28 de março de 2014

Vantagens de ser mulher - #2 Noite



Olá pessoas! Está a chegar o fim de semana, por isso animem-se! Hoje continuo a rubrica "Vantagens de ser mulher", para quem não leu a anterior pode ir aqui e não se fala mais nisso. Como hoje é sexta-feira parece-me adequado falar de outra vantagem de ser mulher, que não é apenas uma vantagem, mas uma forma de descriminação dos homens. As saídas à noite.

Há uns tempos estava a ponderar locais para ir sair à noite e uma amiga minha disse-me "Vamos ao Jamaica que não se paga". Ao que eu respondi, "Paga-se sim, 7.5€ com direito a 3 imperiais". E ela ripostou "Olha que não, nunca paguei lá...". E eu finalizei "Pois... porque possuis um pipi". Naquele momento fez-se luz na cabeça dela, não tinha percebido até aí que o mundo das mulheres não era igual ao dos homens, que afinal elas também tinham vantagens.

Nessa mesma discoteca já vi mulheres à porta, às quais foi pedido consumo mínimo porque estavam com mais gajos, a sair ofendidas resmungando "Nunca paguei aqui, era o que faltava!". Outra ocasião, no mesmo local, estava eu e um amigo à entrada, depois de 15 minutos da fila, e o porteiro diz-nos "Só senhores não pode ser. Têm que estar acompanhados de senhoras, sim?". E o meu amigo, já bastante alegre, bêbedo vá, sai-se com "Mas eu tenho uma coninha!". O porteiro surpreendentemente parte-se a rir, digo surpreendentemente porque sentido de humor é sinal de inteligência. Demos todos uma boa risada em conjunto mas não nos deixou entrar na mesma, porque ter sentido de humor não é tão bom como ter mamas grandes. Depois eu perguntei "Então e se arranjarmos umas gajas para entrar pode ser?", e ele diz "Pode...", e eu "E se forem feias, corcundas e coxas também serve?". Ele regozijou-se novamente com a nossa brejeirice e disse para tentarmos que não fossem muito coxas. Óbvio que não fomos fazer isso, fomos antes comer um hambúrguer e em seguida para casa.

Eu se vou sair só com amigos homens não conseguimos entrar em lado nenhum. Mesmo que sejamos só 3 ou 4. E nenhum de nós tem ar de Quasimodo, até somos gajos decentes, pelo menos é o que as nossas mães dizem. Mas apenas e só porque possuímos trombinhas, não conseguimos entrar na grande maioria das discotecas. Estou a falar das de Lisboa, não sei se no restante país esta descriminação se mantém. O único sítio onde um grande grupo de homens pode entrar à noite, sem ser barrado e ainda é recebido com um sorriso rasgado são as casas de strip. E nesses sítios as meninas são muito mais simpáticas pelo que me disseram. São os locais onde se encontra uma maior concentração de filhas que têm pais orgulhosos. Isso e doenças venéreas também.

As mulheres, principalmente as bonitas, vivem num mundo à parte, em que toda a gente é simpática para elas, não pagam para entrar em lado nenhum e ainda lhes vêm parar bebidas de borla para as mãos. Para não falar que nunca têm que tomar a iniciativa para o engate porque têm sempre de roda delas meia dúzia de gajos e acabam por escolher um desses. Zero pressão (mas esse tema vai ficar para o próximo texto sobre as vantagens das mulheres: "O sexo"). A mulher se quiser ainda consegue boleia para casa à borla, poupando assim dinheiro no táxi ou gasolina. Claro que arrisca a violação, mas o que é a vida sem um pouco de adrenalina.

Se eu fosse mulher e defendesse a igualdade com unhas e dentes nunca aceitaria entrar num local sem pagar só porque sou mulher. É uma hipocrisia. Queixam-se que a mulher em média ganha menos do que um homem que desempenha as mesmas funções. Infelizmente é verdade, mas acho que com o dinheiro que poupam nas saídas à noite, jantares, etc, acaba por compensar bastante. Se houvesse algum sítio, fosse onde e o que fosse, em que os homens entravam sem pagar e as mulheres tinham que desembolsar, era o escândalo e aparecia em tudo o que é notícia. Vinham aquelas feministas de bigode discursar para a TV, como aquelas que queriam proibir os piropos. só porque nunca tinham recebido nenhum. Mas assim é normal e ninguém fala nisso. Mas estou cá eu para tocar nos assuntos fracturantes da nossa sociedade, é a vossa sorte.

"Ó coisinho, como é que tu percebes tão bem a realidade feminina?", perguntam vocês estupefactos com a minha perspicácia. Porque embora me chame Alfredo, fui em tempos Firmina Rafaela. Mentira, fui é obrigado a ver o Sexo e a Cidade até saber as falas de cor. Sim porque uma mulher vê 2 horas de novela por dia e ninguém refila, mas um homem vê 1 hora e meia de futebol por semana e "Nunca me liga, está sempre agarrado ao futebol"Vá, bom fim de semana.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: