10 de março de 2014

Há médicos bestiais, e há outros que são umas bestas



O fim de semana foi bom? Muito álcool e one night stands? Isso é que é preciso. Vamos lá começar uma nova semana como deve ser. Sabem que eu não gosto de generalizar, (mentira) mas ver notícias recorrentes de médicos que, ou fogem às finanças, ou estão envolvidos em esquemas marados, ou como neste caso estão a tentar aldrabar o sistema estando a "trabalhar" em vários hospitais à mesma hora, faz-me pensar que os médicos são umas bestas.

Mete-me nojo, pessoal que tem uma das profissões mais respeitadas e honradas (e bem pagas) andarem a tentar passar a perna a quem lhes dá de comer. Bem sei que o estado nos lesa a todos, mas responder na mesma moeda só afecta todos nós e não os que estão no poleiro. O mesmo se aplica para todos os que declaram o ordenado mínimo para fugir aos impostos e depois se queixam que só recebem 200€ de reforma passado uns anos. É a vida, temos pena, pensassem nisso antes, ou metessem o dinheiro que andaram a desviar numa conta poupança.

A meu ver há muitos médicos que não o deviam ser. Já aqui escrevi um pouco sobre isso mas como não tenho mais que fazer escrevo outra vez. Ter uma média tão alta para medicina faz com que muita gente com verdadeira vocação para ser médico fique de fora. "Ai mas os mais inteligentes é que têm direito a ser médicos" Dizem alguns, que só por esta afirmação deveriam levar com um barrote de ferro torto por entre as nalgas. Primeiro porque ter boas notas não é sinal de inteligência. Nem todas as pessoas inteligentes têm boas notas e nem todos os que têm boas notas são inteligentes. Há muitos que são só marrões e que vão para medicina porque dá estatuto e/ou por pressão familiar. Toda a gente quer um médico na família, mais do que qualquer outra profissão. Depois, e pode haver quem discorde, para se terminar um curso de medicina não é preciso ser-se muito inteligente... Calma! É preciso ser-se aplicado, estudar, decorar muita coisa e trabalhar no duro, não digo que não, mas inteligência não é preciso muita, ou pelo menos não tanta com em inúmeros outros cursos de média muito mais baixa.

O que eu acho que é mesmo preciso para se ser médico é paixão pela nobre profissão de salvar vidas, ou de as ajudar a morrer melhor. E isso não se estuda nem se aprende. Ou se têm vocação ou não. E não é ter 19 ou 20 de média que vai mudar isso. Com esta política de médicos marrões vamos ter muitos que não sabem lidar com pessoas, porque muitos dos marrões são pessoas viradas para si próprias e digamos, uns xoninhas. É preciso gostar de pessoas e aguentar a pressão para se ser médico. É preciso tratar-se a velha que tem pontadas que afinal são gases da mesma forma que o gajo que tem o fémur a sair-lhe por entre as costelas porque saltou do 3º andar numa aposta de corridas de sapos. Já contactei com médicos fantásticos, mas já contactei com muitos que eram umas bestas, que para além da antipatia tiveram a incompetência de perguntar "Quer ser operada? Não sei se deva, mas você é que sabe", isto depois de mais de 15 horas de espera nas urgências. Se fosse qualquer outra profissão, que não médico, já estava a apanhar na boca por fazer uma pergunta dessas.

E pronto é isto. Acho que é preciso mão pesada para estes médicos. Como um juiz uma vez disse a um amigo meu que foi apanhado a conduzir alcoolizado "O senhor como está na faculdade devia ter mais cabeça, por isso vou-lhe dar a pena máxima de suspensão de carta". Se fosse um drogado e criminoso tinha atenuante. Por esse prisma gostava de ver médicos que prevaricam desta forma a passar 5 anos a trabalhar de borla num país subdesenvolvido em África para retribuir à comunidade.

P.S. - Só para não dizerem que eu sou um ressabiado e que queria era ter ido para medicina e não consegui, digo-vos que eu tinha média para entrar, mas achei que não tinha vocação e fui fazer a minha vida para outro lado. Se calhar até me arrependo é um facto.





Gostaste? Odiaste? Deixa o teu comentário: