10 de março de 2014

Custa-lhe escrever à mão...



Olá outra vez amiguinhos. Conhecidos vá. Apareceu-me no facebook esta notícia que dá conta da tragédia do Carlos Cruz, em não lhe é possibilitado o uso de uma máquina de escrever dentro da prisão. Vamos fazer todos um "Ohhhh" em conjunto? Ohhhh... Já aqui escrevi um pouco sobre pedofilia e sobre o Carlos Cruz. Volto a reiterar que todos os pedófilos condenados, sem margem para dúvida, deveriam falecer de forma lenta e dolorosa com auxílio a instrumentos de tortura medievais.

Posto isto o que tenho a dizer sobre esta notícia? Primeiro o facto de no texto da notícia se ler "cumpre pena de seis anos de prisão por alegado abuso de menores". Caro jornalista, "alegado" a merda, porque eu saiba o senhor foi condenado e quando se condena alguém deixam de ser alegações e sim certezas. Pelo menos aos olhos da lei e é por esses olhos que nos regemos. Ou será que o Hitler também matou milhões de judeus alegadamente? Enfim, paninhos quentes para quem não merece. Para mim era fechá-los numa cela, colados ao chão de gatas, a ser alimentados por um tubo, e com cavalos lusitanos ainda na puberdade a sodomizarem-nos a cada intervalo de 15 minutos.

Diz a fonte da noticia que "os serviços prisionais têm o prazer (assente em maldade pura) de tornar cada vez mais penoso o dia a dia dos reclusos"Sim, concordo que obrigar o recluso a escreve à mão em vez de máquina de escrever seja de um requinte de malvadez equivalente ao fazer uma criancinha segurar e abanar o palhaço até ele esguichar. Acho que escrever à mão até é melhor, mais fácil de corrigir os erros e alterar alguma memória que esteja mais turva, ou para o caso dele, a meio do livro, ter uma crise de consciência e resolver confessar os crimes que "alegadamente" cometeu. Eu para mim o gajo tinha que escrever com giz num quadro de ardósia, porque dar uma caneta para mão de um recluso pode ser perigoso, que eu bem vejo os documentários do National Geographic. Mas antes de começar a escrever, todos os dias tinha que repetir a frase "Não voltarei a tocar em crianças com nenhuma extremidade do meu corpo, especialmente a pila" até encher o quadro, como se fazia aos miúdos mal comportados da primária. Se calhar custa-lhe escrever à mão de tanto se masturbar a pensar na quantidade de crianças que podia ter conhecido se tivesse sido um dos Teletubbies.

Bem sei que há que haver respeito pelos reclusos, que não deixam de ser seres humanos e já estão a cumprir a sua dívida para com a sociedade, estando privados da sua liberdade. Mas a prisão é para ser desconfortável ou é para se viver lá melhor do que em muitas casas portuguesas? É televisãozinha, computadorzinho, livrinhos (está tudo em diminutivos porque estamos no âmbito da pedofilia). Qualquer dia também podem ter visitas conjugais com menores, já que se tem que garantir as necessidades básicas dos reclusos. É parvo gastar-se tinta, ou bytes, com esta gente, essa é que é essa.

Bem, aguardemos o livro, porque de certeza que nesta sociedade alguém o vai editar e será um bestseller. Caso não dê dinheiro e ninguém lhe dê oportunidade de voltar ao mundo da televisão, deixo aqui algumas dicas para carreira profissional, tanto do Carlos Cruz, como de qualquer outro "alegado" pedófilo condenado.
  • CC Lda. - Animação de festas de ânus e baptizados
  • Director de Marketing da Chicco Portugal
  • RP da Johnson & Johnson, Baby Care
  • Babysitter Freelancer
  • Actvisitas contra a pesca de jaquinzinhos
Peço desculpa pela linguagem ofensiva, mas quando se trata de alegados crimes de abuso sexual de menores fico com o discurso inflamado, tal como o rabo desses menores.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: