).



Ver Igrejas. Sou sadomasoquista e gosto de ir a Igrejas para sentir aquelas borboletas no estômago de estar a apreciar obras de arte construídas com o dinheiro dos pobres e o suor dos escravos. São bonitas sim senhor, mas se um gajo vai a pensar bem nas coisas mete um bocado de nojo.



Café Majestic. Café icónico da cidade, na rua de Santa Catarina, que existe desde 1921 e que é também conhecido por assaltar a carteira dos clientes cobrando 2.5€ por um café. Mas vem com um chocolatinho o que não é mau. É ir, só para dizer que lá se foi, pelo interior vale a pena.



Ir às muralhas ver a vista. Mais um local agradável para apreciar a bela paisagem. Aqui vi uma senhora maravilhada com um laranjal que lá havia. O rio, a ponte, as casas pitorescas recortadas por escadas irregulares, as muralhas com a Catedral em pano de fundo era tudo secundário para esta senhora, fetichista de laranjais. O escorbuto não a apanha de certeza.



Avenida dos Aliados. A maior artéria da cidade, cheia de edifícios de meter inveja a muitas criações arquitectónicas das maiores cidades europeias. É também o local onde os adeptos do Futebol Clube do Porto festejam as vitórias do seu clube. Não vou fazer piadas sobre isso porque sou do Sporting e não tenho muito para festejar. De realçar as estátuas de meninos desnudos, com os pinduricalhos à mostra a roçarem-se em cachos de uva com ar de safados. Não sei o significado mas coisa boa não deve ser.




Ir à Ribeira. A Ribeira do Porto está cheia de vida, cheia de cafés e restaurantes com bom aspecto. E a julgar pelo preço devem ser bons... Mas vale muito a pena, nem que seja para ir passear, apanhar ar e ver a vista, seja de dia ou de noite.


A Ribeira tem também uma zona que só é gira porque tem o enquadramento do rio e das muralhas.. Caso contrário poder-se-ia confundir com o antigo Casal Ventoso de Lisboa.

E pronto, a meu ver estas são as atracções principais do Porto. Claro que há muitas outras mas que por falta de espaço aqui não figuram. Em vez disso ficam aqui algumas curiosidades sobre a cidade:

Gaivotas por todo o lado. Ainda por cima deviam estar em época de acasalamento. Não paravam de grasnar a noite toda numa chinfrineira que fazia a voz da Bernardina parecer melódica. Na minha casa ouvem-se  tiros e kizomba durante a noite, não sei quais prefiro.

No Porto há menos gordos. Não sei porquê mas é um facto. Vê-se muita gente de bicicleta e a fazer jogging o que resulta em mais elegância. Também se vê o ocasional mamute de leggins a estragar a paisagem, mas é mais raro, principalmente à noite, onde as meninas saem todas vestidas como se fossem a um casamento. Muitas vezes parece que é para o casamento do Toy, mas ainda assim dou nota positiva pelo esforço.

Por falar em noite, fui à discoteca Eskada. Eu era a única pessoa de tshirt lá dentro, ainda por cima uma que dizia Lisboa, embora que em letras pequenas. Sou um gajo corajoso. Ou inconsciente. Tudo o resto estava de camisa, fatinho e vestidos curtos a revelar mais do que Deus Nosso Senhor acharia de bom gosto. Tinha uma pista de kizomba, o que mais uma vez me fez sentir em casa. Ir a esta discoteca foi a experiência mais próxima que terei de participar na Casa dos Segredos. Tinha uma DJ daquelas que entrou nos Morangos com Açúcar e se despiu para uma revista masculina. Tinha também várias raparigas com ar de quem faz horário da noite, acompanhadas de senhores de 60 anos para cima, nas zonas VIP. Se a SIDA se apanhasse por via aérea ninguém ia lá sem máscara de oxigénio. Mas com o álcool um gajo esquece essas coisas e diverte-se. Vocês é que estão sempre a dizer mal.

É por isto tudo e muito mais que nos prestigiantes "PorFalarNoutraCoisa Tourism Awards", o Porto fica com o galardão de 2º lugar na categoria de cidade mais bonita de Portugal. A primeira é Lisboa e disso não há dúvidas. Há quem diga que as pessoas no Porto são mais genuínas. Concordo, embora ser genuíno nem sempre seja bom, porque se fores genuinamente um imbecil mas vale fingires que és outra coisa. Mas não é o caso, o pessoal do Porto é realmente mais caloroso e simpático. Quase todas as pessoas a atender ao público foram de uma grande simpatia e amabilidade, coisa que em Lisboa é complicado acontecer. Por tudo o resto, mas principalmente por isto vale a pena ir ao Porto. Os sítios são feitos de pessoas e essas são a mais valia da cidade.

P.S. - Repararam como depois de achincalhar muita coisa consegui dar a volta com uma lamechice? Sou muito profissional na arte de mal dizer.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: