27 de março de 2014

Suicídio é disparate



Olá carinhas larocas. Alguém a ponderar o suicídio hoje? Não façam isso que assim fico com menos um leitor, e 1 leitor para mim é muito, por isso vá deixem-se estar vivos nem que seja por mim, não sejam egoístas!

Sou um gajo ocupado pelo que não tenho tempo para me suicidar. É coisa que deve ser bem pensada e não ando com disponibilidade para isso. A maioria das pessoas que se suicida é parva e não sabre apreciar a sorte que tem, a prova disso é que a razão mais comum para uma pessoa se fazer quinar é passional. Desgosto amoroso, término de relação, etc. Uma pessoa matar-se por causa de outra, que para não gostar de nós é porque não nos merece, é uma parvoíce de todo o tamanho.

Os estudos dizem que a maior taxa de suicídio se encontra nos dentistas e médicos, especialmente homens e brancos. Era de pensar que ser homem, branco e médico é o pináculo da hierarquia a que se pode chegar na nossa sociedade. Mas parece que não. "Ai porque são profissões com muito stress". Tretas. Ser dentista é do mais calmo e pasmacento que há. Ganham balúrdios e se estão stressados despeçam-se e vão fazer outra coisa. Agricultura por exemplo. Sim porque agricultor é a profissão com menos taxa de suicídio. Estão sempre a aprender comigo! Por isso agarrem no dinheiro todo desmesurado que andaram a ganhar durante a carreira e comprem uma quinta. Problema resolvido. Estes dados dão que pensar e reflectir se o caminho que estamos a tomar é realmente o da felicidade. Porque pelos vistos mais vale remediado e descontraído no campo do que rico e stressado numa grande metrópole. É o que está inerente a este estudo e devíamos pensar mais sobre isso. Já pensaram? Pronto, adiante.

Alguém que tenta o suicídio e não consegue só demonstra que realmente deveria falecer. Falhar numa coisa tão básica como morrer é o maior sinal de incompetência que pode existir. Quem fracassa a fazer uma coisa dessas claramente que nunca vai conseguir ultrapassar os obstáculos da vida. E falo daqueles que tentam mesmo, não daqueles que só o fazem para chamar a atenção, como um caso de uma rapariga que conheci, que disse que tinha tomado comprimidos e depois foi-se a ver e tinha sido meia caixa de Kompensans feita atrasada mental. Claro que não faleceu, e ainda se pode gabar de não ter tido azia durante 1 ano.

Em termos de suicídios temos toda uma categoria à parte que são os bombistas kamikazes. Não quero estereotipar mas 99,9% deles são religiosos e acham que rebentar-se e levar com eles uma centena de inocentes é o mais nobre que uma pessoa pode fazer nesta vida. A essa nobreza junta-se não a crença, mas a certeza de uma vida eterna, no céu, com 72 virgens. Ainda bem que têm a eternidade, porque já se sabe que convencer uma gaja virgem a ir para a cama leva o seu tempo e é preciso paciência.

A única razão que acho válida para alguém ir desta para melhor por vontade própria é em caso de doença terminal em que não se quer ver a definhar, sabendo já que o resultado vai ser a morte. Aí consigo compreender e acho de uma grande coragem escolher quando e como se vai para debaixo da terra, ou para o pote das cinzas em cima da lareira. Perder um filho também deve dar vontade disso, mas é preciso não ser egoísta e pensar que há outras pessoas que precisam de nós. Ah e ter que ir trabalhar a uma segunda feira de manhã, com ressaca, também é outra das situações em que ponderar o suicídio é compreensível.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: